Seed esclarece fim do comodato com a Casa Maternal

0

Casa Maternal Amélia Leite (Foto: Arquivo Portal Infonet)

A Secretaria de Estado da Educação (Seed) esclarece que partiu da Sociedade Protetora da Casa Maternal Amélia Leite a decisão de extinguir o comodato com a Seed. A diretora de Educação de Aracaju, professora Nádia Cardoso, ressalta que em nenhum momento a Secretaria de Educação demonstrou que não queria renovar a cessão de comodato com a instituição. No local, alunos da rede pública estadual de ensino fazem o ensino fundamental.

Conforme ofício n° 75/2011, de 29 de julho de 2011, encaminhado à Seed, a presidente da Sociedade Protetora da Casa Maternal Amélia Leite, Maria Isabel Prado Casali, deixa claro que não há interesse na renovação do contrato de comodato firmado em três de fevereiro de 2011 entre a instituição e a secretaria, do qual foram cedidas as salas de aula e demais dependências físicas para funcionamento do ensino fundamental.

A presidente Maria Isabel Prado Casali, afirmou em ofício encaminhado à Seed que a instituição pretende utilizar as salas onde funciona o ensino fundamental na ampliação de seus serviços com menores de três a cinco anos, inviabilizando a permanência dos alunos da rede estadual na instituição.

No documento, Isabel Casali disse ainda que a "entidade entendeu ser mais valia para os fins da instituição, o atendimento na área maternal, face a deficiência de vagas existentes na cidade de Aracaju para tal procedimento e, consequentemente, melhor para a população carente assistida". O contrato entre a Secretaria de Estado da Educação e a Sociedade Protetora da Casa Maternal Amélia Leite vai até o dia 12 de fevereiro de 2012.

Para solucionar o problema criado com o fim do comodato, a Secretaria de Estado da Educação decidiu que os alunos serão deslocados para as escolas próximas da região. "Ninguém será prejudicado devido à decisão dos diretores da Casa Maternal Amélia Leite", disse a diretora de Educação de Aracaju, professora Nádia Cardoso.

A diretora da DEA informou que já entrou em contato com a direção das escolas próximas ao bairro Suissa para que seja priorizada a matrícula dos alunos do Amélia Leite. "Estamos realizando reuniões periódicas com diretores e professores para garantir que nenhum aluno da rede pública estadual que estuda no Amélia Leite seja penalizado", revelou. A professora também garantiu que todos os alunos concluirão o ano letivo sem prejuízo.

Nádia Cardoso disse ainda que a DEA também realizou reuniões com a equipe de professores e diretiva da Casa Maternal para esclarecer o que vem ocorrendo e informar que a decisão de extinguir o comodato foi da direção da instituição e não da Seed. "Lamentamos o fim desta parceria, mas garantimos que nenhum dos nossos alunos serão prejudicados," finalizou.

Fonte: Ascom Seed

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais