HUSE: Não foi chacina. Foi suicídio coletivo

0

O blog pede desculpas aos leitores por informar na semana passada que uma chacina ocorreu no Hospital de Urgência Governador João Alves Filho, onde morreram três pessoas. Na verdade o que ocorreu foi um suicídio coletivo. Pelo menos é este o ponto de vista que falta ser apresentado pela defesa dos acusados.

Estão pensando que em Sergipe tudo pode e todos são imbecis. Na semana passada criaram várias versões para o mesmo fato e agora querem imputar os assassinatos apenas para o soldado Gean Alves, já que o tenente Genilson Alves responde a outros processos.

Ainda bem que os delegados Flávio Albuquerque e Thereza Simony são responsáveis e não tem medo de pressões. Estão querendo transformar os assassinos em “mocinhos” que agiram em legitima defesa. Uma aberração, um desrespeito a todos os poderes constituídos. Ainda bem que a OAB/SE, através do seu presidente, Carlos Augusto, já se posicionou com firmeza pedindo uma punição exemplar, que é a expulsão dos dois dos quadros da PM de Sergipe.

Os delegados têm os depoimentos de várias testemunhas, inclusive da irmã de um dos mortos, Márcio Santos, informando que o tenente chegou ao local perguntando pelos “vagabundos” e foi o responsável pela morte do irmão dela. O promotor Jarbas Vasconcelos também tomará todas as providências para punir os dois policiais. Inclusive o tenente Genilson já foi condenado em um processo no TJ de SE, por roubo e recorreu ao STJ.

Marginal não é apenas quem assalta.  Um policial que comete um crime bárbaro desta forma, causando um pânico sem precedentes dentro de um hospital é também marginal.

A sociedade sergipana exige uma resposta rápida à chacina promovida pelos dois policiais. Expulsão dos quadros da PM e condenação exemplar.

É a resposta mínima que o Poder Público pode dar a sociedade neste momento.

Ainda as confusões no Hospital de Urgência GJAF
Conversando com um médico do Hospital o blog colheu algumas informações: Os profissionais nunca entenderam por que um local onde indivíduos suspeitos chegavam com ferimentos – muitas vezes também suspeitos – por arma de fogo, arma branca, acidentes automobilísticos ou  motociclísticos quase sempre com evidência de alto teor alcoólico ingerido pelos mesmos, eram atendidos, medicados e na maior parte das vezes liberados sem que nenhuma autoridade policial (existe um plantonista da polícia civil que "anota" os atendimentos  e, sem outras preocupações, anota o endereço da ficha – que pode muito bem ser falsificado já que não é exigido comprovante de residência – para depois sair nos programas matutinos da radiofonia local como estatística de movimento nos pronto-socorro e IML.

Portaria impedindo armas X Truculência
Há uma Portaria da Secretaria de Segurança e, caso a mesma não tenha sido revogada, impede a entrada de policiais armados em estabelecimentos públicos – EXCETO se estiverem no exercício de suas funções. Quem trabalha em hospital sabe da truculência de alguns componentes da PM e afins (Polícia Civil e, acreditem, até Agentes Carcerários) que já criaram confusões das mais diversas nos estabelecimento de saúde.

Hospital precisa de um modelo de segurança. Local de alta periculosidade
Já passa da hora de se criar um modelo de segurança para um local de Alta Periculosidade  e como deve ser encarado o Pronto-Socorro do  HUSE ou de qualquer hospital público no Brasil.  A imprensa noticia sempre  casos de resgate de presos em  hospitais de grandes centros, assassinatos em hospitais menores, mas o que aconteceu no HUGJAF foi terrivelmente lamentável onde, espera-se, uma medida dura e responsável da Fundação para evitar a repetição, pois vidas inocentes não podem ser perdidas dessa maneira.

Parcerias para combater a seca
Quem tem corrido atrás de parcerias para amenizar a triste realidade da seca que passa o alto sertão sergipano é o prefeito de Canindé de São Francisco, Orlandinho Andrade (PDT). Durante a visita da presidenta Dilma ele relatou a situação para própria e ela afirmou que realmente é a pior dos últimos 30 anos.

Agência itinerante do BNB em Canindé
Na última segunda-feira, 30, ao lado do secretário de gestão e meio ambiente, Kaká Andrade, o prefeito Orlandinho esteve em audiência com o superintendente do Banco do Nordeste em Sergipe, César Oliveira para solicitar a instalação em caráter de urgência de uma agência itinerante do BNB em Canindé. O prefeito Orlandinho Andrade também esteve em reunião com o Governador Marcelo Déda e tem conseguido integrar todos os prefeitos da região graças ao seu carisma e maneira democrática da sua administração cidadã em Canindé.

Déda e o Sintese
O governador Marcelo Déda reuniu-se com representantes do Sindicato dos Professores da Rede Estadual (Sintese).  Na reunião com o sindicato, o governador apresentou a situação fiscal e financeira do Estado, mostrando que, nos últimos dias, todo o esforço  da equipe econômica e do próprio governo tem sido no sentido de viabilizar o reajuste linear para todos os servidores do estado que seja capaz de recompor as perdas inflacionárias do período.

Corte de Gastos
“Mesmo esse índice vai exigir decisões duras, como por exemplo, um corte ainda maior do custeio e talvez até a suspensão de alguns investimentos. Todo o esforço da nossa equipe tem sido no sentido de evitar essa ação brusca e, ao mesmo tempo, garantir o pagamento da folha de forma pontual sem prejudicar o conjunto dos servidores”, afirmou o governador Marcelo Déda.

Reajuste dos servidores
O governador foi enfático ao demonstrar todo o esforço da administração no sentido de cortar despesas e reduzir custeio para tentar os recursos necessários para a concessão de um reajuste linear para todas as categorias. “Esse tem sido o nosso desafio, e até agora não anunciamos, pois temos tido dificuldade para encontrar a fonte das receitas que vão financiar esse reajustamento”, destacou Déda.

Não pode pagar 22% a todos
Ao contextualizar relembrando avanços históricos concedidos em negociações nos últimos cinco anos à categoria do Magistério, o governador foi claro ao afirmar que é impossível conceder o reajuste de 22% pleiteado pela categoria. “Neste momento, nós estamos tendo dificuldade para encontrar até os 5% para recompor a inflação para o conjunto dos servidores. Nós mostramos que o governo fez um grande esforço o ano passado, e está pagando até o próximo mês de agosto, a diferença do piso nacional da categoria, pois não tivemos recursos para pagar no próprio exercício”, exemplificou Déda.

Apelo pelo fim da greve
“Faço um apelo para que os professores retornem às aulas, nós aguardaremos a decisão da assembleia da categoria prevista para a próxima quarta-feira, pois esperamos que o Magistério aja com bom senso. É claro que a luta da categoria vai continuar, mas é preciso reconhecer a importância das grandes vitórias já obtidas, pois esse ano, diante do contexto de crise internacional, com contingenciamentos do Governo Federal, gerando reflexos na nossa administração, nós não temos condições de oferecer o que é solicitado. Nossa divergência não é de idéias, é material. E não podemos penalizar as crianças sergipanas por causa disso. Voltar ás aulas, não é dar razão ao governo, é dar razão aos alunos que precisam do professor na sala de aula”, enfatizou o governador, ao dizer que vai aguardar a decisão da assembleia da categoria e, em seguida, examinará as medidas necessárias a partir da deliberação da referida assembleia.

Transparência e Diálogo
Para o secretário de Estado da Educação, Belivaldo Chagas, é importante registrar que o governo sempre manteve a postura de estar aberto ao diálogo. “A prova inconteste disso mais uma vez é a presença do governador que fez questão de estar aqui hoje e expor, de forma transparente, todos os números recebendo todos os representantes do Sintese”, declarou Belivaldo.

Informações prestadas
A partir desta conversa, o secretário espera que os representantes repassem para a categoria os reais fatos que permeiam a questão. “Essas informações, que já haviam sido prestadas pelos secretários, foram hoje prestadas pessoalmente pelo governador. O que resta para nós e para toda a sociedade é que essa greve termine e que o diálogo continue. Não podemos perder de vista que o foco da educação é o aluno. Nós teremos Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) esse ano e não podemos prejudicar ainda mais nossos alunos. Nosso compromisso é o de sempre, baseado na transparência, sinceridade lealdade. Assim buscamos sempre reger essa relação”, lembrou o secretário.

Sintese vai apresentar a assembleia
A presidente do Sintese, Ângela Melo, mesmo mantendo algumas divergências de ordem técnica, afirmou que tudo que foi exposto na reunião vai ser repassado par a deliberação da categoria. “Nós tivemos um impasse. Uma incógnita que será encaminhada para a categoria. Não podemos afirmar qual será a decisão, pois é a categoria quem decide”, resumiu a presidente.

Hoje, 02, tem o 1º Fórum Regional de Saúde do Trabalhador
Como parte das atividades alusivas ao Dia do Trabalhador, a Rede de Atenção à Saúde do Trabalhador (Reast), que compõe a Diretoria de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde (Digets) da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), promoverá, neste dia 2 de maio, o 1º Fórum Regional de Saúde do Trabalhador.

Presenças
O evento acontecerá no auditório da Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e Desenvolvimento Social (Seides), localizado no Centro da Capital, contando com a presença de representantes da Coordenação Geral da Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde (MS), em palestras e mesas de debates.

Orçamento Aracaju
Chegou a Câmara Municipal de Aracaju (CMA) na última segunda-feira, 30 os documentos referentes ao orçamento municipal de 2011. O secretário municipal de finanças, Jeferson Passos, trouxe pessoal mente os documentos e disse que no relatório consta os gastos municipais com contas, contratações e outras despesas públicas. O presidente da Casa, Emmanuel Nascimento (PT), falou que o orçamento será levado ao Plenário para apreciação dos vereadores e em seguida para Comissão de Finanças da câmara.

Assembleia Geral para aprovação do Regimento e aclamação do Corpo Diretivo do FPLLL-SE
Será realizada amanhã, 03, às 18h, na Sociedade Semear a assembleia geral para aprovação do Regimento Interno do Fórum Permanente de Literatura, Livro e Leitura de Sergipe (FPLLL-SE). Na ocasião, será realizado também o processo de aclamação da primeira Diretoria, Comitê Consultivo e Comitê Fiscal, que deverá conduzir o FPLLL-SE no biênio 2012-2013, e será servido coquetel.

PELO TWITTER

www.twitter.com/Gilbertotv  A saída para o Brasil resolver a maior parte dos seus problemas crônicos: educação, educação,educação, educação, educação, educação,educação

www.twitter.com/leal_lima  Eu vi minha mãe rezando aos pés da Virgem Maria. Era uma santa escutando, o que outra santa dizia!

www.twitter.com/EdsonAran  Cachoeira é o novo PC Farias. Depois dele, tudo será resolvido. Que nem com o Collor, Renan, Sarney, Zé Dirceu e os anões do orçamento.

www.twitter.com/palmeriodoria  Antes de 1964 havia pelo menos a Última Hora do grande Samuel Wainer. Hoje tá tudo dominado.

PARA DEBATE

Ciclomotores: Aracaju é péssimo exemplo para o país
O Bom Dia Brasil de ontem, 01, exibiu matéria da jornalista Carla Suzanne sobre o trânsito de ciclomotores em Aracaju. Mostrou  os condutores circulando sem capacetes cometendo diversas irregularidades e o mais grave: com uma câmera escondida a repórter foi informada numa revenda de ciclomotor que por R$ 1,2 mil o veiculo é turbinado para  ter mais potência. Um absurdo, enquanto isso desde 2009 os vereadores brincam de legislar e não aprovam uma lei dura. Preferem esconder seus interesses por trás da desculpa que os proprietários dos ciclomotores não tem como pagar licenciamento. É verdade, mas podem turbiná-las.

Em Salvador lei já foi aprovada
Na capital baiana, uma lei do vereador Alberto Braga foi aprovada há poucos dias. Lá os vereadores não criaram inconstitucionalidade deixaram para o município todos  dispositivos relativos a seu registro, transferência de propriedade, baixa, circulação e condução estabelecida pelo Código de Trânsito Brasileiro. Não criaram taxas inconstitucionais como deseja o projeto de Jony Marcos. Leia todo o projeto aprovado em Salvador:

PROJETO DE LEI Nº

Dispõe sobre o registro e licenciamento de ciclomotores e dá outras providências no município de Salvador

A Câmara Municipal de Salvador:
RESOLVE:

Art. 1º – O Poder Executivo, consoante com o disposto no artigo 129 do Código Brasileiro de Trânsito, fará o registro e o licenciamento de ciclomotores, nos termos desta lei.

Parágrafo Único – Ciclomotor é o veículo de duas e/ou três rodas, provido de motor de combustão interna, cuja cilindrada não exceda a cinqüenta centímetros cúbicos e cuja velocidade máxima de fabricação não exceda a 50 km/h.

Art. 2º – O Certificado de Licenciamento anual será expedido vinculadamente ao Certificado de Registro de Veículo, no modelo e especificação determinados pelo Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN.

Art. 3º – O primeiro licenciamento será feito simultaneamente com o registro de propriedade do veículo.

& 1º O Poder Executivo estabelecerá, em índice percentual ao preço de venda do veículo, o valor da taxa de expedição do Certificado de Registro do Veículo e o valor relativo à renovação de seu Certificado de Licenciamento Anual.

& 2º Para Expedição do Certificado de Registro do Veículo será obrigatória a apresentação da nota fiscal da compra.

& 3º O certificado de Licenciamento Anual é de porte obrigatório pelo condutor.

Art. 4º – O ciclomotor será identificado por meio de placa traseira, lacrada em sua estrutura, obedecidas às especificações e modelos estabelecidos pelo CONTRAN.

& 1º Ao veículo não identificado ou conduzido sem o porte do certificado de identificação, serão aplicadas pela autoridade competente as penalidades previstas em Lei.

& 2º O Poder Executivo estabelecerá valores a serem cobrados pelo recolhimento e guarda do veículo até sua liberação.

Art. 5º – Os ciclomotores terão suas condições de segurança, de controle de emissão de gases poluentes e de ruídos avaliados mediante inspeção, que será obrigatória, na forma e na periodicidade estabelecidos pelo Código de Trânsito Brasileiro.

Art. 6º – Aplicam-se aos ciclomotores registrados e licenciados pelo Município todos os dispositivos relativos a seu registro, transferência de propriedade, baixa, circulação e condução estabelecida pelo Código de Trânsito Brasileiro.

Art. 7º – Fica o Poder Executivo autorizado a firmar os convênios necessários à consecução dos objetivos desta Lei.

Art. 8º – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação

DO LEITOR

Perigo na BR duplicada
Do leitor Ribeiro Filho: “Na semana passada passei pela BR-101 no trecho que fica na entrada do povoado Mussuca, no sentido de quem vai em direção a Propriá tem um quebra molas enorme que coloca em risco quem está dirigindo numa pista duplicada e de repente se depara com algo que jamais deveria existir nesse tipo de pista de velocidade. Mas o mais grave esta do outro lado, na pista quem vem no sentido contrário, o asfalta cedeu completamente e formou sulcos enormes, nem parece que ali feito serviço de terraplanagem.Não demora muito e ali poderá acontecer uma tragédia de grandes proporções, causada pela deformação profunda que da pista, pista essa que levou mais de 10 anos para ser construída, ali foram enterrados milhões de reais dos nossos impostos e poucos anos depois de terminada a obra, o asfalto está cheio de irregularidade em vários pontos, nem parece uma pista nova. Numa pista de velocidade como aquela, nas entradas de municípios e povoados devem ser construídos viadutos nesse tipo de interseção, e não colocar quebra molas que colocam em risco a vida daqueles que utilizam essa rodovia Federal.Será que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) ainda não viu a situação de perigo que a rodovia recém-inaugurada oferece? Uma obra dessa deveria ter uma garantia de pelo menos 20 anos e com menos de dois anos já está em péssimas condições de uso. O Ministério Público deveria investigar quanto foi gasto para construir a duplicação do trecho entre o município de Nossa Senhora do Socorro ao povoado Pedra Branca e as condições em que essa obra foi entregue”

ARTIGOS

De quem será a culpa?  – Prof. Esp. Railson Souza

Tudo, aparentemente, transcorria normalmente, na última sexta-feira, dia 27, no Hospital de Urgência de Sergipe – HUSE. De repente, ouvem-se uns papocos, será que já são em comemorações alusivas aos festejos juninos? E continuam os papos, agora, seguidos de gritos que ecoam por toda parte dos corredores do Hospital, médicos, enfermeiros, pessoal de apoio e pacientes ficam assombrados pela ação que se desenvolve no recinto. Não era fogos de artifícios que luziam, mas sim tiros e mais tiros foram disparados…

Local de refúgio para todos nós que passamos sofremos de alguma moléstia ou enfermidade – os hospitais são lugares de alivio para tais situações, porém uma cena comum em cinemas e universidades, agora, se estendeu também num Hospital, não por psicopata, mas por um policial descontrolado que sem noção do tempo invade a unidade e sem querer nem saber sai atirando em pessoas as quais nunca as viram.

Sua Justificativa era fazer justiça, contudo, que espécie de justiça é essa para sair matando a torto e a direita? Bom, depois do ocorrido tentam-se buscar respostas para convencer a sociedade de tal fato: legitima defesa, prender os criminosos, fazer a segurança dos doentes e por ai vai…

E como fica as famílias das vitimas nessa estória toda? É lógico que esses fatos só acontecem com pobres, pobres trabalhadores que mantém este país em pé, pobres famílias que com R$ 622,00 tentam sobreviver, pobres de todos que pagam por estes serviços que passam horas e horas para serem atendidos seja em uma clínica, maternidade ou hospital, morrendo as mínguas e, como percebemos, um novo serviço é ofertado: morra assassinato dentro do hospital.

Muitos se perguntam de é a culpa, talvez a seja dos pacientes que padecendo por acolhimento tenha causado algo de errado em ir requisitar um médico, já que o único lugar próprio para isso seria o hospital, enfim, tentar justificar essa ação é papel da policia e da criminalística, espero pelo menos que após o laudo concluído não diga que os pacientes estavam armados e o policial estava em legitima defesa e, por isso ele reagiu assim.

Os familiares ficam com o resto: a dor, o sofrimento, a saudade e as injustiças cometidas pelo Estado, aliás quando foi que este Estado cometeu alguma justiça? Nós, brasileiros vivemos numa sociedade em que a leis são aplicadas à minoria, isto é, só pra beneficiar um pequeno grupo, enquanto grande parte da população fica a margem de tudo isso e mais um pouco.

Ah! Mas esse ó Brasil da copa, isso mesmo, o Brasil que vai sediar a Copa do Mundo em 2014, por isso temos que ter cuidado, pois depois do show vem as conseqüências, por exemplo, ao ligar pra 192, quando necessitarmos vem o serviço do 190 para nos matar, dado que os hospitais não existiram mais. OBA, VIVA O BRASIL.

Por que João Alves Filho, você não fez o dever de casa? – Messias Gonçalves

Para aproveitar o feriado da terça feira, fui na segunda feira pela tarde para poço Verde, levar a minha esposa Meire e o meu filho Vinícius, para ver os seus parentes. Ela, ver a mãe e alguns irmãos. Ele, ver a avó, o tio Nilson e os primos. A situação encontrada foi uma das piores que já presenciamos.

A seca castiga sem piedade. O gado não tem mais o que comer. Os pequenos proprietários, além de alugarem pastos alheios, procuram outros recursos, como a compra do bagaço de cevada. Matéria prima para a fabricação da cerveja, já existe o comércio aonde caminhoneiros carregam os seus caminhões em Alagoinhas, na Bahia, com o subproduto para abastecer os agricultores.

Para felicidade, o quilo da cevada triturada, custa R$ 0,20. Cerca de 200 quilos, para um rebanho de vinte a trinta cabeças, dão para uma semana. Eles não dão a cevada pura. Misturam com palmas e mandacaru. É ai que eu me pergunto, o que o ex-governador João Alves Filho, o ex-prefeito José Everaldo de oliveira, Beaga, como é conhecido, fizeram por esse povo do sertão. Tanto João como Beaga, salvo engano, foi três vezes chefe dos executivos. Um estadual e o outro municipal.

Sergipe é um estado proporcionalmente pequeno, em relação aos demais estados da federação. Economicamente favorável para surtirem de infraestrutura capaz de sanar a seca, que por muitos anos assola o nosso estado.

Um homem público, que já foi prefeito biônico de Aracaju, governador por dez anos, ministro do interior, teve a oportunidade e a obrigação de acabar com o sofrimento deste povo. João Alves não fez o que deveria fazer porque não quis. Teve dinheiro e tem conhecimento técnico para realizar.

Pela realidade sergipana, duas alternativas poderiam ser implementadas pelo governo de Sergipe. A perfuração de poços artesianos em cada propriedade rural deste estado, ou cruzar todo estado com canais, trazendo água do Rio São Francisco, para distribuir nos sítios e fazendas.

Depois desses descasos de João Alves, o mesmo se acha no direito de denominar-se, como o “João da água, do chapéu de couro, do sertão”. Sem contar que o último governo, até em Poço Verde, ele João Alves, fechou o hospital.E ainda tem gente que até hoje em Poço Verde, beatifica tanto João Alves como o seu aliado Everaldo Beaga.  Deveriam era banir da vida pública, quando mostrassem as suas caras.

Enquanto isso, os familiares da minha esposa e do meu filho continuarão com as suas rotinas, esperando que Deus mande chuva, já que os homens da terra, que por doze anos foram responsáveis para resolverem essa situação, não cumpriram com as suas obrigações.

Espero ainda que o governador Marcelo Déda que está dando um show  em recuperação de estradas, mesmo sem ser engenheiro, absorva essas colocações e, assuma mais essa atribuição e, mostre aos sertanejos que é só questão de querer resolver. Nada mais.

Blog no twitter: www.twitter.com/BlogClaudioNun    

Frases do Dia
“Todos nós temos uma dimensão particular, individual, egoica, vaidosa. A vaidade não é um mal se ela se contém nos limites da necessidade de preservação de sua identidade. Se a vaidade vai até esse ponto, é boa. Mas se descamba para o narcisismo é ruim, é um fator de desagregação”. Carlos Britto, presidente do STF, declaração a revista Carta Capital desta semana quando questionado sobre as discussões entre os ministros Peluso e Barbosa.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários