Concurso: Como Montar um Quadro de Horários?

0

Já conhecemos os concursos públicos previstos para 2013 (2013: O Ano Áureo dos Concursos Públicos), bem como algumas estratégias que devem ser desenvolvidas para iniciar a preparação para os concursos públicos (Concurso Público: O Começo). Chegou a hora de começar os estudos.

Mas uma palavra separa o concurseiro do aventureiro: Planejamento.

A primeira etapa que deve ser desenvolvida para o início da preparação para concursos públicos é o planejamento do estudo, com a elaboração de um quadro de horários, de modo que haja um salto de qualidade no seu estudo a partir da sistematização do conteúdo programático ao longo das semanas que virão pela frente.

Uma queixa comum (para não dizer a maior desculpa) daqueles que tem interesse, mas que ainda não iniciaram a preparação para uma prova de concurso público é a falta tempo para o estudo, por diversos fatores: trabalho, família, amigos, namorado(a), etc.

Para tentar ajudar nessa empreitada, segue, abaixo, um modelo de QUADRO DE HORÁRIOS, para uma pessoa que vai iniciar o estudo para o concurso do Tribunal Regional Eleitoral do Estado de Sergipe (um dos concursos previstos para 2013). Essa pessoa, como muitas outras, tem, de segunda a sexta, todas as manhãs e noites ocupadas: trabalha no turno matutino e estuda no turno noturno (curso técnico, faculdade ou curso preparatório para concurso).

Em uma folha de papel ou no computador, no formato paisagem, construa uma tabela e divida o seu dia em três turnos (manhã, tarde e noite). Se quiser ser mais específico, já que determinadas atividades podem não ocupar todo o turno, estabeleça os horários de cada atividade. Importante que você preencha a tabela de acordo com toda a sua rotina. Importante que seja aproveitado TODO o tempo livre, otimizando, AO MÁXIMO, os espaços entre atividades.

Seguda

Terça

Quarta

Quinta

Sexta

Sábado

Domingo

Trabalho

Trabalho

Trabalho

Trabalho

Trabalho

Arquivologia

Revisão + leitura dos artigos de leis e da CF marcados ao longo da semana

Direito Constitucional

Português

Direito Administrativo

Informática

Direito Eleitoral

Resolução de Provas de Concursos Anteriores

Off

Atividade Física

Atividade Física

Atividade Física

Off

Off

Curso

Curso

Curso

Curso

Curso

Off

Off

Legenda: ManhãTardeNoite

Tempo de Estudo

A fixação do quantitativo de horas de estudo por dia depende da realidade de cada pessoa, diante dos afazeres de cada um. Claro que, a partir da meta que foi estabelecida (aprovação em um concurso público), o tempo precisa ser otimizado, com a redução de algumas atividades, digamos, supérfluas. Aconselho, no entanto, que o aluno inicie com, pelo menos, 1h e 30 min de estudo diário, mesmo que o tempo não seja contínuo (não é o ideal, mas se essa for a única possibilidade de estudo, deve ser aproveitada) e, aos poucos, vá aumentando a carga horária.

Como Estudar

Se você tem toda a tarde disponível, divida o seu tempo de estudo em blocos de 50 minutos, com intervalos (exatos) de 10 minutos. Se o seu tempo disponível, no entanto, é de apenas uma hora ou uma hora e trinta minutos, estude de forma contínua, sem qualquer intervalo, de forma que o tempo possa ser melhor aproveitado.

É um erro muito comum dos candidatos o estudo completo de uma disciplina para, somente após a conclusão da primeira, iniciar o estudo da segunda matéria e assim sucessivamente. Como se percebe, o rodízio das disciplinas é fundamental, por algumas razões:

1) Se você for surpreendido com a publicação do edital no curso do seu programa de estudo, saberá um pouco de cada disciplina, o que lhe permite atingir a pontuação mínima de cada matéria (situação recorrente em muitos editais de concursos). Caso contrário você pode saber tudo de Direito Administrativo, mas absolutamente nada de Direito Eleitoral, Português, Informática e Arquivologia, o que dificultará, sobremaneira, a sua aprovação na prova do concurso almejado.

2) O rodízio das disciplinas força o estudo de todo o conteúdo programático e não daqueles temas que você mais gosta ou tem mais facilidade (é justamente a disciplina que normalmente você afasta dos seus estudos que pode ser o diferencial para a sua aprovação).

3) Permite a apreensão do conteúdo programático, pois o candidato, semanalmente ou, no máximo, quinzenalmente, tem contato com a disciplina.

Caso existam outras matérias (10 matérias ao invés de 05, por exemplo), inclua a disciplina ao longo da outra semana. Caso uma matéria, no entanto, tenha um peso maior que a outra (seja pelo quantitativo de questões previsto no edital para a matéria ou pela pontuação que é atribuída), importante que a disciplina esteja presente semanalmente no seu estudo. Um exemplo prático: se você está estudando para o concurso do Ministério do Trabalho, a fim de ocupar o cargo de Auditor Fiscal do Trabalho, importante que a disciplina Direito do Trabalho tenha um dia fixo reservado em todas as semanas de estudo, enquanto que os outros dias serão utilizados para o rodízio das demais disciplinas.

Muito bem, estabelecido o dia de cada matéria, caso seja uma disciplina jurídica, sempre faça o estudo atrelado à leitura da “lei seca”, ou seja, leia a própria legislação, não se contentando com os comentários à lei ou à Constituição. Isso porque inúmeras questões de provas de concurso ainda cobram a literalidade de lei.

Esteja sempre com um material em mãos, pois, durante algumas atividades, é possível adiantar o estudo. Ex: se precisar ir ao médico (e normalmente, não obstante o horário marcado, são alguns minutos ou, às vezes, horas de espera) ou precisa falar com o gerente de um banco, aproveite o tempo de espera para fazer a leitura de determinada matéria. Como esses ambientes, normalmente, não são propícios para a concentração, faça a leitura da Constituição Federal ou de determinada lei, assinalando (e decorando), os artigos mais importantes (ou porque o professor indicou em sala de aula ou porque você verificou que eles são mais cobrados em provas de concursos).

Com a publicação do edital, deve haver uma imediata adequação do quadro de horários, tendo em vista o conteúdo programático divulgado. Nesse momento devem ser inseridas, se for o caso, alguma disciplina não prevista inicialmente quando da elaboração do seu programa de estudo.

Na semana anterior da prova é o momento de fazer uma grande revisão do conteúdo programático, reservando-se um dia – ou um turno, a depender do quantitativo de disciplinas –para cada matéria.

Como você, dificilmente, terá a sensação de que está totalmente preparado (acostume-se com aquela sensação de que você precisa de mais alguns dias para revisar alguns temas…), mesmo durante o desenvolvimento do seu programa de estudo, inscreva-se em concursos que tenham um conteúdo de disciplinas próximo do que você está estudando. Você começa a se ambientar com o clima de uma prova de concurso, verificando o comportamento de outros candidatos, começa a aprender com os seus erros, além de trabalhar a gestão do tempo durante a realização da prova.

Resolução de Provas de Concursos Anteriores

Muito importante que, atrelado ao estudo das disciplinas, o candidato resolva questões de concursos públicos anteriores. Além da resolução diária de questões, aconselho que o candidato reserve um momento para fazer provas completas (independente do nível de estudo), pelo menos uma vez por semana. Tal atividade irá ajudá-lo nos seguintes aspectos:

a) revisão do conteúdo programático;

b) fixação das informações estudadas ao longo da semana;

c) gestão do tempo durante a realização da prova;

d) identifica os assuntos que mais são cobrados nas provas;

e) identifica o perfil da banca examinadora.

Lazer e Atividade Física

Não corte todas as atividades que lhe dão prazer, bastando reduzi-las. Caso contrário a atividade de estudo para concurso será tão sacrificante e desgastante, que, em pouco tempo, será abandonada. Se você é fascinado(a) por novelas, reserve o seu tempo para assistir a mais interessante ou aquela que vai atrapalhar menos o seu estudo, pelo fato de você não conseguir render muito diante do horário de exibição.

Além disso, reserve, semanalmente, um dia inteiro ou dois turnos (em dias diferentes) para o seu descanso. Nesse momento, faça qualquer coisa, menos estudar.  Você não está perdendo tempo com isso, acredite! Ao contrário, você está recarregando as baterias para uma nova semana de muito estudo.

Da mesma forma, não deixe de praticar uma atividade física (qualquer que seja), pois, além de ajudar na produção de endorfina, que irá ajudá-lo(a) na concentração e memorização do conteúdo estudado, você precisa estar bem condicionado para enfrentar algumas maratonas de provas, muitas vezes encarando, num mesmo dia, 10 horas (cinco horas no turno matutino e cinco horas no turno vespertino, seja num concurso público com fases concomitantes, seja nas hipóteses que a pessoa concorre para dois cargos distintos no mesmo concurso: técnico judiciário da área administrativa no turno matutino e analista judiciário da área administrativa no turno vespertino).

Maleabilidade

Você deve ter em mente que o seu quadro de horários não é dotado de uma estrutura totalmente rígida, que não é passível de qualquer mudança ou alteração. Ao contrário, você deve estar disposto a alterar o seu programa de estudo diante de alguns imprevistos que ocorram durante a semana:ficou doente, está em semana de provas na faculdade, precisou fazer uma viagem a trabalho, etc.

O importante é não desanimar e tentar recuperar o tempo perdido, retomando os estudos na primeira oportunidade possível.

Palavras Finais

Com o quadro de horários, além da construção de um método de estudo, você ficará mais disciplinado, organizando melhor a divisão das matérias e as pessoas que estão ao seu lado vão começar a perceber que o concurseiro não é aquela pessoa que está com tempo livre e que, por isso mesmo, pode ir ao banco, levar o cachorro ao veterinário, levar o irmão na escola, buscar a irmã no ballet, dentre outras tantas coisas.

Simbora começar? Mãos à obra!

Dicas e Notícias da Semana

  • A Secretaria de Comunicação do Ministério Público da União (MPU) divulgou, extraoficialmente, que o edital do concurso para o provimento dos cargos de Técnico (nível médio) e Analista (nível superior) está programado para ser publicado em meados de abril. Os aprovados podem ser lotados em um dos órgãos que compõem a estrutura do Ministério Público da União. De acordo com o art. 128, inc. I, da Constituição Federal, o MPU compreende o Ministério Público Federal, o Ministério Público do Trabalho, do Ministério Público Militar e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.

  • Uma pesquisa pioneira sobre o concurso público foi realizada pelo Centro de Justiça e Sociedade da FGV Direito Rio e pela Universidade Federal Fluminense – UFF. A pesquisa teve como objeto de estudo os concursos públicos de 20 órgãos da Administração Pública Federal durante uma década (entre 2001 e 2010). A pesquisa propõe, como resultado, novas formas de recrutamento e a reorganização do sistema de ingresso no serviço público federal. Dentre as sugestões, destacam-se as seguintes (algumas delas polêmicas): 1) fim das provas de múltipla escolha; 2) obrigatoriedade de haver, em todos os concursos, provas práticas e discursivas; 3) avaliação de acordo com as atribuições que serão desenvolvidas após a ocupação no cargo público (essa é bem interessante, pois inúmeras questões de provas de concursos públicos são elaboradas com o único objetivo de excluir o candidato); e 4) impossibilidade de um candidato prestar o mesmo concurso mais de três vezes.  Vamos acompanhar as consequências práticas dessa pesquisa!

  • A dica de livro desta semana vai para os interessados em concursos públicos de carreira fim na área jurídica (magistratura, defensoria pública, ministério público, procuradorias). Saiu a 11ª edição do Curso de Direito Civil (Volume I ) – Parte Geral (Editora Juspodivm) dos Professores Cristiano Chaves e Nelson Rosenvald. Trata-se de um livro muito rico em jurisprudência (totalmente atualizada), que faz uma abordagem do Direito Civil à luz das normas constitucionais, vertente que vem sendo muito cobrada em provas de concursos públicos a partir do processo de constitucionalização do Direito (os institutos jurídicos devem ser interpretados à luz da Constituição Federal).

Na próxima semana, abordaremos os direitos que tem os candidatos que se submetem a um concurso público. Até a próxima!

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais