ESTOU BEM, SE FAÇO O BEM.

0

Esta deveria ser uma máxima que todos pudessem verbalizar e praticar com prazer: “Estou bem, se faço o bem”, já imaginaram como o mundo seria muito melhor?

Por que, então, não buscamos, todos nós, esta maneira mais suave, melhor e mais honesta de levar a vida. Ou seja, por que não vivemos mais o eticamente correto?

É claro que aqui eu não me refiro à ética do jeitinho, da corrupção, da enganação, do levar vantagem sempre; quero dizer a ética simples, aquela do fazer o certo, do respeito ao outro, da tolerância, da busca da paz, da lei justa e, sobretudo, da obediência a lei…

E por que será que isso não acontece?

Entre várias outras razões que contribuem para que existam tantas pessoas andando na contramão do eticamente correto, que procuram sempre praticar exatamente aquilo que não contribue com o outro, com a coletividade, com a natureza e nem com Deus, uma eu destaco como, talvez, a principal: o temor: a falsa idéia que têm de que viver dentro das normas éticas acarreta muitos sacrifícios, perdas e desvantagens.

A este podemos garantir que é exatamente ao contrário, quanto mais o cidadão proceder obedecendo aos valores éticos, mais atrai para si vantagens, riquezas e, sobretudo confiança.

O grande gênio Rui Barbosa já disse: “se o malandro soubesse como ser honesto é tão bom, seria honesto somente por malandragem”.

Podemos sim e, sobretudo, devemos sim, viver uma vida ética. Viver eticamente não constitui sacrifício, ao contrário gera uma realização e uma sensação de equilíbrio e segurança pessoal.

Tenho certeza que, se um dia, aquela pessoa que só pensa em fazer o errado, que se acha impossibilitado pelas circunstancias em que vive em fazer o certo, praticar uma ação boa, – e perceber o que está fazendo, – provavelmente deixará de pensar somente no mal e mudará o seu comportamento. Pois a percepção de estar fazendo o bem é tão confortadora, tão engrandecedora, tão estimuladora que convencerá até o mais renitente dos transgressores.

O triste é que aqueles que sempre agem impulsionados pela maldade, nem sequer percebem o quanto é grandioso valor de fazer o certo. De tão acostumados em fazer, conviver e, principalmente, em ver seus referenciais fazendo exatamente o que não deve ser feito, acreditam que o errado é o certo e prosseguem.

Quer dizer, mesmo que esporadicamente pratiquem uma boa ação, aquilo passa despercebido, não interfere no seu jeito de ver, viver e fazer, pois não têm a condição de analisar e se tornar senhor da sensação de felicidade que é fazer o eticamente correto.

Sabemos, e não é demais relembrar, que este costume é uma mácula, genuinamente cultural, e que a sua erradicação é lenta e requer muito empenho e, sobretudo, exemplos.

Quanto aos modelos/exemplos, convenhamos não temos muito a comemorar os nossos formadores de opinião estão, lamentavelmente, muito aquém daquilo que é absolutamente necessário para uma evolução salutar.

Mas, mesmo assim, atrevo-me a tentar demonstrar que: sinto-me muito bem, quando faço o bem e devo dizer que já experimentei mudar. É sensacional. Nesta experiência eu já fui incentivado e incentivador. Já realizei por influencia de outros e já fiz com que outros realizassem por iniciativas minhas. É delicioso e gratificante perceber a mudança que é quando através de uma boa conversa de um exemplo ou somente de um incentivo você ver uma pessoa mudando o seu comportamento, o seu “modus vivende” e a sua própria vida. A sensação é muito estimulante. Creio que é a mesma de um médico que atua com sucesso numa enfermidade e realiza uma exitosa cirurgia e o paciente curado volta para agradecer; ou a de um jogador que faz o gol da vitória aos 45 minutos do segundo tempo de uma partida… É muito bom, ser bom, colaborar, estar disponível, incentivar… Dolorido mesmo é ser ruim, eu acredito. Imaginemos o mal que faz um assaltante, mesmo que leva somente bens matérias cria vários embaraços e traumas,  para o assaltado e todos os que o cercam. E quando fere ou mata? Aí já os problemas são outros; às vezes são pais ou mães de família que se vão, por um punhado de qualquer coisa. Outras são famílias inteiras lagardas à própria sorte, pois os provedores foram ceifados pela sanha assassina de algum celerado. Pensem como o esfacelamento provocado apenas por um assalto pode influenciar o agredido, a família, aos amigos e a sociedade.

Agora imaginemos a corrupção e o mau uso do dinheiro público, quantos atingem? Um universo muito grande de pessoas que pagam e estão tanto a esperar o retorno destes valores em serviços de saúde, educação, segurança e infra-estrutura. Estão, na verdade, simplesmente querendo o que lhe é de direito, pois já deram a sua participação quando contribuíram com a sua cota parte. E se estes benefícios não chegam porque alguém lá, no intricado caminho que segue estes dinheiros, se apropria ou o usa indevidamente. Decepcionante, não é mesmo?

São tantas as maldades praticadas, que se a mim fosse dados poderes eu convidaria a todos para refletirem sobre estas ações e verificarem se realmente são compensadoras. Afinal, a vida é tão curta, e curtir esta pequena existência será, posso assegurar muito mais proveitoso, muito mais feliz, se fizermos com a consciência tranqüila, sem o drama de termos sonegado o direito de ninguém, sem termos ultrapassado os espaços dos outros, sem termos a preocupação de prestar contas.  Pois a nossa consciência estará sempre em paz. Esta deve ser a busca. Eu acredito.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários