Poupança e título de capitalização rendem pouco e são desaconselhados

0
Poupança e título de capitalização rendem pouco e são desaconselhados (Foto: Pixabay)

Poupança e títulos de capitalização são tipos de aplicação que mais chegam ao conhecimento da população e também estão entre os mais oferecidos pelos bancos. No entanto, os dois são desaconselhados por economistas e assessores de investimentos por serem pouco rentáveis e por trazer ‘prejuízos’ aos clientes.

Popular pelo fator cultural no Brasil, a poupança é recorrida por boa parte das pessoas que possuem dinheiro sobrando e ficam na expectativa de que ele renda. De acordo com um estudo da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) publicado no ano passado, menos da metade da população têm investimentos. Deste nicho, 89% recorre à poupança. Há dois tipos: a antiga, que rende 0,5% ao mês e vale para depósitos feitos até maio de 2012; e a nova, que atualmente é de 0,37% ao mês, percentual que representa 70% da taxa Selic, fixada pelo Governo Federal.

Economista Rafael Saldanha desaconselha aplicações em poupança e títulos de capitalização (Foto: Portal Infonet)

Portanto, o retorno acaba sendo baixo e na maioria das vezes é menor até que a inflação. Pode-se dizer que o aplicador acaba perdendo recursos. O economista e assessor de investimentos Rafael Saldanha desaconselha. “A poupança foi o primeiro ‘investimento’ criado no país, por Dom Pedro I, para os escravos juntarem dinheiro e comprarem carta de alforria. Infelizmente, poupança é o que as pessoas mais ouvem e consequentemente mais conhecem. Por isso somos muito vinculados a ela. Se fizer um levantamento histórico, ela perde para a inflação em muitos anos. Se eu puser meu dinheiro em janeiro e tirar em dezembro, eu compro menos coisas do que se tivesse gasto tudo logo no início. O ponto fraco é esse rendimento baixo”.

Os títulos de capitalização, por sua vez, são um tipo de aplicação em que o banco debita periodicamente um valor do cliente para que ele possa resgatá-lo depois de certo tempo. Apesar de os bancos oferecerem, durante a vigência, a possibilidade de receber prêmios, é um modelo também pouco recomendado. “Eu sinceramente não consigo entender muito a função. Isso pode até soar grosso, mas só existe se for para os bancos ganharem dinheiro, porque a taxa de rendimento é extremamente baixa, variando de 1% a 2% ao ano, uma correção imperceptível, pífia. A pessoa pode até ganhar um prêmio, mas não vale a pena abrir mão do rendimento para tentar a sorte. É um modelo interessante para o banco, que não vai ter que corrigir o dinheiro, ou para um sortudo que venha a ganhar algum prêmio”, explicou o economista.

O alerta, então, é de que, no fim do período, o aplicador pode resgatar dinheiro com uma correção pequena, com rendimento menor que a poupança e perdendo para a inflação.

Previdência privada

Um tipo de investimento que está entre os mais aderidos pela quantidade de brasileiros que costuma aplicar dinheiro é a previdência privada: 6% dessa população. Ao contrário da poupança e dos títulos de capitalização, mostra-se rentável e interessante. “A ideia é acumular patrimônio e viver de renda. Quem tem a previdência pública está inserido em um regime de repartição simples, sendo que quem atualmente trabalha e contribui com o INSS banca o aposentado de hoje, então não há acumulação de patrimônio, e sim distribuição de renda. Na previdência privada, é o sistema de capitalização: pago para mim mesmo no futuro, é uma reserva acumulada, em que vou receber o que guardei e mais o rendimento”, comentou Rafael.

O modelo é flexível e varia de acordo com a idade de quem adere, o valor que pode ser comprometido mensalmente com a contribuição, e o montante que se objetiva acumular. “Posso começar a contribuir tarde e abrir mão de um percentual grande da renda ou começar a contribuir cedo e desgastar pouco. Não há uma exatidão, depende muito. Costumamos dizer que se a ideia é contribuir a partir dos 20 a 30 anos, ela tem que poupar de 10% a 12% da renda”.

O interessado pode encontrar ofertas de previdência privada pelas seguradoras vinculadas a bancos e também por meio das independentes. A dica, portanto, é iniciar neste modelo o quanto antes, para comprometer fatia menor do salário e ficar de olho na rendabilidade dos fundos de previdência.

Fatores que tornam a previdência privada mais atraente é o fim de diversos encargos, como a Taxa de Carregamento de Entrada, ou seja, uma cobrança pelo depósito; e a Taxa de Carregamento de Saída. “Os custos não existem mais e era uma aplicação  conhecida por render pouco. Hoje, com o novo mercado, há fundos de previdência que superam fundos de investimentos mais dinâmicos”, recomendou Saldanha.

Confira dicas para entrar no mercado de investimentos

Por Victor Siqueira

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais