Fogo de monturo

0

O próximo sábado já é 2005. Um ano aparentemente longo, porque o carnaval acontece na primeira semana de fevereiro e o país chega à normalidade mais cedo. Tem que ser um ano de grandes realizações, porque os políticos têm que mostrar serviço e trabalhar intensamente para se credenciar junto ao eleitorado, que está atento ao que se fez nesse período para contemplar ou se vingar em outubro de 2006. Será um ano em que todos têm que arregaçar as mangas. O prefeito Marcelo Déda, por exemplo, tem que se desdobrar para consolidar um trabalho em apenas 16 meses, caso queira disputar o governo do Estado em 2006. Ainda há muito a fazer. O seu projeto é aumentar a expectativa do seu nome junto ao eleitorado, para que tenha régua e compasso para traçar o seu rumo em busca de um salto mais alto. Como já disse que só deixa a Prefeitura para ser candidato a governador, suas intenções estão claras e praticamente indiscutíveis.

 

Pelo quadro atual, Marcelo Déda será prefeito até 30 de abril de 2006…

 

Evidente que o prefeito Marcelo Déda está com um nome firmado em Aracaju, levando em consideração a votação que obteve para a reeleição. Claro que repercutiu no interior e ultrapassou os limites da capital, mas terá que fazer um trabalho intenso nas regiões que formam o Estado e fortalecer bases em cidades que têm um eleitorado tradicionalmente cativo. Atualmente há queixas de prefeitos e lideranças, do tratamento que o prefeito oferece às cidades. Os políticos regionais imaginam que a influência do prefeito Marcelo Déda junto ao Governo Federal é ilimitada e ele pode tudo. As primeiras falhas causarão melindres e podem ser definidas como má vontade ou falta de interesse. O interior é exigente, precisa de soluções imediatas e, dentro de um projeto de oposição no estado, elas só poderão vir através de decisões do Planalto, que tem visível má vontade com a região nordestina, apesar do compadrismo do prefeito de Aracaju com o presidente. Fato, aliás, que complica mais o relacionamento com as prefeituras, caso os pleitos não sejam atendidos. Além disso, ainda tem Aracaju para cuidar…

 

O governador João Alves Filho (PFL), que praticamente deu o chute inicial para a sua continuidade à frente do Estado, vai começar a sua temporada de execução de obras e contatos políticos a partir do início ano que chega. Já em fevereiro será feita uma pesquisa quantitativa e qualitativa em Sergipe, para que o PFL analise o quadro eleitoral e o que estão pensando os eleitores dos políticos. O que não é difícil imaginar. Depois começará a sedução de lideranças do interior, com a vantagem de não precisar recorrer ao governo Federal, mas de poder solucionar com maior rapidez alguns problemas imediatos de cada região. Não se pode negar que há muito político que apoiou João Alves Filho nas eleições majoritária de 2002, que está descontente com o tratamento que recebeu nestes dois primeiros anos de governo. Muitos deles estão queixosos e deixaram de procurar o governador, porque tinham pouco acesso a ele. Mas o próprio João já revelou que esse período foi de arrumação do estado e que agora vai executar as obras projetadas e fazer política. Conversar muito! Essa é a nova ordem.

 

O interior sempre foi muito dividido. Cada qual tem o seu time e segue orientação de quem está no comando da comissão técnica. Não é exagero dizer que João Alves Filho sempre desceu do interior com uma grande carga de votos. E não é um fato casual, porque desde 1982 que isso se repete com exatidão matemática. Não se pode negar, entretanto, que houve uma mudança na mentalidade do eleitorado interiorano, que acompanha e tem opinião formada com a estupidez da guerra do Iraque, com as traquinices maledicentes do presidente Bush, com o maremoto na Indonésia e, politicamente, com o que acontece em Brasília, São Paulo e, especialmente, nas cidades do seu estado. O jovem estudante do interior está atento, assim como mudou a mentalidade da dona de casa e, conseqüentemente, se forma uma corrente de um eleitorado diferente, que sabe perfeitamente o que é melhor para ele, para a família, para a comunidade. E, lógico, as próximas eleições terão um perfil diferenciado, porque o eleitor exigente vai perceber o que se fez no país e o que se construiu no estado. Enfim, o que foi melhor para ele.

 

Essa mentalidade vai exigir mais trabalho, mais competência e um bom jogo de cintura dos candidatos…

 

EXONERAÇÃO

O secretário da Saúde, Eduardo Amorim (PFL), foi exonerado do cargo na noite de terça-feira, por ato do governador João Alves Filho (PFL).

Antes de ser exonerado Eduardo teve uma conversa com o governador João Alves Filho e deixou claro que cargo era de confiança e cabia o governo admitir e demitir.

 

NOMEAÇÃO

O governador João Alves Filho nomeou, ontem, o advogado José Lima para assumir a Secretaria da Saúde. A posse acontecerá hoje, às 11 horas, no Palácio dos Despachos.

José Lima ocupa hoje a direção geral do Ipes e, segundo comentários, realizou um trabalhou de recuperação do instituto.

 

EMOÇÃO

Quando chegou ontem pela manhã na Secretaria da Saúde, Eduardo Amorim encontrou o seu gabinete com aproximadamente cem pessoas.

Muita gente chorava e ele próprio tranqüilizava os servidores. Passou o dia visitando todos os setores ligados à pasta e hoje pela manhã transmite o cargo ao seu sucessor.

 

DIRETORES

Metade dos diretores de hospitais do interior estava querendo renunciar ao cargo, para acompanhar o secretário exonerado Eduardo Amorim.

Foi o próprio Amorim quem contornou a situação, pediu que todos permanecessem até a chegada do sucessor e que cumprissem seu dever.

 

BOATO

O ex-prefeito de Lagarto, Jerônimo Reis (PTB), foi surpreendido com ligações de repórteres, perguntando se ele tinha feito acordo político com o governador João Alves Filho.

O boato era que sua irmã, Goreti Reis, da Fundação Nacional da Saúde, teria sido nomeada para a Secretaria da Saúde. Ele desmentiu e disse que continuava na oposição.

 

PROCURA

Jerônimo Reis disse que nunca procurou o governador e nem foi procurado por ele: “João Alves Filho sabe das minhas posições”.

Jerônimo pediu que o governador se dedicasse mais ao interior e desejou que ele tivesse um bom ano em 2005.

 

ESCLARECE

O secretário da Administração, deputado federal Mendonça Prado (PFL), disse que estranhou a notícia de que ele seria indicado pra a Educação.

Explicou que não existe “nada disso” e que seu trabalho era voltado a colaborar para que João Alves Filho realizasse um bom governo.

 

ASSEMBLÉIA

Alguns parlamentares da base de sustentação do governo começam a se preocupar com as eleições da Mesa Diretora da Assembléia Legislativa.

Alguns deles já se reuniram e reclamaram que todos os membros da Mesa estão querendo ser reeleito: “e nós?”, perguntou um deles.

 

SOLUÇÃO

Um dos deputados disse que as discussões só vão se iniciar na segunda semana de janeiro e haverá muita confusão, porque tem gente candidata a cargo na direção.

Acrescentou que esse debate vai se prolongar “e com certeza chegar ao governador, que é quem dará a palavra final”.

 

CONVERSA

O grupo que dá apoio ao prefeito Marcelo Déda enviou mensageiro para conversar com o ex-deputado federal Sérgio Reis (PTB), sobre declarações que ele prestou à imprensa.

Quis saber se estava havendo algum problema e Sérgio respondeu que não havia nada demais, “apenas preocupação minha”.

 

ANÚNCIO

Marcelo Déda (PT) não alterou a sua equipe de auxiliares para o segundo governo e deixou de fora apenas um nome do segundo escalão: Oswaldo Nascimento, da Emsurb.

Para a Educação colocou uma pessoa dele e trouxe o vice-prefeito, Edvaldo Nogueira de volta para a Secretaria de Governo. Vai cuidar mais diretamente da política.

 

CÂMARA

O presidente da Câmara, Sérgio Góes (PL) disse ontem que existem quatro candidatos do bloco querendo assumir o comando da Casa.

Acredita, entretanto, que terá que se chegar a um consenso, porque os candidatos não têm nomes suficientes para formação de chapas diferentes.

 

DISPUTA

Do bloco da oposição estão na disputa pela presidência os vereadores Sérgio Góes (PL) Zeca da Silva (PSB), Emanuel Nascimento (PT) e Conceição Vieira (PT).

Sérgio Góes disse que está conversando com todos eles e defende que seja indicado quem tiver melhor condição de eleger-se.

 

Notas

 

JERÔNIMO

O ex-prefeito de Lagarto, Jerônimo Reis (PTB) diz que ainda não está pensando nas eleições de 2006. Entretanto, não descarta a possibilidade de vir ocupar uma das cadeiras da gestão estadual: “não passa nada na minha cabeça sobre isso. Sou filiado ao PTB e vou respeitar a decisão do partido nesse sentido”.

Jerônimo deixa claro que não depende de convite para participar do pleito e sequer permite especulação sobre isso: “serei candidato em 2006. Agora, se é a vice-governador ou deputado, ainda não tenho confirmação”, disse.

 

POSSE

A ex-deputada Maria Mendonça (PSDB) tomará posse na Prefeitura de Itabaiana, às 20 horas do dia 1º de janeiro. Antes participará de uma missa de Ação de Graça pela sua vitória. A partir de sábado Itabaiana terá à frente de sua administração uma mulher, integrante do grupo de oposição ao prefeito.

O professor Otônio, que há dez anos assessora a deputada Maria Mendonça, será colocado à disposição da Prefeitura de Itabaiana e assume a Secretaria Geral do município. Levará sua experiência do legislativo para o Executivo.

 

MACHADO

O deputado federal José Carlos Machado (PFL) apresentou emenda ao Orçamento Geral da União, na Câmara Federal, sugerindo o corte dos R$ 660 milhões restantes para o projeto de transposição das águas do rio São Francisco. Machado defende a revitalização, para depois se pensar em transposição.

Em entrevista à TV-Câmara, o deputado José Carlos Machado quer que o Governo Federal injete mais recursos na revitalização do rio, para a qual só foi orçado R$ 90 milhões. Acha que esse valor é pequeno para recuperar o rio.

 

É fogo

 

Há uma grande freqüência na praça de eventos da Atalaia, para se assistir apresentações de grupos que cantam canções natalinas.

 

A feirinha de Natal que se realiza na orla da Atalaia se transformou em ponto de atração para os turistas que visitam Aracaju.

 

A Prefeitura de Aracaju já está preparando o palco para apresentação dos cantores na Atalaia, durante a passagem de ano.

 

Segundo o serviço de meteorologia, há previsão de chuva durante a noite de sexta-feira, quando se dá a passagem de ano.

 

Já está tudo pronto para a realização da Semana Cultura de Laranjeiras, que vai reunir artistas de vários estados.

 

A decisão da cúpula do Partido Liberal é manter o vereador eleito Jony na Câmara Municipal.

 

O deputado Ulices Andrade parabenizou a Energipe pela árvore erguida em Aracaju, que já é uma tradição natalina da cidade.

 

O índice de devoluções de cheques por falta de fundos está 1,2% maior no acumulado deste ano, em comparação ao intervalo janeiro-novembro de 2003.

 

O movimento do comércio neste final de ano foi uma demonstração da retomada da economia e do uso cada vez maior de cartões de crédito.

 

A comercialização de automóveis no Brasil segue aquecida. Na primeira metade útil de dezembro as concessionárias venderam 75.631 autos e comerciais leves.

 

Cerca de 27% dos municípios do país tiveram redução de população entre 1991 e 2000. Mas 30% dos municípios registraram crescimento.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários