João Alves e o presente de grego

0

Não foi no 1 de abril, dia da mentira. Afinal, já era momento da mentira ser desfeita. Foi justo um dia antes do 1 de Maio, Dia do Trabalhador. Foi como de costume nas empresas privadas e órgãos públicos, momento de presentear e paparicar os trabalhadores. Mas, dessa vez, com um presente de grego.

Após a Justiça decretar a ilegalidade da votação que desrespeitava a Lei Orgânica de Aracaju, o prefeito da capital sergipana resolveu, enfim, mostrar a sua cara e cumprir o que tanto disse durante a campanha eleitoral: “Foi João que fez!”. Pronto. Não teve saída. O prefeito que, no início do ano, havia dito não ser simpático a uma proposta de aumento da tarifa de ônibus, foi obrigado a dizer o que realmente pensa e enviar para o Legislativo municipal um projeto propondo o mesmo valor sugerido Mesa Diretora da Câmara e aprovado no dia 10 de abril. Coincidência?

Alguém duvida que os vereadores da bancada do prefeito votarão diferente daquilo que já votaram no dia 10 de abril? Vinicius Porto (DEM), Daniela Fortes (PR), Manuel Marcos (DEM), Jony Marcos (PRB), Valdir Santos (PTdoB), Anderson de Tuca (PRTB), Agamenon Sobral (PP), Jailton Santana (PSC), Dr. Gonzaga (DEM), Emília Correa (DEM), Robson Viana (PMDB), Adriano Taxista (PSDB), Augusto do Japãozinho (PRTB), Dr. Agnaldo (PR), Ivaldo José (PSD), Adelson Barreto Filho (PSL) e Renilson Félix (DEM)  já disseram o que pensam sobre o aumento da tarifa, já votaram e já mostraram a serviço de quê e de quem estão os seus mandatos.

Alguém duvida que, como no dia 10 de abril, esses vereadores irão propor emendar o projeto para R$ 2,45? Ou alguém acha que é possível uma cidade ter a passagem de ônibus em exatos R$ 2,43, como propõe João Alves Filho? Ou os vereadores aliados seriam capazes de, ao menos uma vez, não dizer amém ao que é enviado pelo prefeito e, por um momento, honrar os votos que tiveram?

Enfim, às vésperas de mais um Dia do Trabalhador, o prefeito João Alves Filho foi obrigado a mostrar que governa para os empresários. A diferença é que agora o líder do Executivo municipal não pôde ser blindado pelos vereadores. Essa está na sua conta, João. Foi você que fez.

À população cabe ir às ruas, protestar, participar das diversas manifestações que vêm ocorrendo pela cidade. À população cabe cobrar do prefeito e dos vereadores a análise sobre as irregularidades existentes na planilha de custos do Setransp. À população cabe continuar denunciando a situação precária do transporte público na capital sergipana. À população cabe, também, nas próximas eleições não acreditar em tudo que é dito nas propagandas eleitorais e não deixar que o atual prefeito e os vereadores aliados se esqueçam desse presente de grego que deram aos trabalhadores de Aracaju.

Comentários