Quem foi Augusto Maynard Gomes?

0

Augusto Maynard Gomes foi possivelmente um dos políticos mais marcantes da história sergipana. Nascido em 16 de fevereiro de 1886 no Engenho Campo Redondo, em Rosário do Catete, Sergipe, filho de Manuel Gomes da Cunha e Teresa Maynard Gomes, ele faleceu em 12 de agosto de 1957, na cidade do Rio de Janeiro.

Segundo o seu biógrafo Severino Uchôa, Maynard nasceu em um período de guerra e seu nome de “Augusto” foi uma predestinação de que seria um homem voltado para campanhas militares e tarefas administrativas, assim como o aguerrido Imperador romano.

Sendo predestinado ou não, Maynard desde cedo se envolveu em revoltas que tiveram um cunho militar. Com 18 anos de idade, ainda cadete, se envolveu na Revolta da Vacina, que tinha como objetivo a deposição do então presidente da República Rodrigues Alves. O movimento foi debelado, Maynard foi desligado da Escola Militar e expulso do Exército brasileiro. Retornou para Sergipe, e acabou participando da Revolta Fausto Cardoso, em 1906.

Certamente a Revolta de 13 de julho foi o movimento rebelde de maior significação do qual Maynard participou. A revolta foi comandada por ele, Eurípides de Lima e João Soarino, militares pertencentes aos quadros do 28º BC (Batalhão de Caçadores).  A princípio foi uma resposta de apoio à revolta militar de 05 de julho de 1924 comandada por Isidoro Dias em São Paulo. Assim, em Sergipe, na manhã do dia 13, os tenentes já estavam no poder e montaram uma Junta Governativa Militar. O levante teve fim apenas em 02 de agosto de 1924.

Maynard volta para o cenário político na Revolução de 1930 que colocou Getúlio Vargas no poder. Com isso, foi anistiado, promovido a capitão e nomeado no dia 16 novembro para governador provisório de Sergipe. E no dia 19 de dezembro foi confirmado na chefia do governo na condição de Interventor Federal em Sergipe.  Ficou no cargo até 1935, quando solicitou a exoneração para concorrer às eleições indiretas para o governo do Estado. Mas foi derrotado por Eronides de Carvalho. Ficou inconformado com o resultado, a ponto de não transferir o cargo para o seu sucessor e retirou-se para sua fazenda, no município de Rosário do Catete.

Maynard voltou novamente ao cargo de Interventor Federal de Sergipe em março de 1942. Ficou até outubro de 1945, tendo deixado o cargo dois dias antes da deposição de Getúlio Vargas. Voltou para a política em 1947 como senador, e em 1952 foi promovido a general de brigada. Foi eleito uma última vez para o Senado em 1954.

Como se vê, Maynard pode ser considerado um importante personagem da história política e militar de Sergipe. O seu envolvimento em eventos tão relevantes para Sergipe e para o Brasil na primeira metade do século 20 certamente exigem de nós maiores estudos.

Dércio Cardoso Reis é Graduando em História pela UFS, bolsista voluntário do projeto “Memórias da Segunda Guerra em Sergipe”, apoiado pelo CNPq e pela FAPITEC – Edital PRONEM/2011. O artigo integra as colaborações feitas à coluna do GET.                       

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais