Canindé do São Francisco (SE): Feira é atração turística

0
Encontro de tradições sertanejas na feira livre. Foto: Sílvio Oliveira

Galinha de capoeira ou carne de bode? Adicuri, ouricuri ou coquinho? Mel, melaço ou cabau? Fumo de rolo ou cigarro de palha? Difícil de responder, mas nas feiras livres do sertão de Sergipe, a tradição e o cotidiano viraram atração turística. E não poderia ser diferente em Canindé do São Francisco, distante 213km de Aracaju.

No Alto Sertão de Sergipe fica localizada Canindé do São Francisco, famosa por lá situar a hidrelétrica de Xingó e o Cânion do São Francisco, um dos destinos turísticos mais visitados de Sergipe. Mas há quem diga que o mercado público e as feiras livres de Canindé são as expressões mais detalhadas da cidade. É lá onde o turista encontra os cheiros, cores, gostos e tradições da população.

A feira livre da cidade tem virado atração. O turista encontrará desde frutas e verduras aos mais autênticos produtos da culinária sertaneja, a exemplo de manteiga de garrafa, ovos de galinha de capoeira, rapadura, além de temperos e artefatos em couro.

Ouricuri, adicuri, dicuri? Foto: Sílvio O

Os doces caseiros enrolados na palha e os produtos confeccionados à base de milho e coco, a exemplo do beiju, pé de moleque, malcasado, viraram souvenires nas mãos dos turistas. A rapadura é embalada para viagem e de lá segue para os mais diversos cantos do país.

Não é por menos que a cidade já recebeu um festival da goiaba e do quiabo. Por conta da fartura da fruta, na feira pode-se encontrar goiabada e balas da fruta que ganham formato para presente.

A vedete das feiras da região é o coquinho extraído ainda verde de uma palmeira tipicamente brasileira, denominado de ouricuri. Por meio do povo simples o ouricuri ganhou variações de nomes também sendo chamado de adicuri ou simplesmente dicuri ou licuri.

Produtos do sertão. Foto: Silvio O

A palmeira pode produzir até oito cachos com mais de 1.500 coquinhos cada. E todo mundo que tem um pé de dicuri no quintal, quando nota que os frutos estão num tom amarelo vermelho, sabe que está na hora de cortar o cacho e colocá-lo para secar. Depois é quase que uma diversão em família. O quebrar do coquinho geralmente com uma pedra é quase que uma brincadeira. E depois saborear a noz que tem um sabor de coco é como se estivesse saboreando uma tradição de infância nas cidades do interior do Nordeste. O doce de ouricuri ou o soverte também podem ser apreciados.

Na parte superior da feira livre, os bares e restaurantes populares servem desde o sarapatel a carne de sol assada com feijão verde. Se tiver uma conversa mais amigável com um dos proprietários, a galinha de capoeira pode ser adquirida e cozida lá mesmo. Ai é só aproveitar o sabor do sertão, fotografar as tradições da feira e levar na bagagem os presentinhos com cheiro, gosto e cor do sertão de Sergipe.

Dicas de Viagem

  • Em Aracaju há passeios bate-volta para Canindé do São Francisco que dura o dia todo. Procure as agências de viagem e defina o que quer conhecer, onde almoçar e o que está incluído com antecedência para não ter dor de cabeça.

  • Para quem não gosta de roteiros turísticos que passa mais tempo para chegar e voltar do que no destino, melhor conhecer a região pernoitando em Canindé ou em Piranhas. É muito menos cansativo e mais proveitoso, até porque há outros locais a serem explorados na região, como o roteiro do cangaço com Grota do Angico, a cidade histórica de Piranhas (AL), o Museu de Arqueologia de Xingo, as imediações da Hidrelétrica e até mesmo um passeio pela orlinha da cidade.

  • Pé de Moleque. Foto: Silvio O

    Leve bastante protetor solar e use roupas leves. Na alta temporada, faz muito calor e não chove. Caso prefira conhecer a região quando há menos enxurrada de turistas, prefira ir nos meses de junho, julho e agosto.

  • Partindo de Aracaju (SE) há diversos percursos, mas todos eles originam na BR 101. Pode-se ir pela BR 235, sentido Itabaiana/ Nossa Senhora da Glória/ Canindé (Rota do Sertão). Depois de Itabaiana, segue-se pela SE 414, SE 212, e por último SE 208. A estrada está totalmente recuperada.  Chegando em Canindé do São Francisco, pega-se a SE 208, atravessa a ponte da CHESF e chega à Alagoas. A estrada é sinalizada e se percorre somente 12 km até Piranhas.

Carne de sol de bode. Foto: Sílvio O

Gastroterapia

O casamento da carne de sol de bode acebolada com o feijão com creme de leite e queijo é um dos pratos mais servidos nos diversos restaurantes e bares da região de Canindé do São Francisco e Piranhas. A carne tem um gosto mais apurado que a bovina e também pode ser encontrada assada como petisco ou churrasquinho. É o sabor do sertão à beira do rio São Francisco.

Na Bagagem

Resort GJP Empreendimentos no Mosqueiro

Em 2004 iniciou-se uma longa negociação entre o Governo de Sergipe e a GJP Empreendimentos para a construção na região do Mosqueiro (SE) do que seria o maior resort do Nordeste: o Amarazul Eco-Resort. Em 2006 as negociações andaram, mas em 2007 se esbarraram na parte legal: o Plano Diretor e o Estatuto das Cidades não permitem construção naquela localidade. Em 2012 foi retomada a negociação do investimento orçado em mais de R$ 50 milhões e até o momento nada sinaliza sair do papel.

Riscos ambientais X magnitude do projeto

Problemas com a Licença de Instalação (LI), conflitos de interesse em relação ao Estatuto da Cidade e ao Plano Diretor de Aracaju, riscos socioambientais por conta da magnitude do projeto geraram uma série de questionamentos em relação ao meio ambiente e ao impacto social para os moradores da região. A Associação Desportiva, Cultural e Ambiental do Robalo (ADCAR), entidade representativa dos moradores do bairro do Robalo, é uma das que criaram resistência.

CVC rodoviário

A Operadora CVC Viagem em Aracaju entra definitivamente nos roteiros de viagens rodoviárias. A empresa está comercializando um passeio para o dia 7 de setembro partindo de Aracaju para Itacaré (BA) em quatro dias, incluindo transporte e hospedagem.

Rota 101 Nordeste

Acontece no período de 6 a 8 de agosto o II Salão de Turismo Rota 101 Nordeste, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda (PE). Sergipe não participa do destino Rota 101, que tem o objetivo de ser um produto turístico incrementando o turismo intrarregional através dos equipamentos e atrativos turísticos do entorno da BR 101 em Maceió, Recife, João Pessoa e Natal, compreendendo 510km.

Alese passará a divulgar Sergipe

O canal de TV da Assembleia Legislativa de Sergipe deverá passar a ser aberto e divulgará os pontos turísticos sergipanos. Uma parceria entre a Secretaria de Estado do Turismo e do Esporte com a Casa Legislativa disponibilizará o potencial de Sergipe para todos os sergipanos.

Festival da Lagosta de Maragogi (AL)

O Festival da Lagosta de Maragogi acontece no período de 2 a 27 de setembro e é um ótimo motivo para vivenciar os sabores da cidade do litoral norte de Alagoas, conhecida pelas famosas Galés, um dos cartões postais da região da Costa dos Corais. Os 12 participantes do Festival vão oferecer desconto 30 a 50% durante o evento, que entra na 6ª edição com apresentações culturais, exposição, venda de artesanato, degustação de petiscos e shows musicais.

Saiba mais:

www.facebook.com.br/tonomundo

Contato:

silviooliveira@infonet.com.br

Comentários