“Governo combate a crise”, diz João Andrade

0

Para secretário, segundo semestre é promissor
Com o objetivo de esclarecer o empresariado sergipano quanto aos reflexos da crise mundial no Estado, a Associação Comercial e Empresarial de Sergipe (Acese) realizou, na manhã desta sexta-feira, 17, mais uma edição do ‘Café com Negócios’. Na oportunidade, o secretário de Estado da Fazenda, João Andrade, falou que o Governo tem buscado novas fontes de receita e procurado conter ao máximo a despesa pessoal para driblar a crise.

O secretário revelou também outras medidas que a Secretaria e os demais órgãos estão tomando. “Este ano o custeio administrativo do Governo está 25% menor que neste mesmo período do ano passado. Além disso conseguimos empréstimos bancários com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social em mais de R$ 200 milhões desde 2008. Todo este montante está sendo injetado diretamente na economia sergipana” explica João Andrade.

Para o secretário, a manutenção do Programa de Obras do Governo também foi fundamental para manter a economia aquecida. “Mesmo com a crise, nenhuma obra foi parada. Pelo contrário, outros projetos foram lançados e desenvolvidos”, destaca.

Empresários lotaram o salão de eventos do Hotel Parque dos Coqueiros
A expectativa da Secretaria da Fazenda para o segundo semestre é promissora. “A segunda metade do ano é sempre melhor que a primeira. Mesmo com crise, esperamos ter uma arrecadação da receita superior a 2% em relação ao segundo semestre do ano passado”, projeta João Andrade.

Presenças

Empresários sergipanos lotaram o salão de eventos do Hotel Parque dos Coqueiros durante o ‘Café com Negócios’. Para Maria de Fátima, sócia em uma empresa de esterilização de material hospitalar, o encontro foi esclarecedor. “Foi uma forma de nos atualizarmos sobre essa crise, afinal todos nós estamos sofrendo os reflexos”, afirma Maria de Fátima.

Além de micro e pequenos empresários, estiveram presentes representantes de grandes  companhias, como Banese, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste, Norcon, Energisa e Telemar.

Comentários