Na edição de outubro, Ocupe a Praça homenageia à sergipanidade

0
Show acontece dia 30 (Foto: PMA)

Sergipe é país do forró, como a clássica canção aponta, mas também do toré e do rock, por isso a celebração da sergipanidade precisa refletir essa configuração plural.

Assim, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), preparou para a edição de outubro do projeto Ocupe a Praça, que será realizado na próxima quarta-feira, dia 30, na Praça General Valadão, de forma a contemplar a diversidade e a riqueza da cultura produzida nas terras do Cacique Serigy, misturando o tradicional com o contemporâneo e mostrando que a arte produzida aqui reflete talento e dedicação.
A comemoração da sergipanidade ocorre um pouco antes da quarta-feira, por conta do pré-lançamento do resultado da última oficina de audiovisual disponibilizada pelo Núcleo de Produção Digital (NPD) Orlando Vieira: trata-se do curta “Epigres”, produzido pelos alunos sob a supervisão do cineasta premiado com três kikitos Anderson Craveiro, já no sábado, 26, às 9h, nos Centros de Artes e Esportes Unificados (CEU) dos bairros Olaria e 17 de Março.
Na quarta-feira, 30, para abrir o evento, como é tradição, às 18:30, será realizada mais uma rodada de debates no Liquidifica Diálogos, sob o tema “Sergipanidades”, com a participação do professor da Universidade Federal de Sergipe Denio Azevedo, que apresentará sua visão sobre as identidades culturais sergipanas; Karine Xokó, que representará sua tribo e contribuirá sob a ênfase da resistência da cultura dos povos originários; e a única marcadora de quadrilha em Sergipe, Evilânia, vencedora de diversos títulos à frente da “Balança mas não cai”, de Itabaiana.
Para finalizar a noite, uma apresentação musical que promete ser uma das mais marcantes até agora. Procurando refletir a inventividade do que é produzido atualmente e de forma simultânea homenagear aqueles que criaram as bases sob as quais desenvolveram-se a musicalidade característica do estado, um super grupo composto por Chiko Queiroga e Antônio Rogério, Lucas Campelo, Bob Lelis e banda Donali performarão releituras de clássicos musicais sergipanos, apresentarão projetos contemporâneos e lançarão uma canção manifesto, uma mistura de ambos os mundos.

 

Fonte: PMA 

Comentários