Ensino, pesquisa e extensão: o caráter formador do PET na UFS

0

Ana Beatriz Santana Andrade

Secretária Executiva PROGRAD/UFS

 

Ações de educação tutorial em cursos de graduação são uma realidade na Universidade Federal de Sergipe. Essas ações visam o desenvolvimento, no aluno, do caráter crítico e pesquisador. Uma dessas ações é o Programa de Educação Tutorial – PET, que consiste numa iniciativa do Ministério da Educação – MEC para difundir, entre os alunos dos cursos de graduação, o interesse pela pesquisa, pela extensão e pelo ensino, além de promover a melhoria dos cursos através de atividades extracurriculares. Cada grupo é formado por até 12 bolsistas, conhecidos, carinhosamente, como petianos, orientados por um professor tutor. Atividades realizadas dentro e fora da universidade, participação em eventos em outros estados e instituições, crescimento pessoal, intelectual e uma melhor formação profissional fazem parte do que o PET proporciona aos petianos e comunidade acadêmica e não-acadêmica.

O caminho para a criação de novos grupos passa por duas etapas. A primeira, uma seleção em cada Instituição de Ensino Superior (IES). As propostas aprovadas são enviadas à comissão de seleção do MEC para a segunda etapa do processo. As aprovadas se tornam grupos PET. Esse caminho é balizado por Edital lançado pela Secretaria de Educação Superior – (SESU/MEC).

Na UFS, há cinco grupos PET: Serviço Social, Enfermagem, História, Geografia e Educação, nesta ordem de criação, sendo os dois últimos em atividade no Campus da cidade de Itabaiana, compondo um total de 58 bolsistas e 04 voluntários, além dos 120 que já fizeram parte do Programa ao longo de 13 anos. Há vários relatos de ex-petianos que deram prosseguimento à vida acadêmica, ingressando em cursos de mestrado e doutorado.

O acompanhamento desses grupos é de responsabilidade da Pró-Reitoria de Graduação, com o suporte de um Comitê Local de Acompanhamento e Avaliação, que, como o próprio nome sugere, acompanha o desenvolvimento das ações através de análise e aprovação, ou não, de planejamentos, relatórios e prestações de contas anuais de cada curso, além e homologar seleções de bolsistas e tutores. Contudo, o último edital da SESU/MEC para criação de grupos PET foi lançado no ano de 2012. Uma lacuna de sete anos, portanto. Um longo intervalo que alimenta, na comunidade acadêmica, o anseio pela oportunidade para a criação de novos grupos.

Comentários