Prefeitura e UFS elaborarão mapa do coronavírus em Aracaju

0
O prefeito Edvaldo Nogueira, secretários municipais e os professores se reuniram na tarde desta quinta-feira, 16 (Foto: Ana Lícia Menezes)

A Prefeitura de Aracaju iniciará, em parceria com professores da Universidade Federal de Sergipe, a elaboração do mapa do coronavírus em Aracaju. A partir da realização de testes em pacientes com sintomas da doença, será feita uma avaliação da frequência de positividade do covid-19 e sua distribuição nos bairros da cidade. O prefeito Edvaldo Nogueira, secretários municipais e os professores se reuniram na tarde desta quinta-feira, 16, para discutir o assunto.

“Esta reunião representa um momento muito importante porque, agora, vamos iniciar uma segunda etapa, de mapear o coronavírus em nossa cidade. No primeiro momento, conseguimos cumprir com o que planejamos, que foi diminuir a possibilidade de contaminação para que não houvesse explosão de casos. Agora, vamos buscar a localização do vírus em nossa cidade, usando métodos científicos, testando as pessoas e, a partir daí, elaborando um mapa epidemiológico em Aracaju, mostrando por onde o coronavírus têm circulado. É um grande avanço, fruto de uma parceria com a Universidade Federal de Sergipe”, afirmou o prefeito.

Edvaldo ressaltou que a elaboração do mapa “será fundamental para a tomada de decisões” em relação às medidas de enfrentamento da doença. “Teremos condições de decidir sobre o distanciamento social, que pode ser diminuído ou aumentado, e sobre a forma de lidar com a doença, de acordo com o comportamento dela em cada pessoa. Tudo isso, sem estrangular a nossa rede de saúde. Sabemos que a quantidade de pessoas doentes vai aumentar, mas a nossa intenção é que isso aconteça gradativamente, sem causar estrangulamento no sistema. Vamos testar entre 50 a 150 pessoas por bairro, olhando idade, sexo, e com os dados coletados, vamos elaborar um mapa epidemiológico em nossa cidade”, disse.

O chefe do laboratório de Biologia Molecular do Hospital Universitário, Roque Almeida, explicou como se dará o trabalho. “A situação do vírus acontece de forma dinâmica e diferente também, porque a quantidade de pessoas doentes representa em torno de 15% a 20%, enquanto 80% das pessoas que entram em contato com o vírus são assintomáticas. Com isso, a gente não conhece essas pessoas, a não ser que elas passem pelo teste. A ideia, então, é fazer testes rápidos para ver quantas pessoas tiveram contato com o vírus, a prevalência, ou seja, a frequência de pessoas, por bairro, que entraram em contato com o vírus. A partir dessa análise teremos um panorama da circulação do vírus na cidade e saberemos como tomar medidas de prevenção nessas localidades”, afirmou.

Participaram da reunião os secretários municipais Jefferson Passos (Finanças), Carlos Cauê (Comunicação) e Waneska Barboza (Saúde); o professor e epidemiologista Enaldo Lima; a médica epidemiologista da Secretaria da Saúde de Aracaju, Fabrízia Dias, e a diretora de Vigilância e Atenção Básica em Saúde, Taíse Cavalcante.

Fonte: AAN

Comentários