Grande Aracaju: alvo de Jackson e Belivaldo para não serem derrotados

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

Em um vídeo com 3 minutos e meio de duração e publicado no Youtube em 25 de agosto de 2010, no que parece ser uma reunião política, aparecem o então candidato a vice-governador Jackson Barreto, ladeado pelo também então candidato Eduardo Amorim (à época no PSC) e seus respectivos suplentes Laurinho da Bonfim e Kaká Andrade. A peça publicitária foi amplamente divulgada durante aquele pleito e cujo objetivo ficou bastante explícito na fala de Jackson – coordenador da campanha de Amorim – transcrita abaixo:

“A eleição de Eduardo Amorim depende de Aracaju e da Grande Aracaju. (…) Tomem consciência do que eu tou (sic) falando a vocês. (…) De sorte que eu digo a vocês: quer ajudar a Eduardo Amorim? Botem o “bloco na rua” e saiam conscientes de uma coisa: se Eduardo Amorim tiver uma grande votação em Aracaju e no Grande Aracaju (sic) ele vai ser eleito Senador da República.” Jackson, coordenador da campanha de Amorim em 2010.

Como uma profecia, o velho emedebista estava certo e Eduardo Amorim venceu aquele pleito com uma votação recorde de 625.959 em todo o estado, superando inclusive a de Marcelo Déda que obteve 537.223 votos em todas as zonas eleitorais.

O que Jackson não esperava era a derrota naquele pleito em Aracaju, tradicional polo da esquerda, governado por um prefeito aliado, naquela período Edvaldo Nogueira herdará a prefeitura de Déda e foi reeleito em 2008. A chapa governista perdeu em 2010 três das quatro zonas eleitorais, e nos municípios limítrofes da capital, ou seja, da Grande Aracaju.

Outro fato a ser relembrado naquela eleição foi a vitória do candidato a presidente pelo PSDB, José Serra, sobre Dilma Rousseff apoiada por Lula, Déda e Edvaldo. O representante do PSDB venceu na capital nos dois turnos, enquanto a candidata do PT ganhava no interior nas duas votações.

As lições de 2010 foram aprendidas e não foram repetidas em 2014. Quatro anos depois e em lados opostos Jackson venceu Amorim com uma votação nos 75 municípios de 122.152 votos de diferença. O trauma de 2010 foi superado e Jackson teve 45.439 a mais do que Amorim nos quatro municípios da Grande Aracaju. Venceu em todos eles e em Aracaju, especificamente, o candidato a reeleição obteve 134.718 votos.

Estes números e levantamentos comparativos nos revelam alguns importantes nortes presentes nesta eleição:

1. Jackson sabe da importância da Grande Aracaju e vai massificar a campanha dele e a de Belivaldo nesta região;

2. Como a propaganda eleitoral pela televisão é mais forte na Grande Aracaju, o marketing fará uma campanha ferrenha de desconstrução de imagem e criar uma dicotomia que confunde o eleitor, mas ajuda na captação de voto;

3. Os governistas aproveitarão a tendência de Aracaju de votar na centro-esquerda e vincular as candidaturas majoritárias locais com a imagem de Lula.

4. A chapa governista tentará incutir no eleitor da Grande Aracaju que em Sergipe há dois campos políticos: quem defende Temer e quem apoio Lula ou seu indicado.

5. Tentará conquistar parte da classe média que hoje se mostra indisposta em votar.

Estas receitas relativamente simples poderão ser a pedra de toque que pode significar ruptura ou continuidade no comando do Governo de Sergipe. E para isso terão que conquistar os 407.888 eleitores de Aracaju; mais os 21.122 cidadãos do município de Barra dos Coqueiros que irão às urnas; os 103.308 eleitores de Nossa Senhora do Socorro; e, convencer os 54.289 são-cristovenses aptos a votar.

Tarefa inglória e desafiadora para políticos, marqueteiros e cabos eleitorais. Nos próximos dias a caça ao voto nestes municípios começarão.

Novo prefeito Com a morte repentina do prefeito de Carmópolis Volney Leite Alves, o vice-prefeito Beto Caju – Alberto Narciso da Cruz Neto – assumiu ontem, logo após o funeral, o cargo de prefeito do município. Beto Caju é músico, tem 40 anos, trabalha como produtor e diretor musical e é um dos mais populares compositores do país. Desde que assumiu a vice-prefeitura, em 2017, ele vem se dedicando também a estudos e práticas de gestão pública, inclusive desenvolvendo missões que lhes eram confiadas pelo prefeito Volney.

 Nova gestão A cerimônia de posse na Câmara Municipal foi rápida, simples e discreta. O novo prefeito e todos os vereadores estavam muito tristes e consternados com a tragédia que se abateu sobre o município de Carmópolis nos últimos dias. Depois de ressaltar as qualidades de gestor público do prefeito falecido, o novo prefeito Beto Caju pediu o apoio de todos os políticos e da comunidade para que ele e os novos gestores possam fazer “uma administração  pública eficiente, honesta, transparente e participativa – arrematou – em perfeita sintonia com os anseios, aspirações e necessidades do povo de Carmópolis.”

 Presentes ao funeral O governador do estado Belivaldo Chagas e o presidente da Assembleia Legislativa Luciano Bispo de Lima expediram notas de pesar. A senadora Maria do Carmo Alves, o deputado federal André Moura, os deputados estaduais Jeferson Andrade, Vanderbal Marinho e o ex-deputado José Carlos Machado, entre outras personalidades, estiveram em Carmópolis para as cerimônias. Centenas de pessoas acompanharam o sepultamento do prefeito Volney Leite Alves.

Operação Engodo: licitações manipuladas chegam a R$ 2 milhões Infonet: Os promotores de justiça que integram o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Sergipe e Alagoas concluíram as ações para cumprimento de mandados judiciais expedidos pela 17ª Vara Criminal de Alagoas, que culminaram com a apreensão de documentos e equipamentos na sede de empresa privada em Porto da Folha e nas residências dos proprietários, em Aracaju. Toda matéria.

PSTU realizou convenção estadual Após oficializar a candidatura da operária sergipana, Vera, para presidente, o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado realizou ontem, 03, sua Convenção Estadual. A convenção ratificou o nome de Gilvani Alves, a única pré-candidata mulher ao governo de Sergipe, e de Djenal Prado à vice. O PSTU apresenta ainda o petroleiro Clarckson Nascimento como pré-candidato ao senado.

Convenção lança Eduardo Amorim Já o candidato Eduardo Amorim, PSDB, realizou sua convenção também na sexta-feira, 03, no Iate Clube de Aracaju. A chapa encabeçada por Amorim tem como vice, o empresário Ivan Leite, PRB, e os senadores André Moura, PSC e Heleno Silva, PRB.

Convenção lança Valadares Filho O Candidato ao governo Valadares Filho, PSB, realizou sua convenção na AEASE também na sexta-feira, 03. São companheiros de chapa a deputada estadual, Silvia Fontes, PDT, candidata a vice-governadora e os candidatos aos Senado, Henri Clay, PPL e Valadares, PSB.

PELO E-MAIL E FACEBOOK

ARTIGO

Fake news e as eleições de 2018: a responsabilidade social do usuário da internet Por Heitor Alves Soares*

 

Fake news podem ser definidas como boatos e notícias falsas que são propagadas como se

Heitor Alves Soares

fossem verdadeiras. Mentiras sempre fizeram parte da cultura humana, mas a disseminação de notícias falsas transforma-se em problema global na medida em que a internet – rede mundial de computadores – atinge números expressivos de usuários em vários países, especialmente através de programas de mensagem instantânea (Whatspp) e de redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram).

Em 2016, segundo Hootsuite (sistema norte-americano especializado em gestão de marcas na mídia social), 2,8 bilhões de pessoas utilizavam redes sociais. No Brasil, segundo o IBGE, 116 milhões de brasileiros são usuários de internet e cerca de 90% deles utilizam smartphones.

O desenvolvimento da tecnologia e o barateamento do acesso à internet possibilitaram a utilização praticamente ininterrupta da internet como ferramenta de disseminação de conteúdos e compartilhamento de informações, inverídicas ou não, afetando até mesmo os meios tradicionais de comunicação como o jornal e a televisão.

O aparente anonimato da rede, o grande número de usuários e a velocidade de tráfego das informações são fatores propícios à propagação de boatos ou mentiras a respeito de determinado fato. A título de exemplo do potencial danoso do boato veiculado na internet, convém relembrar do episódio envolvendo o suposto fim do programa social Bolsa-Família que levou milhares de pessoas às agências da Caixa Econômica Federal em várias partes do Brasil.

Ao contrário da fofoca ou mentira transmitida nos tradicionais métodos de disseminação, as notícias falsas na internet, em geral, são criadas através de programas de edição e montagem de imagens e de vídeos, que tentam conferir aparência de matéria jornalística ou publicação de caráter oficial, no intuito de enganar o receptor.

Estudos mostram que o conteúdo visual atrai mais a atenção do usuário da internet e tem maiores possibilidades de compartilhamento nas redes sociais do que outros tipos de conteúdo. Este fator, aliado à rápida disseminação de informação facilitada pela internet, torna o boato motivo de preocupação tanto de empresas quanto de candidatos ou partidos políticos. Uma simples mentira torna-se epidemia se ela consegue alcançar milhões de pessoas já dispostas a acreditar nelas.

Em eleições na era da internet, mentiras apresentadas em momentos estratégicos podem alterar o resultado de uma votação, comprometendo a legitimidade do regime democrático. Alguns acreditam que não serão punidos ou sancionados por usarem a rede mundial de computadores para ofender pessoas e candidatos. No entanto, existem instrumentos jurídicos para identificar e responsabilizar quem propaga fake news.

No campo eleitoral, o vigente Código Eleitoral, promulgado em 1965, define como crime a propaganda eleitoral que caluniar, difamar ou ofender pessoas, órgãos ou entidades que exercem autoridade pública, estabelecendo a possibilidade de direito de resposta pelo ofendido. Aplicam-se as mesmas regras da mentira veiculada em outros meios de comunicação, inclusive a possibilidade de aumento da pena imposta na sentença se a ofensa foi praticada usando meio que facilite a sua divulgação, ou seja, no caso de fake news eleitoral pela internet é possível aumentar a pena aplicada pelo crime contra a honra.

Além da responsabilização criminal, ainda no campo do direito eleitoral, é possível a determinação de remoção de conteúdo da internet, mediante a identificação da página respectiva ou da rede social que publicou a mentira, além da imposição de multa. Para as eleições deste ano, o Tribunal Superior Eleitoral estabeleceu que a propaganda na internet realizada por candidatos, partidos e coligações deve ser feita em página específica comunicada à justiça eleitoral e hospedada, direta ou indiretamente, em provedor de internet com sede e foro no país. Esta medida viabiliza o cumprimento das ordens de remoção de conteúdo das páginas de internet ou a publicação do direito de resposta, nela incluídas as redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter), que eventualmente divulguem fake news eleitorais.

A manifestação espontânea de apoio ou crítica a candidato ou partido feita pelo eleitor na internet é possível desde que não ocorra ofensa a honra (calúnia, injúria ou difamação) ou a divulgação de fatos sabidamente inverídicos, ou seja, o eleitor também pode ser punido. A legislação eleitoral, do mesmo modo, proibiu o eleitor de contratar divulgação patrocinada (impulsionamento) em favor de candidato, partido ou coligação. O impulsionamento consiste na técnica de marketing digital pelo qual provedores de aplicação podem conferir maior alcance às publicações de determinado contratante. O intuito é evitar a pulverização de propaganda eleitoral por pessoas naturais pelo uso da técnica de impulsionamento.

De outro lado, candidatos, partidos e coligações podem contratar o impulsionamento de conteúdo (propaganda), desde que seja com os provedores de aplicação de internet com sede e foro no país, sendo obrigatória que da propaganda conste a informação de que se trata de conteúdo pago. Além disso, o impulsionamento só pode ser feito com a finalidade de promover ou beneficiar candidatos ou suas agremiações. Não é permitida a veiculação de propaganda eleitoral, ainda que gratuita, em sítios de pessoas jurídicas ou oficiais ou hospedados por órgãos ou entidades da administração pública direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

Efetivamente a mais vital ferramenta contra disseminação do boato eleitoral na internet é o próprio eleitor. Compete a ele fazer uso racional da internet para debater ideias e propostas para a melhoria dos governos e não propagar inverdades contra qualquer candidato ou partido. É fácil detectar uma notícia falsa.

Para identificar uma fake, basta olhar com atenção a postagem ou mensagem encaminhada. Em geral, as notícias falsas apresentam títulos bombásticos, resumido e com destaques em MAIÚSCULO, omitem data e local, não possuem fonte ou mencionam fontes desconhecidas, possuem tom alarmista ou de catástrofe, não apresentam evidências ou embasamento que suporte as afirmações nela lançadas, mostram dados descontextualizados, exploram assuntos polêmicos (aborto, liberação das drogas, homofobia, racismo) e usam imagens ou vídeos adulterados ou fora do contexto.

O usuário socialmente responsável da internet, antes de compartilhar, checa a informação na internet e em outras fontes. Já existem páginas de internet exclusivamente voltados à checagem da informação. Tenha bastante cautela ao compartilhar conteúdo nas suas redes sociais ou nos seus grupos de bate papo. Quem compartilha ou encaminha pode vir a ser responsabilizado também.

Além disso, os provedores de aplicação como o Facebook, Instagram e o Twitter disponibilizam ferramentas para denunciar conteúdos impróprios. No primeiro provedor, o usuário pode clicar nos três pontos no canto direito superior da postagem e selecionar a opção “Dar feedback sobre essa publicação” ou “Denunciar foto/vídeo”. Na sequência, o usuário seleciona opção “Notícia Falsa” e clica em enviar. No Instagram, o internauta deve clicar nos três pontos no canto direito superior da postagem e selecionar a opção “Denunciar conteúdo impróprio” e depois escolher a opção “É spam”, porque não há um campo específico ainda para notícia falsa. No Twitter, o usuário deve selecionar a seta que aponta para baixo, no canto superior do tuíte e clicar em “Denunciar Tweet”. Depois deve selecionar a opção “É spam”, clicar em próximo, podendo depois optar por bloquear o autor da postagem ou apenas silenciar os tuítes daquele usuário.

Destarte, fake news se combate com o uso consciente e racional da internet. Notícia falsa se combate com boa comunicação e orientação aos usuários. Nesse aspecto, é fundamental a responsabilidade social do usuário de internet no sentido de bloquear e denunciar às autoridades e aos provedores aqueles que criam e propagam notícias falsas. Aqui vale a máxima: “Não faça aos outros o que você não quer que seja feito a você”. No MPF, recebemos as denúncias sobre fake news eleitorais no endereço eletrônico .

Faça a sua parte e não compartilhe notícias falsas! A democracia agradece.

*Procurador Regional Eleitoral substituto/Procurador Eleitoral Auxiliar da Propaganda Eleitoral

 

ARTIGO

Mestres da medicina em Sergipe – Dr. Melício Machado por Antônio Samarone

 

O Dr. Melício Resende Machado é filho de Melício de Souza Machado, o que nomeia a rodovia do Mosqueiro, e de Maria Resende (Dona Resendinha). O seu pai foi um grande empreendedor, chegou a possuir o maior coqueiral do Brasil. Melício Machado, o Pai, foi quem primeiro industrializou o leite de coco, com a marca “MEMACIA”.

Melício Resende Machado, nasceu em Aracaju, pelas mãos da parteira Amarilha, em 25 de novembro de 1939, à Rua Pacatuba. Estudou o primário com a professora Rosilda Rocha. Menino traquino, passou por vários colégios, para concluir o ginásio e o científico: foi interno em São João Del’ Rei, estudou no Atheneu, no Colégio Jackson de Figueiredo (de Benedito e Judite) e no Colégio Tobias Barreto, dirigido pelo professor Alcebíades Melo Vilas-Boas. No último ano do científico, foi estudar no famoso Colégio Paes Lemes, na Rua Augusta, em SP.

Da infância na bucólica Aracaju, Melício Machado relatou com saudade os banhos do Rio Sergipe, ali na Rua da Frente. Tem viva a memória do grande nadador Gildo Aguiar, fundador do serviço de Salva-vidas em Aracaju. Fiquei imaginando, por que ninguém se lembra que a despoluição do Rio Sergipe não é um bicho de sete cabeças?

Desde cedo, Melício Machado tomou a decisão que queria ser médico. Em 1961, entrou na primeira turma da Faculdade de Medicina de Sergipe. Foi muito amigo do Ex Prefeito Heráclito Rollemberg, e estudaram juntos para o vestibular de medicina. Heráclito foi reprovado na prova de física, por décimos. Na época, muitos acharam injusta a reprovação. A vida continuou, e Heráclito seguiu outro caminho.

Talvez por preconceito, a medicina estava começando em Sergipe, após o primeiro ano, Melício Machado consegue transferência para a Faculdade de Ciências Médicas do Rio de Janeiro, no Hospital Pedro Ernesto (atual UERJ). Não se adaptou na cidade maravilhosa, e conseguiu a transferência para a Faculdade Católica de Salvador, onde concluiu o curso de medicina, em 1969. Especializou-se em obstetrícia com o professor Jorge Resende, na enfermaria 33, no Rio de Janeiro. Isso mesmo, Jorge Resende o autor do famoso “Tratado de Obstetrícia” de Resende, que por muitos anos foi uma referência nacional.

Pouco antes da formatura, casou-se com o amor da sua vida, namorada desde os 15 anos, Dona Maria Helena. O seu pai faleceu 11 dias após a sua formatura, obrigando-o a retornar para Aracaju. Aqui ele encontra o centro de sua vida profissional: vai ser obstetra da Maternidade Francino Melo. Ao lado de Carlos Melo, Dalmo Machado, Albino Figueiredo e Aristóteles Augusto, formaram o melhor time da história da obstetrícia sergipana.

O Dr. Melício Machado exerceu com competência a obstetrícia, sempre voltado para o bom atendimento. Um grande humanista. Sempre discreto, viveu no anonimato, voltado para o trabalho. Não amealhou fortunas com a medicina.

O Dr. Melicio Machado é pai de 4 filhos e avô de 4 netos, vive modestamente a sua aposentadoria, com a alegria de quem tem a consciência tranquila. Inteligente, bem-humorado, fino no trato, ao ser perguntado que mensagem daria aos novos médicos, ele foi sucinto: “que ame os seus pacientes”.

ARTIGO

Água e desenvolvimento por Ailton Rocha

Defendo que este tema seja uma das bandeiras de luta dos sergipanos. Senão vejamos:

O rio São Francisco (que se encontra agonizando) representa 99,8% do nosso potencial hídrico (está o Velho Chico para nós, como o mar da Galiléia para Israel), enquanto as demais bacias hidrográficas são deficitárias. O que nos levou a partir da década de 70 a implantar mais de 4000 km de adutoras, a construir 18 reservatórios (dos quais atualmente 6 deles de múltiplo uso) e mais de 5000 poços, dotando o nosso pequenino estado com a melhor infraestrutura hídrica do Brasil, garantindo a 90% da nossa população acesso a água potável (indicador de primeiro mundo).

A política estadual de recursos hídricos de Sergipe tem sido baseada na grande e incessante expansão da infraestrutura de oferta hídrica. Mesmo assim, o Estado ainda sofre, fortemente, os efeitos socioeconômicos na ocorrência de períodos prolongados de seca, mesmo em ano de pluviosidade próxima ou acima do normal, como no corrente ano, as regiões mais áridas do Estado continuam dependentes de carros-pipas para o abastecimento de água da população rural difusa.

Neste sentido é preciso que tenhamos um plano de convivência com o semiárido e uma gestão plena das águas reservadas. Também é preciso defendermos com força a revitalização do Velho Chico (principalmente na construção do pacto das águas para definição das vazőes de entrega) como também a revitalização de nossas bacias hidrográficas (protegendo e recuperando principalmente as áreas de recarga) que padecem de desmatamento (mais de 50% das nossas terras estão entrando em processo de desertificação por uma política agrícola equivocada com extensiva predominância de gramíneas: milho + cana-de-açúcar e pastagem); ao mesmo tempo combatermos o desperdício e a poluíção hídrica, além da necessidade de aprimorar a nossa segurança hídrica com a construção do canal de xingó e da barragem do vaza barris.

Para nos preparar para estes e outros desafios, faz-se necessário fortalecer as nossas instituições. O estado precisa voltar a planejar para assumir uma postura proativa em detrimento da reativa(atual). Tenho Dito.

PELO TWITTER

www.twitter.com/ayres_britto É levantando a pálpebra da emoção que a gente abre o olho da intuição.

www.twitter.com/frednavarro Quem pede intervenção militar merece uma bota na cara. Se reclamar, duas. (tuíte de 14/10/2015)

www.twitter.com/HoraDoPapito EXTRA! Com fim do contrato previsto para 29/08, Governo do estado volta a atrasar pagamento do GTA em mais de 60 dias mesmo baixando o valor do contrato em 20%. A dívida dessa vez chega a mais de R$ 400 mil no momento que combustível de aviação em Sergipe é o maior do Brasil.

www.twitter.com/jrobertotgomes “Facilidades” na administração pública costumam levar a dois caminhos igualmente danosos à coletividade, ou à má gestão, ou à corrupção. Não existe o fácil com dinheiro público…

www.twitter.com/firmo_robalo Para André Moura e Edvaldo Nogueira o artista local pode se apresentar fiado. E não disseram que o dinheiro já estava, antes, em caixa?

www.twitter.com/AntonioSamarone Entenda a política: o PT alia-se a Renan Calheiros em AL, Eunício Oliveira no CE e Ciro Nogueira no PI. Todos golpistas!

 

Siga Blog Cláudio Nunes:

Instragram

 Facebook

 Twitter

Frase do Dia
“Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas.” Confúcio.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais