Greve desumana

0

Depois da interminável novela entre pediatras e planos de saúde, que tantos prejuízos já causou aos aracajuanos, agora são os médicos da Prefeitura que prometem cruzar os braços. A anunciada paralisação, marcada para segunda e terça-feira da próxima semana, só terá como vítima a população pobre da capital. É como se está tivesse alguma culpa pela falta de acordo entre os profissionais de saúde e a municipalidade. Nada contra a luta salarial dos médicos, mas deve haver outra maneira, que não seja a greve, para sensibilizar o prefeito Edvaldo Nogueira (PC do B). Ademais, diferente da crise da pediatria, que afeta principalmente aqueles que possuem mais condições financeiras e podem procurar outros meios para socorrer os filhos, a paralisação da próxima semana punirá apenas as camadas mais pobres da população, que só contam com os postos de saúde. Portanto, é terrivelmente desumano usar a dor alheia para conseguir melhorar de vida, principalmente quando quem faz isso é o médico.

 

Negociando salários

 

A Prefeitura de Aracaju começa na próxima segunda-feira a rodada de negociações para debater as questões salariais e reivindicações dos servidores. Segundo o secretário de Finanças, Jeferson Passos, serão realizadas 12 reuniões no decorrer da próxima semana. Uma das primeiras, marcada para segunda, será com o Sindicato dos Médicos de Sergipe, que anunciou paralisação da categoria no mesmo dia. Para Jeferson, a iniciativa da categoria é precipitada. Ele está certo!

 

Apagão

 

Os jornais estão entre as grandes vítimas do apagão que desligou sete estados nordestinos ontem à noite. Mesmo com o retorno da energia no começo da madrugada, muitos setores da economia demoraram a retomar a normalidade, a exemplo dos jornais aracajuanos, que tiveram suas edições desta sexta-feira atrasadas. Até agora não se sabe o que provocou o apagão. O presidente da Chesf, Dilton da Conte Oliveira, confirmou que todas as usinas do Nordeste foram desligadas, mas não soube dizer o que teria gerado o problema.

 

Calor infernal

 

Quem foi prestigiar ontem a posse coletiva de sete secretários estaduais suou em bicas. É que o auditório do Banese, ali na avenida Augusto Maynard, foi pequeno para tanta gente. As pessoas já chegavam suadas e, com a aglomeração, transpiravam ainda mais. Um inferno! Muitos convidados abandonaram o auditório no meio da solenidade e foram para a rua esperar a saída dos secretários para cumprimentá-los.

 

Sem pressa

 

Antes de empossar os sete secretários, o governador Marcelo Déda (PT) demonstrou que não está com pressa para nomear os integrantes do segundo escalão. Segundo ele, em alguns casos isso só ocorrerá quando a Assembléia aprovar a criação das novas Secretarias. “Primeiro vou conversar com os secretários visando avaliar os nomes e só depois farei as indicações”, explicou Déda à imprensa.

 

Matando a fome

 

Mais 2,4 mil cestas de alimentos foram doadas ontem pela Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e do Desenvolvimento Social aos flagelados da seca de Monte Alegre e Nossa Senhora da Glória. Nesta sexta-feira, outras 2,2 mil cestas serão entregues às vítimas da estiagem em Gararu e Porto da Folha. A quantidade de cestas doadas é baseada em um cadastro de beneficiários feito pelas Prefeituras.

 

Prepare o bolso

 

Começa na próxima segunda-feira o pagamento do IPTU pelos proprietários de imóveis em Aracaju. Para quem for pagar o imposto em cota única, o vencimento será segunda e o contribuinte terá um desconto de 10%. Quem estiver em atraso com o tributo e desejar pagar o de 2011 em cota única terá um desconto de 5%. Há também a possibilidade de pagar o IPTU em até 10 vezes, sendo a parcela mínima de R$ 55, que será determinada pelo valor do imposto de cada imóvel.

 

Tá quebrado?

 

Uma boa notícia para quem está na maior pindaíba: a Mega-Sena pode pagar um prêmio de R$ 40 milhões neste sábado. O valor estimado do prêmio para quem acertar as seis dezenas da Mega é suficiente para comprar uma frota de 1.600 carros populares ou 8 mil motocicletas de 125cc. Mas se o apostador quiser investir, aplicando o prêmio de R$ 40 milhões na Poupança da Caixa, ele receberia mensalmente cerca de R$ 240 mil de rendimento. Outra possibilidade seria comprar imóveis. Aí o premiado poderia comprar dois prédios inteiros de 20 andares e quatro apartamentos por pavimento.

 

Sem Conselho

 

A Justiça Federal em Sergipe determinou que o Conselho Regional de Óptica e Optometria de Sergipe (CROO-SE) deixe de se apresentar como conselho profissional. Segundo a procuradora da República Eunice Dantas Carvalho, responsável pelo processo, tal prática é ilegal porque conselhos profissionais, como o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por exemplo, só podem ser criados por meio de uma lei.

 

Do Baú político

 

A eleição de 1994 para o governo foi uma das mais disputadas da história política de Sergipe, além de ter registrado um dos maiores erros já cometidos pelo Ibope. O pleito foi disputado por Albano Franco (PSDB), Jackson Barreto (PDT), José Araújo (PV) e Vera Tourinho (PRN), porém estes dois últimos praticamente não pontuavam nas pesquisas. Na reta final do 1º turno, o Ibope apontava vitória de Albano com 49%, enquanto Jackson aparecia com 31%. Quando as urnas foram abertas, revelaram outros números: Jackson conquistou 47,61% dos votos válidos e Albano 47,39% – uma diferença de apenas 1.288 votos, num universo de quase 800 mil eleitores. Para complicar a situação do Ibope naquele ano, no segundo turno aconteceu o contrário: a pesquisa de boca-de-urna realizada no dia 15 de novembro apontava vitória de Jackson, mas prevaleceu a eficácia eleitoral do senador Albano Franco e a força política do então governador João Alves (PFL). Jackson venceu na maioria dos principais colégios eleitorais, mas não foi suficiente para tirar a diferença. Desde então, sempre que um candidato a governador de Sergipe aparece na frente das pesquisas, seus adversários apressam-se em recordar o grande erro cometido pelo Ibope em 1994.

 

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários