Descaso na Barra dos Coqueiros

0

Texto enviado pelo leitor Silvio França: Moro na cidade de Barra dos Coqueiros há 15 anos e nunca pensei em um dia ser testemunha ou dar testemunho de tamanho descaso para com o município. Resido no povoado de Atalaia Nova e revoltado com a falta de sensibilidade das autoridades com relação à administração pública local venho representar como cidadão, todos os moradores da Barra dos Coqueiros e povoados circunvizinhos que assim como eu também sofrem com os fatos a serem narrados a seguir.

 

Começo pelo desrespeito que a Senhora Secretária de Saúde do Município supracitado tem tratado os seus subordinados, pois, vejo que todo e qualquer profissional seja da área de saúde ou outra qualquer, quer apenas boas condições de trabalho e salários compatíveis com suas funções, que resumindo é o que prevê a Lei Federal de nº 11.350, de 5 DE Outubro de 2006 em seus Art. 1º ao 21º observando-se os seus incisos e parágrafos, sem deixar de ressaltar o parágrafo 5º do Art.198 da Constituição que dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado pelo parágrafo único do art. 2o da Emenda Constitucional no 51, de 14 de fevereiro de 2006, e dá outras providências. Diante de tal lei, torno público que a Secretaria de Saúde desse município vem descumprindo todos os acordos firmados na ocasião da publicação desta Lei. Com isso os agentes de saúde do município de Barra dos coqueiros vêm recebendo atualmente o salário mínimo no valor de  R$ 380,00  não pagando nem o salário mínimo atual que é de R$ 415,00, quando na realidade deveriam receber o piso salarial conquistado em reivindicação recente em Brasília que é de R$ 532,00, mais insalubridade de 20% sob o piso, que ficaria em torno de R$ 638,00.

 

Em reunião recente na câmara de vereadores desta cidade foi também denunciado e confirmado pelos agentes de saúde que eles também não estão recebendo os equipamentos que necessitam para trabalhar e executar o seu serviço com perfeição e credibilidade perante a sociedade, equipamentos estes que são: bicicleta para a locomoção, pois eles andam quilômetros a pé, enquanto que com uma bicicleta fariam o mesmo trabalho tendo mais tempo para atender a mais famílias, fardamento, identificação, botas, mochilas, luvas, lanternas, capas de chuva, protetor solar, pranchetas canetas, entre outros equipamentos necessários ao bom Desempenho de suas atividades. Pergunto: como um trabalhador pode desempenhar suas funções com a devida maestria, se quem deve fornecer a logística necessária não o está fazendo?

 

Continuo este relato ainda mais indignado, pois em meio ao caos administrativo encontram-se chefes de famílias passando necessidades, falo dos taxistas do mesmo município, onde por total falta de ética  do senhor secretário de transporte e com a conivência da gestão publica municipal foram distribuídos mais alvarás de ponto de táxi que suporta o município, alvarás estes que também tem posse os secretários de obras e de participação e alguns assessores, como também alguns vereadores, penso, que com tal denuncia se faça justiça perante a classe dos taxistas que alem de perseguida pela fiscalização municipal também tem que dividir espaço com pessoas estranhas a profissão ,que somente têm posse destes alvarás para terem direito aos incentivos fiscais que a lei municipal dá direito, para poderem comprar carros novos,tirando com essa pratica, o alimento da mesa de varias famílias que dependem de seus chefes para com o trabalho digno do dia-a-dia ganhar seu pão, será que o Ministério Publico não consegue enxergar tudo isso que está acontecendo?

 

Além de competirem com essas pessoas que tem proteção dos governantes locais também competem com os colegas de Aracaju que entram em nosso município descaradamente sem que ninguém os fiscalize, ficam parados em nossos pontos com a maior cara de pau e retornam para Aracaju com a lotação completa tirando assim o direito de nossos taxistas, mas se nos fizéssemos o mesmo teria a fiscalização de Aracaju para coibir tal ato de infração ,ai , mais uma vez pergunto: a lei que fiscaliza um,não deve se aplicar a todos? Mas não é o que está acontecendo, dessa forma só não enxerga quem não quer!

 

Termino mais este desabafo relatando e provando através de fotos que estão anexadas (o blog não tem espaço suficiente para publicar as mesmas) o verdadeiro caos que está a nossa querida Barra, Fazendo um curto roteiro e percorrendo as ruas da cidade não é difícil identificar a precariedade em que se encontra o município, ruas alagadas pelas ultimas chuvas,obras inacabadas e com toda certeza sem mais tempo para terminá-las, boca de lobos com suas ferragens expostas,colégios abandonados,praças e a orla da rua da frente totalmente destruídas.

 

Tenho que realmente parar por aqui ou ao invés de fazer uma propaganda para o turista conhecer a Barra dos Coqueiros como uma cidade praiana e com uma bela vista da cidade de Aracaju, virá para cá conhecer a cidade do caos ,não é isso que queremos que aconteça ,queremos apenas chamar a atenção das autoridades para o que se tornou a nossa cidade, quero também enfatizar mais uma vez que nesse período em que estamos passando por uma epidemia de Dengue, que as autoridades competentes venham fiscalizar o nosso município que está totalmente alagado e com possível tendência a uma epidemia local. Que se sensibilizem com os fatos ,tomem providencias emergenciais, pois se não o fizerem agora teremos que nos reunir por muitas vezes ,mas desta vez para enterrar os nossos entes queridos que irão com toda certeza vir a óbito, tendo a causa de suas  mortes ocasionadas pela Dengue se por ventura nada for feito. (Silvio França, morador da Barra dos Coqueiros).

 

Reunião do Diretório Estadual do PT

Neste sábado pela manhã o Diretório Estadual do PT se reúne para, entre outras coisas, definir a política de alianças em todos os municípios. A discussão maior ficará em torno da eleição em Aracaju e a aliança com o PSDB.

 

Missa de 7º Sétimo Dia de Chico Mocó

Hoje, 07, será realizada a missa de sétimo dia do histórico petista e engenheiro civil, Chico Mocó. A missa será realizada na Igreja Santa Luzia, próximo ao Colégio Purificação às 19h.

 

Almeida tem irmão dono de cartório em Capela

Os adversários do senador Almeida Lima (PMDB) lembram, entre outras coisas, que ele foi chamado pelo jornalista Claudio Humberto de lobista dos cartórios, porque o irmão do senador, em Capela tem um cartório. Tanta maldade…

 

PV anunciará apoio a Almeida Lima

Como esta coluna já noticiou, o PV apoiará a candidatura de Almeida Lima, pelo PMDB em Aracaju. Nesta segunda-feira, 09, às 11hs os partidos anunciam o acordo na sede do Diretório Municipal do PMDB, na Avenida Barão de Maruim.

 

Investimentos de mais de R$ 4,5 milhões em Simão Dias

Um investimento histórico de mais de R$ 4,5 milhões em obras de infra-estrutura para o município de Simão Dias, a 105 quilômetros de Aracaju. Esse foi o montante de recursos anunciados na manhã desta sexta-feira, 6, pelo governador Marcelo Déda, durante a abertura da quarta edição do Sergipe de Todos, na Praça da Matriz, em Simão Dias. Além de assinar essas autorizações para reformas em escolas, estádios e estradas no município da região Centro-sul, o governador assinou contratos em parceria com a Petrobras, que iniciam em Sergipe a produção de oleaginosas por agricultores familiares, através do Programa Sergipe de Biodiesel. (ASN).

 

Nova ampliação da fábrica Dakota

O governo está viabilizando uma nova ampliação da fábrica Dakota em Simão Dias. A fábrica, que já tinha sido ampliada, passando de quinhentos funcionários para mil, solicitou a compra da área para construir novos galpões. A empresa pagará 1,5 milhão ao Governo do Estado e com os novos galpões serão contratos cerca de 600 funcionários. A expansão da fábrica deve entrar em funcionamento no mês de setembro.

 

Jorge Alberto questiona posicionamento do TCE I

O secretário da Administração Jorge Alberto questiona os métodos utilizados pelo conselheiro Carlos Pinna de Assis ao investigar a publicidade de sete pregões eletrônicos do Governo do Estado, realizados através da Secretaria de Estado de Administração. “O TCE é um órgão fundamental de controle externo do Executivo, mas lamentavelmente não está agindo corretamente. Até o momento a Secretaria sequer foi notificada ou recebeu técnicos preocupados em averiguar as denúncias formalizadas. O conselheiro optou pelo sensacionalismo vulgar, transmitindo informações à imprensa, levantando suspeitas, antes mesmo de qualquer apuração ou questionamento”, afirmou o secretário destacando que seu relacionamento com o Tribunal de Contas, enquanto gestor público do Estado é institucional.

  

Jorge Alberto questiona posicionamento do TCE II

“Tive conhecimento por meio da imprensa que os pregões que estão sendo investigados são os de números 117/08, 116/08, 115/08, 114/08, 009/08 – publicados no Diário Oficial do Estado de 07/03/08 e os 131/08 e 132/08 publicados no Diário Oficial do Estado do dia 24/03/08. Verifiquei um a um e não há absolutamente nenhuma ilegalidade na publicidade de nenhum deles. Mesmo tendo sido publicados corretamente, um deles foi revogado e outro foi cancelado, o que elimina ainda mais as chances de uma possível irregularidade”.Jorge Alberto esclarece que os pregões eletrônicos são regulamentados pela lei 10.520/2002 que prevê que o prazo fixado para a apresentação das propostas, contando a partir da data da publicação do aviso, deverá ser de no mínimo oito dias úteis. “Minha maior preocupação é com a questão legal. Todos os referidos pregões foram publicados com pelo menos dez dias úteis, estando, portanto dentro do prazo estabelecido por lei”.

 

Jorge Alberto questiona posicionamento do TCE III

O que está sendo questionado pelo Tribunal de Contas é a data de circulação do Diário Oficial. “Eu não tenho conhecimento se estes Diários Oficiais com as publicações dos editais de realização dos referidos pregões circularam concomitante ou posterior à abertura das propostas. Mas caso isso tenha acontecido será preciso verificar também a legalidade de todos os outros editais das diversas prefeituras do estado de Sergipe, além de dois extratos de termo aditivo e uma resolução publicada pelo mesmo Tribunal de Contas, nesta mesma edição”, rebateu.Todos os pregões registraram economia e um grande número de participantes. “Publicamos nossos editais nos diários oficiais como forma de cumprir uma regulamentação legal. Independente disso, vale lembrar que estamos na era da internet e que os fornecedores interessados em participar geralmente acompanham as publicações pelo endereço eletrônico do Comprasnet”.

 

Reféns!…  I

Do leitor Dinho Santana: “Bem oportuna sua provocação sobre a reflexão do show da chegada do ex-deputado Roberto Jefferson, para defesa do suposto empresário envolvido em vários crimes, para todos aqueles que trabalham com seriedade e competência. “O que sentem os advogados que nunca foram envolvidos em escândalos?” É certo que a Constituição assegura:” Ninguém pode se julgado sem que haja o contraditório, ou seja, a defesa.” Querer transformar o Roberto Jefferson em “ herói bandido”, não só é repugnante mas muito mais que isso, é querer taxar 190 milhões de brasileiros, em imbecis; uma vez que estampa hoje ( 06 ), o jornal Correio da Bahia a manchete: “ Um quarto dos congressistas na mira da Justiça”, o que representa 123 deputados e 23 senadores, envolvidos em algum tipo de investigação no Supremo Tribunal Federal – STF; com bem dito a denúncia do mensalão foi por conveniência política e não por dever moral!…”

 

Reféns!…  II

Conclui ele: “O advogado é indispensável ao funcionamento da Justiça.” Mas que Justiça? Temos hoje o nosso sergipano Cezar Britto, no comando nacional da OAB, que agrupa algo em torno de 600 mil advogados, o qual às vezes tão desorientado, não sabe nem em que estado está! Diante das tantas viagens que faz, já que como comentado em sua coluna somos o país dos 171. Quais os parâmetros para que nenhum ser humano seja condenado sem poder defender-se? “De onde vem o dinheiro que está sendo pago a Roberto Jefferson? “Ainda está semana o preso Genilson Lino da Silva, o” Perna”, cumprindo pena de 28 anos, foi pego com nada mais nada menos que R$ 280 mil em dinheiro, na Penitenciária Lemos Britto aqui na Bahia, de onde vem esse dinheiro? Por quê tantos advogados se interessam por estes presos? Sendo a advocacia uma profissão da qual sobrevivem aqueles que a abraçam, um mínimo de ética deve ser ponto de honra da OAB, como um todo!… Tantos são os envolvimentos de advogados em falcatruas que estão se dando ao luxo de: “tentar obter financiamento para executar plano terrorista contra o presidente Lula.” Na verdade prezado Cláudio e demais leitores somos reféns de um judiciário caduco, na mão de indicados políticos, e pior que isso protelatório já que tudo vai depender do poder $$$, para contratar os Robert os Jéferson da vida que agora planta dúvidas sobre a acusação do seu cliente: “ ele não pagou para “fugir” da delegacia, não matou o agiota Motinha e muito menos tocou fogo nas urnas.” Ou seja reféns de um país onde até para ser honesto temos que ter um advogado”.

 

Seminário em gestão pública

Promover o debate sobre o controle social do gasto público e contribuir para uma gestão mais eficiente são os objetivos do “Seminário para Capacitação em Gestão Pública”, que ocorre nesta segunda-feira, 9, no auditório da CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas), em Simão Dias. O evento é destinado a técnicos e gestores públicos, professores e estudantes dos municípios do Território do Centro-Sul e faz parte das atividades do “Sergipe de Todos”, que aconteceu no último final de semana naquele município.O “Seminário para Capacitação em Gestão Pública” é uma parceria da CGE, CGU (Controladoria-Geral da União) e PGE (Procuradoria-Geral do Estado). Para o controlador-geral Adinelson Alves, promover o controle social do gasto público é uma linha de atuação adotada pela CGE e uma das diretrizes do Governo de Sergipe, que estimula a participação popular no planejamento, na execução e na avaliação das políticas públicas. “O objetivo da Controladoria é orientar e fomentar a participação dos cidadãos no acompanhamento das ações e programas de governo”, argumenta.

 

Prefeitura não preserva a cultura

De Lito Cavalcante, diretor da rádio Comunitária Anchieta FM: “A Prefeitura de Aracaju não tem compromisso com uma das festas mais antigas da cidade, os festejos da Rua de São João, com quase um século de existência, datada da época de 1910. Uma festa cravada ao pé da colina de Santo Antonio, em um bairro pacato com uma grande crença religiosa em um santo da época Junina, dezenas de pessoas se dirigem aquele bairro na esperança de encontra um casamento por meio da fé no santo casamenteiro, durante a trezena de Santo Antonio milhares de pessoas visitam aquela localidade, e participam das festividades da Rua de São João. A rua onde acontecem os festejos tem o nome do maior ícone da festa junina São João. Mesmo com tanta tradição que os fatos não escondem a Prefeitura de Aracaju não tem o mínimo sendo de cultura e tradição, quando deixa morreu uma festa quase secular, pois só tem olhos para o Forró Caju, onde milhões são investidos, esquecendo-se de outros locais onde a tradição não poderia já mais ser esquecida. Quando a Prefeitura de Aracaju deixa morrer aquela festa, está sepultando uma parte da tradição cultural da cidade, com também geração de renda e empregos, para dezenas de comerciantes, que ali por diversos anos tiravam uma renda extra no período festejado”.        

 

Educação e a falta de respeito

De um leitor: “Considerando a constante preocupação da sua coluna com o cidadão, pergunto o que você acha disso: eu alugo um galpão na frente da sua casa, totalmente aberto; alugo um sistema de som poderoso, coloco as caixas viradas para a sua casa e ligo a toda potência, durante o dia inteiro. Absurdo, não? Pois é, isto acontece em plena região nobre dos Jardins. Mais incrível é saber que quem faz isso rotineiramente é uma instituição de Educação que costuma se dizer pautada por “valores cristãos”. Mais incrível ainda é que, se de um lado há muitos prédios e residências, do outro há apenas um enorme terreno baldio, sem nenhuma residência, para o qual as caixas poderiam estar voltadas. Nada como “ter valores” no papel. São  22hs de sexta-feira, 06, e a música toca a todo volume desde o começo da tarde. Sábado é dia de trabalho. Que tal abrir mão de um pouco dos grandes lucros que o ensino particular gera  (basta ver os salários aviltantes que são pagos aos professores por aí) e providenciar um lugar adequado para eventos barulhentos? Que tal respeito ao ouvido e ao direito  ao descanso dos outros? Onde está a educação?”

 

Concurso da UFS: Nota de repúdio I

Do leitor  Aley Aedo C. Prado: “Trata-se de um processo seletivo ou de uma novela mexicana? Toda essa polêmica é por conta de uma instituição falida,irresponsável e desorganizada,que se mostrou incapaz de elaborar um edital dentro dos parâmetros constitucionais.Como se não bastasse, ainda paira a dúvida em relação à possibilidade de ter havido plágio do edital de um concurso para assistente administrativo da defensoria pública do Estado do Pará.Essa é a nossa UFS. Não imaginem os leitores que todas as decisões proferidas são fruto da imaginação do renomado magistrado .Pelo contrário,suas decisões visam a salvaguardar a paridade entre os concorrentes,numa clara demonstração de obediência ao principio da isonomia,previsto na carta magna de 1988.Enquanto o magnífico reitor se preocupa em concretizar a todo custo o famigerado plano de expansão, os candidatos ao certame são feitos de peteca,jogados à própria sorte.

 

Concurso da UFS: Nota de repúdio II

Continua o leitor: “Convoco o Magnífico Reitor a deixar seu aconchegante gabinete e a vivenciar de perto os inúmeros problemas da nossa quarentona Universidade, que vão desde salas superlotadas,até esgotos abertos em meio aos corredores de acesso às didáticas. Se a gerência de recursos humanos da UFS não foi capaz de elaborar um edital (que é a célula inicial de qualquer concurso público),que dirá conduzir o concurso.Isso é no mínimo,estranho.Seria mais razoável que se delegasse a uma empresa a organização.O que não pode e ficar esse imbróglio,uma situação instável.qual será o próximo capitulo?”.

 

São Cristovão o berço da civilização sergipana I

Da moradora Daniela Santana, com a revisão do jornalista Abrahão Filho. “Nascida em 1º de janeiro de 1590, São Cristóvão sede da província, perde parte de seu território com a fundação da cidade de Aracaju ocorrida em 17 de março de 1855, que passa a ser a nova sede do governo, sobre o argumento de que seria mais fácil construir um porto perto da nova sede de Sergipe Del Rey, mas esqueceram de incluir no novo território às águas do Oceano Atlântico.Como conseqüência, o novo município com a sua costa banhada apenas pelo Rio Sergipe, o que provocou o folclórico acordo de permutar o banho das águas do Atlântico por um gerador de energia, definiram ainda uma linha imaginária saindo da ponte do Rio Poxim, no Parque dos Cajueiros, até um ponto imaginário da Praia de Aruana. Nos dias atuais surge uma nova anedota na tentativa de roubar o restante deste belo território, banhado pelo mar do Atlântico, com a alegação de que São Cristóvão não tem estrutura para dar manutenção à região do Mosqueiro, Robalo, São José, Areia Branca, Santa Maria, Conjunto Santa Lúcia, etc. Com isso tentam usurpar em torno de R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais) de arrecadação de tributos. Vejam o engodo desse discurso defendido por pessoas pobres de argumentos”.

 

São Cristovão o berço da civilização sergipana II

Continua a moradora:Aracaju possui 153 anos de existência e seu velho centro histórico não suporta alguns poucos minutos de chuva, pois suas ruas ficam totalmente alagadas igual ao canal de Veneza, (crônico problema de saneamento). O mais novo e badalado complexo residencial, na Aruana, com milhares de casas construídas e em construção, não possui rede de esgoto, escolas, hospital, delegacia, igreja. E o que é pior, as poucas obras de infra-estrutura implantadas por Aracaju, a exemplo dos demais municípios deste estado são efetuadas graças aos recursos federais. Por outro lado, os recursos que São Cristóvão perde, serve à parte antiga de Aracaju, pois há mais de trinta anos que esta área foi invadida e continua abandonada. A justiça precisa agir com urgência, esse negócio de dizer que é morador do Mosqueiro e resido orgulhoso em Aracaju, não é verdade, principalmente pelo abandono em que vive. Por outro lado eu tenho orgulho de dizer que moro no Robalo e sou filho de São Cristóvão, onde Sergipe começou. Isso sim, é orgulho. Nasci no berço da civilização sergipana. Basta você observar o brilho dos meus olhos, para crê, e mais, São Cristóvão não investe nesta área, porque sua receita, vem sendo tomada com a perda de parte do seu território”.

 

Jefferson e os holofotes

De um leitor: Infelizmente nossa “mídia” dá mostras de que não entrou no século XXI. É muito amadorismo dá espaço a quem deveria estar no ostracismo. Se não é o flagrante que foi dado naquele outro lá dos Correios (Marinho) ainda estaríamos no escuro, onde todos os gatos são pardos. O melhor para este senhor seria ser mais discreto e passar longe dos holofotes. É bom o Ministério Público de Sergipe ficar de olhos bem abertos…”

 

Sobre Roberto Jefferson I

Do leitor e advogado Marcos Oliveira: “Mesmo tendo a convicção de que você é um profissional capacitado, esclarecido, e de uma importância significativa para os meios de comunicação de massa, gostaria de ponderar algumas colocações feitas na matéria alusiva ao Roberto Jefferson. O Brasil, como todos os países, cada qual na sua gradação, tem uma separação grande entre a excelência profissional e o mundo da moral e da ética. Muitas vezes, ou melhor, na grande maioria das vezes, somos éticos conosco, dentro do nosso conceito individual de moral, mas nunca com a sociedade, com o vizinho, com a família e etc. São indiscutíveis as qualidades de político (como o brasileiro sempre gostou), as qualidades de Advogado (já que obteve um grande resultado a favor de Collor), e a capacidade de convencimento do citado Deputado, que é realmente impressionante. O montante do pagamento realmente ele não disse, que também não nos interessa, mas lhe foi perguntado, e ele afirmou, ao vivo, ter sido muito, mas muito dinheiro, em programa de rádio da 99,7 FM. O mensalão é uma regra política de todos os governos, muda-se a fonte pagadora direta, porque a indireta é o contribuinte, e a maneira de pagar, seja com privatizações direcionadas, seja com negociações escusas como da Varig. Bom, poderia até citar a compra das cadeiras da assembléia legislativa de São Paulo à época do império, ou mesmo as ministras de Lula se favorecendo dos Cartões Corporativos, e desenterrando os extratos de FHC, pra ter moeda de troca”.

 

Sobre Roberto Jefferson II

Continua Marcos Oliveira: “Ele denunciou um Governo perigoso, que Celso Daniel poderia nos dizer mais, pessoas que defendiam a condição do povo na época militar, e hoje sabemos que era apenas pela necessidade própria de ascensão ao poder, como sempre o povo é massa de manobra. Se o regime era duro com a classe política, sim, mas a democracia 1/10 de Atenas se transformou em 1/10000 no Brasil. A violência militar era contra os que se insurgiam contra o Governo, e não era o povo, quando muitos daqueles que eram levados pela ilusão. Hoje, morre mais gente no Brasil na criminalidade decorrente da carência de condição do que mesmo os combates armados do Afeganistão, Israel e Iraque juntos. Não se fale da imprensa Brasileira que, feita de profissionais bem formados e cultos, buscam autorização de empresas e políticos para exercer seu direito, quando não recebem literalmente o dinheiro para tanto. Então, concluímos dizendo que no cenário sergipano, ter um cidadão que representa os mais altos valores da sociedade brasileira (seja podre ou não), é um fato digno de registro sim. E, se você, como um jornalista bem informado, gostaria de ver um País novo, está na hora de admitir que o Brasil seja isso, e quem sabe tentar mudá-lo. Mudando um pouco de nós mesmos talvez consigamos ver o País que falamos e não fazemos”.

 

Frase do Dia

“De longe, o maior prêmio que a vida oferece é a chance de trabalhar muito e se dedicar a algo que valha a pena”. Theodore Roosevelt.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários