Edital da UFS e a política de cotas

0

No espaço do leitor hoje um texto de Charlie Rodrigues Fonseca e Luis Felipe Araújo sobre o vestibular da UFS e a política de cotas: Uma coisa é certa na política de cotas implantada pela Universidade Federal de Sergipe: Os candidatos não-oriundos de escola pública só ficaram ainda mais revoltados após a publicação do edital da UFS, que além de destinar 50% das vagas para estudantes oriundos do Ensino Público, ainda permite que estes concorram com a escola particular, caso não sejam aprovados dentre os cotistas. Além do mais, há a criação de pelo menos uma vaga por curso para deficientes. Os candidatos da escola particular, então, ficam com apenas cerca de 48% das vagas, tornando-se os verdadeiros cotistas da UFS. É um tapa na cara da sociedade, como diria um grande apresentador da BAND.

 

Mas, uma má redação no edital da UFS põe em xeque a nova política. Segundo o trecho mal-redigido do edital, candidatos que não se declarem negros, pardos ou indígenas concorrem, independente de procedência escolar, dentro de um mesmo grupo.

 

Veja a redação: Grupo A: Todos os candidatos, qualquer que seja a procedência escolar ou grupo étnico racial; Grupo B: Candidatos de escola pública e de qualquer grupo étnico racial; Grupo C: Candidatos de escolas públicas que se declararem pardos, negros ou indígenas

 

Segundo a universidade, o Grupo A terá 50% das vagas. Incluem-se nelas todos os estudantes “não-cotistas” ou cotistas que, por qualquer motivo, optem por não concorrer nas vagas que lhes são reservadas. Os grupos B e C terão os outros 50% das vagas, sendo deste percentual 30% destinados aos que não se declarem pardos, negros ou indígenas e 70% para os que façam esta declaração, perfazendo, respectivamente, um total de 15% e 35% sobre a totalidade das cerca de 5 mil vagas ofertadas pela UFS.

 

Interpretemos então, para maior clareza, a situação de um estudante da escola particular. Ele se inclui nos Grupos A e B, concorrendo a 65% das vagas, pois ele está incluído em “Todos os candidatos, qualquer que seja a procedência escolar ou grupo étnico racial” assim como está no grupo B, “Candidatos de escola pública e de qualquer grupo étnico racial”, uma vez que ele não é Candidato de escola pública, mas ele é de qualquer grupo étnico racial. Neste caso, o valor aditivo do “e” torna as duas frases independentes. A autonomia para questionar esta redação é de um professor de português renomado no estado, que concordou com a tese apresentada por alguns alunos.

 

Caso a UFS não torne a redação mais clara, podemos pleitear, no futuro, acesso às vagas dos grupos A e B.

 

De qualquer forma, é quase impossível que qualquer alteração no sistema ocorra. O mais provável é que seja feita apenas uma retificação simples no edital. A solução definitiva é estudar e encarar o problema de frente, mesmo achando que a política discrimina e injustiça alguns candidatos.

 

É assim que encerro este questionamento, aberto a comentários sobre algum erro de interpretação. A redação pode estar perfeita e minha ótica ser diferente da ótica dos editores da UFS. Por isso, é importante que comentem e produzam um debate acerca disso. (texto de Charlie Rodrigues Fonseca e Luis Felipe Araújo)

 

Constrangimento em batismo

Na semana passada um deputado estadual com base eleitoral em São Cristovão foi convidado para ser padrinho de uma criança moradora do conjunto Eduardo Gomes. Depois de esperar por algum tempo, a família da criança, eleitora do deputado passou por um grande constrangimento: o deputado não foi e enviou no lugar dele para ser padrinho o seu motorista.

 

Citricultura

Sobre a crise na citricultura o governador Marcelo Déda lembrou que não é só em Sergipe, mas é uma crise histórica nacional por conta da queda nas exportações, principalmente os EUA, que deixaram de importar. O governador ressaltou que Sergipe vem encabeçando uma campanha para aumentar o consumo do suco de laranja no país e vem dando exemplo na prática, inserindo na merenda escolar estadual.

 

Falta de energia na área do Hotel Parque dos Coqueiros

Moradores da área próxima do Hotel Parque dos Coqueiros não sabem mais a quem recorrer. Quase que diariamente, pela manhã cedo, falta energia na área e passa um bom tempo. Ligam para a Energisa e não têm uma resposta convincente. O problema parece que é falta de manutenção da rede. A quem recorrer?

 

Favela na Orla

O blog foi informado por um dos leitores que antes mesmo da divulgação da foto da favela na orla da atalaia neste espaço, na quinta-feira, no local já tinham pessoas da Emsurb, colhendo informações e mantendo contato com os invasores. Inclusive até assistentes sócias da PMA já tiveram conversando com os “moradores”. O leitor informou que o vice-prefeito Silvio Santos quando soube do problema encaminhou imediatamente para a Emsurb e a Ação Social. Espera-se que a favela acabe é que os “moradores”, possam voltar para seus locais de origem, já que muitos deles fazem destas invasões seus meio de vida.

 

Emurb notifica invasores na Coroa do Meio

Na sexta-feira, 07, a Infonet noticiou que  uma equipe da Empresa Municipal de Obras e Urbanismo (Emurb), esteve na Orlinha da Coroa do Meio, com a finalidade de entregar uma notificação aos moradores de um barraco de madeira, construído na areia da praia, em frente ao farol. A área é de preservação ambiental e os invasores devem sair imediatamente.

 

Fórum turismo I

Como membro da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados, Valadares Filho (PSB) participou em Salvador (BA) nos dias 06 e 07 deste mês, do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil – FOHB, com a participação de diversas entidades da área do país. No fórum foram debatidos temas para ajudar no desenvolvimento da atividade turística do país, já que os integrantes do evento representam 64% do PIB hoteleiro nacional, gerando cerca de 45 mil empregos diretos e mais de 100 mil indiretos.

 

Fórum turismo II

Para Valadares Filho o encontro foi importante porque foi o primeiro de forma estratégica onde os membros da Comissão de Turismo debateram com o setor que deve ser um dos prioritários da cadeia turística. “Discutimos também o desenvolvimento sustentável do setor e a necessidade de uma atuação conjunta com as outras entidades da área para que as ações sejam conjuntas e eficazes”, disse. O deputado federal avalia que encontro como este fortalece o parlamento com uma discussão ampla com o setor turístico. “Nós da Comissão de Turismo e Desporto podemos dar uma contribuição grande ao setor, que é um dos mais importantes da economia, na medida em que as demandas prioritárias para o desenvolvimento do país sejam atendidas através de uma parceria séria e transparente”, concluiu.

 

Emsurb notificou Colégio do Salvador I

Sobre as denúncias de abuso de som alto publicadas neste espaço durante a semana a assessoria da Emsurb informou que o órgão vem monitorando o Colégio do Salvador desde o mês de maio por solicitação de um morador vizinho. As últimas três ações realizadas pela Emsurb datam de 07/07/09, 09/07/09 e 04/08/09. A primeira fiscalização notificou e o agente explicou ao representante colégio em questão sobre as leis e como deve ser utilizado o som. Inclusive o responsável no momento, Everton Andrade Côrtes que se identificou como secretário da diretoria assinou a notificação e informou que o único evento em que é utilizado o equipamento de som é o São João. E mais, garantiu ao fiscal da Emsurb que o colégio não realiza nenhum outro tipo de evento com sonorização.

 

Emsurb notificou Colégio do Salvador II

Já na última notificação na terça-feira (04/08) desta semana foi escrito no auto de notificação que: “Fica proibido a realização de evento de qualquer tipo utilizando equipamento sonoro, pois a instituição não possui alvará de utilização sonora”. Na quarta-feira, 05, a diretora do colégio compareceu a Emsurb e conversou com o gerente de espaços públicos para saber as medidas que devem ser tomadas. Foi explicado que a quadra não é o local adequado para realizar eventos com som por não ter tratamento acústico. A mesma se comprometeu a realizar na quadra da escola apenas eventos esportivos sem o uso do som. Outros colégios com o mesmo problema também já foram fiscalizados e continuam a ser monitorados com relação a eventos realizados em suas quadras.

 

Parceria no combate ao som alto

A assessoria informou ainda que em Aracaju existe um ótimo trabalho  em parceria com a Polícia Militar através do pelotão ambiental e Emsurb. Com relação às denúncias citadas de abuso de som em igrejas a Prefeitura tem sido atuante nesse combate, notificando várias igrejas na cidade. Inclusive uma igreja evangélica localizada no bairro Coroa do Meio se antecipou ao nosso trabalho e nos encaminhou um ofício solicitando a fiscalização da equipe de poluição sonora durante um culto para que possamos emitir um laudo de emissão de ruídos. Que deve respeitar os limites de 60 decibéis até as 22 horas e 50 decibéis entre 22h entre 7h.

 

Mão Amiga

Dentre as principais medidas para os trabalhadores rurais anunciadas pelo governo na última sexta-feira está o projeto de lei que cria o programa de renda mínima ‘Mão Amiga’ para atender os trabalhadores rurais desempregados nas entressafras das produções de cana-de-açúcar e laranja. “A exemplo do programa Bolsa Família, do Governo Federal, o programa estadual atenderá aos trabalhadores desempregados com um benefício financeiro de R$ 190 mensais durante os quatro meses do ano que compõem a entressafra das referidas culturas.

 

Famílias vinculadas a cana e a laranja

 “Com esse benefício, vamos atender anualmente a 10 mil famílias, sendo 5 mil vinculadas à laranja e as outras 5 mil vinculadas à colheita da cana nas respectivas regiões que concentram a produção”, destacou o governador. Déda explicou também que no caso de as famílias já serem atendidas pelo Bolsa Família, não haverá nenhum problema e a renda será acrescida no período crítico da entressafra.“O projeto será enviado à Assembléia Legislativa para apreciação já na próxima semana e prevê um investimento anual de R$ 8 milhões para o atendimento às 10 mil famílias. Ações como esta é que já estão promovendo a completa transformação da realidade do campo em Sergipe”, esclareceu o governador.

 

 

Plano habitacional para os policiais I

Preocupada com a valorização dos seus sócios, a Assomise lançará em breve um plano habitacional que viabilizará a construção de empreendimento com até 500 unidades, entre casas e apartamentos, em parceria com o Banese e o Governo do Estado, representado pelo secretário de Administração, Jorge Alberto, através da Lei Estadual nº 6424 – de incentivo à habitação. “Será uma oportunidade única para os sócios que moram de aluguel e que não tinham acesso à moradia digna de qualidade,” afirma o capitão Samuel Barreto, presidente da Assomise. O plano também beneficiará os policiais civis em convênio com o SINPOL.

 

Plano habitacional para os policiais II

A ideia é construir apartamentos no valor máximo de R$ 90 mil e casas de até R$ 160 mil. A área para a construção será no bairro Aruana, zona de expansão de Aracaju, que se valoriza cada vez mais. Serão três condomínios, um de casas e dois de apartamentos com ¾, onde todos contarão com área de lazer completa: piscina, quadra de esportes, campo de futebol, playground, entre outros. “Construiremos um complexo comercial próximo aos condomínios que oferecerá todo o conforto e comodidade aos servidores públicos. Eles contarão com lojas de roupas, padarias, supermercados entre outros, ou seja, não haverá necessidade de locomoção para o centro da cidade para fazer compras”, enfatiza o presidente da associação.

 

Ato dos jornalistas sergipanos contra o ministro Gilmar Mendes 

Para os jornalistas que recentemente perderam o diploma como requisito para o exercício da profissão e estão com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, atravessado na garganta, preparem suas colheres de pau, panelas, apitos e narizes de palhaço. O ministro estará em carne e osso no próximo dia 14, às 19 horas, no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju. Mas, calma! Ele não irá interpretar nenhuma peça como coronel, senhor de engenho ou de exterminador de movimentos sociais. Ele estará proferindo a palestra de encerramento da VIII Semana Jurídica Nacional promovida pela Universidade Tiradentes.

 

E o ato contra Carlos Britto?

É salutar e importante o ato contra Gilmar Mendes, mas o blog lembra que a maior decepção foi com o ministro sergipano Carlos Ayres Britto. Essas entidades devem também preparar um grande ato de repúdio contra Carlos Britto, que aliás, é figurinha carimbada em vários eventos em Sergipe. Aliás, os parlamentares estaduais deveriam aprovação uma Moção de Repúdio contra Carlos Britto.

 

Banco Mundial avalia ‘Águas de Sergipe’

A Missão do Banco Mundial (Bird) para a Preparação do Projeto Águas de Sergipe foi encerrada na manhã da sexta-feira, 07, com boas notícias. Todos os compromissos que o Estado assumiu com o Bird durante primeira missão, em março, para a consolidação do projeto foram cumpridos. Entre eles destaca-se a criação por meio de decreto específico e efetivo funcionamento da Unidade de Preparação do ‘Águas de Sergipe’. O encontro aconteceu no auditório da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Agrário (Seagri).

 

Etapas importantes

O grupo de consultores do Banco Mundial constatou ainda o início dos trabalhos de análise ambiental, com a convocação de consulta pública sobre os termos de referência do projeto e contratação de consultoria independente. Etapas consideradas importantes para o avanço na preparação do ‘Águas de Sergipe’. O secretário do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Márcio Macedo, agradeceu o corpo técnico presente ao encerramento pelo compromisso profissional e a disponibilização para trabalharem de forma integrada desde a sua concepção. “Esse projeto é muito importante e tem um aspecto pedagógico fundamental ao colocar na mesa institutos importantes, trabalhando em conjunto. Um uma iniciativa considerada inovadora”, afirmou o secretário.

 

 

Operações de crédito do Banese

O volume das operações de crédito contratadas pelo Banco do Estado de Sergipe (Banese) cresceu 36,1% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2008, alcançando a cifra de R$ 685,9 milhões. O aumento das operações foi puxado principalmente pelo incremento da carteira de crédito comercial e de crédito imobiliário, que foram ampliadas em mais de 37%, segundo informações do presidente do banco, Saumíneo Nascimento.

 

 

Ampliação da carteira de crédito

“Através de convênios firmados com diversas instituições públicas das alçadas estadual e municipal, e do financiamento à produção de imóveis através de parcerias com construtoras sergipanas, o Banese conseguiu ampliar a sua carteira de crédito imobiliário em mais de 225% nesse período, contribuindo para a redução do déficit habitacional do Estado, gerando emprego e renda através dos investimentos na construção civil e apresentando condições diferenciadas para a realização do sonho da casa própria do servidor público”, disse o presidente da instituição.

 

DO LEITOR

 

O Menino de “João” incomoda a João quando canta

Do leitor Messias Gonçalves: “Como diz o dito popular: “Quem canta, os seus males espanta”. Agora eu pergunto: -“É melhor cantar ou mentir?”. Acredito que a grande maioria da população ficará com o meu raciocínio, de que é muito melhor cantar. Pois bem, enquanto o “menino de João” canta no São João de Estância, no Forrosiri, nos aniversários lá de Brasília, e aonde ele quiser, o João daqui, como disse muito bem o deputado Gualberto, insiste em contar “causos”. E olhe que são “cada” causos, tipo “empresários europeus virem pra Sergipe instalar refinaria, trazendo petróleo da África, e depois exportar de volta pra Europa”,  que Lula passou anos o perseguindo, como a Operação Navalha, que o Ministro Celso Amorim foi até a ONU pedir para vetarem empréstimos para o estado, Lembram de que toda casa teria água, que Aracaju até 2010 não sofreria falta de água, lembram? Portanto menino de João continue cantando. Só assim você espanta de vez os males pra Sergipe e para o seu povo e esse mesmo povo só terá a lhe agradecer em 2010. Agora, sai com uma pesquisa, segundo as informações feitas por um instituto de Recife, dando lhe uma larga vantagem sobre o menino. Ainda bem que eles continuarão se baseando e “causos”, do reino encantado de Pinóquio.

 

 

Sobre som alto

Do leitor Carlos Martins:Aproveito para relatar minha experiência com a fiscalização da Prefeitura de Aracaju com relação à poluição sonora. Morava em uma rua tranquila até o dia que um determinado cidadão resolveu instalar um bar-restaurante bem em frente a minha residência. Este mesmo cidadão, para alavancar seus negócios resolveu realizar “shows” com música ao vivo todas as quintas, sextas e sábados. Para ele foi ótimo, a rua encheu de carros e motos que estacionam em local proibido, cantam pneus de madrugada, buzinam e etc. Como o bar-restaurante tem dimensões limitadas o mesmo passou a ocupar inicialmente as calçadas e agora também a rua com suas mesas e cadeiras de plástico. Desnecessário dizer que, para quem trabalha como qualquer mortal que não é dono de bar e que tem de acordar às 05:00 da manhã como eu, minha rua antes tranquila se tornou um inferno. Resolvi então ligar para a EMSURB, esperançoso com a propaganda da Prefeitura através da Agência Aracaju de Notícias, que estava a fiscalizar a poluição sonora e também os bares que ocupam as calçadas, que são espaços públicos. Fui atendido educadamente por uma senhora que após solicitar meu nome e endereço ouviu o relato de minhas denúncias (invasão de espaço público pela ocupação da calçada e desreipeito a Lei do Silêncio) e disse que com relação a invasão das calçadas a fiscalização só trabalha durante o dia, portanto nada poderia ser feito e com relação à Lei do Silêncio que eu teria de ir a EMSURB com meus documentos de identidade e comprovante de residência para registrar a queixa para que alguma providência fosse tomada. Como, ao contrário da fiscalização da Prefeitura, tenho de trabalhar para ganhar o meu pão, não irei lá mesmo porque não irei dar informações que com certeza poderão ser repassadas ao denunciado para posterior represália. Este procedimento, que inviabiliza qualquer denúncia, foi informado por correio à Prefeitura (comunicacao@aracaju.se.gov.br) que sequer se interessou em responder. Como se vê existe a legislação, nossos vereadores estão trabalhando (talvez devessem fazer mais). Quem realmente não quer nada é o Executivo na figura da Prefeitura e seus funcionários.Obrigado pela paciência e continue com as denúncias. Se a Prefeitura não age quem sabe não reage?”

 

Servidores públicos

E-mail de um servidor público: “Somos 157 mil servidores públicos, o governo negociou com 6.800 policias militares 1.100, policiai civis e 13.000 professores. Outros 49.100 não são considerados servidores públicos, só receberam 5.53% de reposição salarial. As empresas do governo Cehop, Codise, Emdagro, Segrase e Engetis o mesmo percentual. Em 2010, 49.100 servidores darão a resposta a esse governo”.

 

Frase do Dia

“O pior pecado contra nosso semelhante não é o de odiá-los, mas de ser indiferentes para com eles”. George Bernard Shaw.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários