J. Inácio-Café Pequeno

0

J. INÁCIO

Há quinze dias Inácio se foi. Ainda posso ver seus cabelos brancos, qual floquinhos de algodão, agora, mais uma estrela a brilhar na imensidão do universo.

J. Inácio dos verdes e amarelos, das bananeiras e dos quintais dourados repletos de jaqueiras. Sem dúvida nenhuma um dos grandes gênios da pintura.

Na despedida todos enalteceram o seu caráter irreverente e desapegado. Mas se isso confere  charme a vida artística no fundo esconde uma lógica perversa: a de que artista tem de ser pobre e desregrado.  

E emblemático na vida dos nossos pintores que, apesar de serem tantos e tão bons, quase sempre amargam  longas dificuldades financeiras com efêmeros momentos de glória. Adoecem, geralmente morrem pobres e  magoados com essa nossa incapacidade de reconhecê-los monetariamente.

Um desses grandes, Otaviano Canuto, conheci de perto. Seu sonho era conhecer um mecenas, qual no Renascimento, que lhe garantisse grandes trabalhos, murais artísticos onde , finalmente, pudesse exercitar o seu talento.

Costumávamos brincar sobre sua tendência para Picasso que viveu em castelos, patrocinado por milionários, cercado de inteligências e pintando mulheres bonitas. Canuto morreu aos 74 anos ainda desenhando, todo dia, para sobreviver!

Bispo do Rosário, se aqui tivesse vivido, seria, literalmente, taxado de louco e sua obra talvez nem existisse.

O desgosto é grande e desesperança não é bom alimento para a alma criativa. O artista é saudavelmente vaidoso e precisa de alimento espiritual.

Sorte é ser a arte libertadora e, apesar da indiferença, vai brotando, aqui e acolá.

Redescobrindo Sergipe-Sao Cristovao-Foto Ana Liborio

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais