Orsse inicia “Concertos no Interior” na Catedral de Propriá

0

Foto: Lúcio Telles (Secult)
A Orquestra Sinfônica de Sergipe inicia no nesta sexta-feira, 26, às 19h, a série “Concertos no Interior”, com apresentação na Catedral de Propriá. O projeto é uma das metas da Orsse deste ano, que visa popularizar o acesso à música erudita, buscando públicos que até agora tenham tido pouco ou nenhum contato com a música clássica.

Gerida pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult) e com patrocínio do Instituto Banese, a Orquestra Sinfônica se consolidou durante a temporada 2009, como uma das maiores orquestras brasileiras, e pretende continuar com o sucesso, avançando e inovando cada vez mais.

“Através da Turnê Brasil 2009, nós tivemos o reconhecimento e o sucesso necessário para nos tornarmos uma orquestra reconhecida nacionalmente. Com o projeto ‘Concertos no Interior’, queremos alcançar algo ainda mais importante: o reconhecimento do público sergipano, através da  itinerância e circulação do produto cultural da Orsse pelo interior do Estado, com o objetivo de democratizar e aproximar as pessoas do trabalho que a Sinfônica de Sergipe realiza”, declarou a Secretária de Estado da Cultura, Eloísa Galdino.

Para quem sustenta que o repertório deva ser mais “light” nas apresentações do interior, o maestro Guilherme Mannis, diretor artístico e regente titular da Orsse, contra-argumenta: “O concerto será apresentado numa bela catedral; portanto pensamos em adaptar nosso repertório ao rito litúrgico quaresmal, com peças que tenham a característica de demonstrar toda a capacidade expressiva do grupo aliada à grande receptividade por quem nunca assistiu a um concerto. Mozart e Dvorak, por exemplo, são perfeitos para isso”, afirmou.

Entre as obras apresentadas, a Abertura do Oratório ‘O Messias’, de Händel, promete remeter o público à expressividade do rito quaresmal. A Sinfonia nº25, em sol menor, de Mozart, é uma das grandes obras primas do compositor, exigindo dos trompistas empenho e profissionalismo. Finalmente, a Serenata de Dvorak é uma peça lírica e repleta de grandes melodias, pronta a demonstrar toda a capacidade de encantamento que só a música clássica possui.

Fonte: ASN

Comentários