ENFIM, O CACHIMBO DA PAZ NA OAB

0

Depois de longos e intermináveis meses de muita confusão e desgaste à toa, finalmente, ontem, os 25 conselheiros da OAB/SE resolveram, num verdadeiro ato de grandeza, por um fim na queda-de-braço que atrapalhava os destinos da Ordem em nosso Estado.

 

Decidiu-se, ontem, que a escolha da lista sêxtupla continuará sendo feita de maneira direta, por meio do voto dos advogados sergipanos aptos a votar (ou seja, em dia com as suas obrigações), e que, desta vez, neste terceiro pleito a ser marcado ainda para o mês de março, não haverá a necessidade de qualquer tipo de quorum. Venceu, portanto, o equilíbrio e o bom senso.

 

Não havia razão para o retorno ao processo indireto de escolha, onde apenas 25 conselheiros determinariam os seis nomes a serem enviados ao Tribunal de Justiça para definição de uma lista tríplice de onde o governador Marcelo Déda escolheria o futuro desembargador para a vaga aberta com a aposentadoria do Des Pascoal Nabuco D’Ávila, no ano passado. Seria uma volta às práticas do passado. Seria um retrocesso democrático inconcebível para a nossa estimada Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Sergipe.

 

Assistimos, ontem à noite, a um belíssimo espetáculo de amadurecimento e sensatez por parte de homens de bem que tanto orgulham e enobrecem o Direito sergipano. Vimos, por exemplo, o presidente da OAB/SE, Henri Clay Andrade, na sua melhor forma, restabelecido, altivo e consciente de seu dever para com os advogados, ao colocar ordem na Casa durante a reunião do Conselho.

 

E Henri Clay Andrade, que seja feita justiça, só deu provas na noite de ontem de que deseja apenas o melhor para a entidade que preside. Mostrou-se do jeito que todos estavam acostumados, ao acompanhar suas decisões no dia-a-dia da Ordem: com equilíbrio e isenção.

 

Parabéns a todos os conselheiros pela maturidade. E que, democraticamente, sejam escolhidos nas urnas os seis mais votados.

 

 

CURTÍSSIMAS

 

* A Caixa Econômica Federal está prestes a jogar um balde de água fria na comunicação do governo que diz que o BANESE dispõe das melhores taxas de juros para aquisição de imóveis. Até mesmo as condições “especiais” para os servidores públicos, com juros de 6% ao ano, ficam a desejar em relação aos planos de financiamento da CEF. Deveriam ter checado primeiro as ofertas do principal concorrente nesse setor antes de se lançar no mercado.

 

* O secretário da Educação, professor José Fernandes de Lima, vai conceder na manhã desta quinta-feira, uma entrevista coletiva para apresentar o resultado da sindicância que apurou denúncia do Conselho de Alimentação Escolar (CAE), sobre irregularidades na aquisição da merenda. O resultado, certamente, não deve agradar a algumas pessoas.

 

* Por falar em irregularidades, o clima deve esquentar hoje na Assembléia Legislativa. O deputado Augusto Bezerra já está de posse de um laudo da Polícia Federal que não aponta montagem ou edição no “CD da Saúde”, enviado por Kércio Pinto para perícia técnica. Bezerra diz que “A farsa acabou”.

 

* A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou ontem requerimento de audiência pública para tratar da proposta de emenda à Constituição (PEC 53/07), de autoria do senador sergipano Almeida Lima (PMDB), que defende a extinção do chamado “terreno de marinha” e fixa regras sobre a propriedade desses imóveis.

 

* Apesar dos “foras” de alguns auxiliares diretos, que só se preocupam em aparecer bem na fita, o governador Marcelo Déda tem conseguido por em prática uma série de ações e projetos relevantes para Sergipe. O Superávit de R$ 264 milhões, por exemplo, dá prova cabal do esforço para por ordem na Casa em seu primeiro ano de governo. Sergipe superou as metas estabelecidas pela Secretaria do Tesouro Nacional e tem hoje apenas uma preocupação: os gastos com pessoal. É que a folha cresceu 10,4% em 2007.

 

 

O SECRETÁRIO DA FAZENDA, NILSON LIMA, FAZ ABAIXO UM BALANÇO DA SITUAÇÃO DO ESTADO.

 

  

 

 


 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários