Falta informação? Não, falta educação!

0

Infelizmente muitas pessoas ainda jogam lixo nas areias das praias durante seu momento de lazer, sem se preocupar com o ambiente que desfrutam. E não dá mais para dizer que essa atitude é por falta de informação. Está mais para falta de educação básica, aquela de casa mesmo, muita falta de consciência, além de preguiça de procurar o local adequado para o descarte.

Para dar um exemplo diferente desse, e chamar a atenção dos banhistas, 18 jovens estiveram na praia de Atalaia durante a manhã da última terça-feira 1º, realizando a ação “Praia Limpa”. Em cerca de 30 minutos, em um pequeno trecho de areia próximo aos arcos da orla, a turma conseguiu encher vários sacos de lixo com o que foi encontrado. Com luvas, protegidos com filtro solar e chapéus, os jovens colocaram a mão na massa num momento educativo, mas também divertido.

Os jovens fazem parte do Programa de Egressos das medidas protetivas e socioeducativas da Fundação Renascer e integram uma turma de Adolescentes Aprendizes do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), onde fazem o curso de auxiliar administrativo. A ação conclui o Projeto Social obrigatório na grade curricular, mas a ideia de atuar na limpeza da praia partiu deles. Poderia ter sido qualquer outra a atividade.

O que é deixado na areia

“Achei muita latinha e muito copo descartável e também coco”, disse uma jovem, de 17 anos, que superou os demais com a quantidade de lixo recolhida. Outro jovem, 15 anos, comentou a falta de educação. “A gente veio aqui hoje para limpar o meio ambiente porque, como vimos aqui hoje,

muitas pessoas não tem cuidado com a natureza. Esse lixo acaba no mar, prejudicando os animais e, além disso, as pessoas não têm educação nem respeito com a praia e nem com as outras pessoas. Por isso gostei muito de fazer essa ação”, disse.

Para outro dos participantes o mais importante não foi a quantidade de lixo recolhida, mas o significado da ação. “Achei interessante a gente dar o exemplo para a população, porque a praia deve ser cuidada como a casa da gente. As pessoas têm que trazer seu saco e recolher o seu lixo para depois jogar no lugar certo e não na areia”, alertou o rapaz de 23 anos.

Projeto Social

O objetivo da ação Praia Limpa foi desenvolver o espírito de preservação do meio ambiente, mas também de inclusão social. “Eles serviram de exemplo para os banhistas, mas também puderam exercer o mesmo processo de inclusão que recebem ao se doarem um pouco para a comunidade”, ressaltou a professora orientadora da turma, Tereza Emília.

Esses jovens, no passado, cometeram algum ato infracional ou foram vítimas de algum abuso ou risco social. Por determinação judicial eles tiveram que cumprir medidas (socioeducativas ou protetivas) em uma das oito unidades da Fundação Renascer. Após a conclusão dessas medidas, a Fundação oferece mais uma chance de recomeço para eles ao inseri-los no Progressos e em cursos como esse do Senac. Todos os 18 jovens, além de estudar, já estagiam em diferentes órgãos e entidades da cidade, mostrando que dá sim para recomeçar. Basta querer!

Para a coordenadora do Progressos da Fundação Renascer, Sheila Lara, ver a participação dos jovens é uma realização. “Para mim é uma vitória ver a turma desenvolvendo esse projeto, uma idéia deles. Fico feliz em ver também o número de presentes, esperava que fosse menor porque sei que houve evasões e desligamentos, mas foi acima da expectativa. Estou muito feliz e para a Fundação Renascer é a certeza que essa parceria com o Senac foi excelente e está dando muito certo. Estamos na espera de uma nova turma”, disse Lara.

De acordo com a coordenadora pedagógica do curso, Lucivânia Gomes, a ação também foi o encerramento da disciplina Desenvolvimento de Projeto. “Tudo o que eles aprenderam no decorrer do curso eles aplicaram, onde o professor foi apenas um mediador. Eles sugeriram e escolheram o tema e toda a ação foi planejada por eles”, explicou.

O diretor regional do Senac, Paulo do Eirado, também esteve na ação e elogiou a iniciativa. “A ideia é realmente fomentar iniciativas como essa no sentido de dar vivência às práticas e sempre com responsabilidade social. Essa parceria com a Fundação Renascer tem sido uma experiência extremamente positiva onde, na verdade, o Senac é que está se incluindo, se adequando e levando educação profissional a todos os sergipanos. É uma parceria bilateral”, comentou.

Texto e fotos: Camila Santos

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais