SE perdeu participação na indústria da construção entre 2009 e 2018

0
Em relação ao país, Sergipe é o 20º na ocupação de pessoal no setor da construção (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Sergipe perdeu participação na indústria da construção entre 2009 e 2018, segundo a Pesquisa Anual da
Indústria da Construção (PAIC), divulgada nesta quarta-feira, 27, pelo IBGE.

Em 2009, o valor das incorporações, obras e/ou
serviços da construção no estado representavam 6,2% do total para o Nordeste, ao passo que, em 2018,
esse percentual caiu para 5,2%.

Apesar do recuo em Sergipe, para a região Nordeste, como um todo, houve avanço da participação em
âmbito nacional. Em 2009, o valor de incorporações, obras e serviços no setor representava 16,8% do total
nacional, em 2018 esse percentual passou a representar 18,7%. Apenas as regiões Nordeste e Sul
apresentaram avanço. A maior perda de participação veio da região Sudeste, que respondia por 54,5% do
setor em 2009 e passou a representar 49,2% em 2018.

No Nordeste, Sergipe está acompanhado da Bahia (30,8% para 28,2%), Pernambuco (19,5% para 15,4%) e
Maranhão (11,3% para 8,8%) no grupo de estados que perderam participação. Em 2009, a indústria da
construção em Sergipe era maior do que as do Piauí, da Paraíba e de Alagoas. Em 2018, apenas o Piauí
tinha uma indústria da construção menor do que a sergipana entre os estados da região Nordeste.

Setor da construção passa a ter mais empresas, mas menos pessoal ocupado

Nos últimos dez anos, a indústria da construção passou a contar com um número crescente de empresas
atuantes. Essa é uma tendência generalizada, atingindo Brasil, todas as cinco grandes regiões e todos os
estados da região Nordeste, por exemplo. Em Sergipe, eram 433 empresas atuantes na indústria da
construção em 2018, ao passo que, em 2009, eram 284. Percentualmente, são 52,5% empresas a mais no
setor. Numericamente, Sergipe tem a menor quantidade de empresas atuantes no setor entre os estados
da região Nordeste.

Por outro lado, o número de pessoas ocupadas no setor caiu, embora a tendência, nesse caso, seja menos
generalizada, com aumento de pessoal ocupado na região Sul e no estado do Ceará, por exemplo. Em
Sergipe, eram 17.845 pessoas ocupadas em 2018. Em 2009, eram 21.338 pessoas. A redução em termos
percentuais para esse indicador ficou em 16,4%. Numericamente, entre os estados do Nordeste, a
quantidade de pessoas ocupadas no setor era maior do que no Piauí (16.439) e em Alagoas (15.912).
Considerando as duas variáveis, tem-se que, em média, uma empresa na indústria da construção
empregava cerca de 75 pessoas em 2009, mas, em 2018, ela passou a empregar, em média, 41 pessoas.

No que diz respeito aos valores gastos com salários, retiradas e outras remunerações, Sergipe registrou R$ 447,8 milhões em 2018, frente a R$ 261,6 milhões em 2009, sempre em valores correntes (valores
informados no ano de referência da pesquisa, sem levar em conta o efeito da inflação). Quando expresso
em termos de salários-mínimos vigentes no ano de referência, o valor gasto é praticamente o mesmo. Em
2018, com o salário-mínimo em R$ 958, para cada pessoa ocupada na indústria da construção, foram
gastos com salários, retiradas e outras remunerações R$ 25.096 (26,31 salários-mínimos no ano). Em 2009, com o salário-mínimo em R$ 465,00 a partir de 1º de fevereiro, o gasto por pessoa com remunerações ficou em R$ 12.259 (26,36 salários-mínimos no ano).

Em relação ao país, Sergipe é o 20º na ocupação de pessoal no setor da construção, com participação de
1,1%. O estado de São Paulo está em 1º com 26,7%. Amapá, Acre e Roraima apresentaram as menores
participações, com 0,2%.

Já em relação ao valor das incorporações, obras e serviços da construção, Sergipe aparece em 21º, com
1,0% de participação. São Paulo permanece em primeiro com 29,6% e Amapá, Acre e Roraima
permanecem com as menores participações (0,2%).

Fonte: IBGE

Comentários