Lixo, influência e falta de ética

0

“O lixo do lixo”, artigo da última segunda-feira desta coluna deu o que falar e deixou alguns preocupados. Além da preocupação de alguns políticos, principalmente prefeitos, alguns assessores deles “vestiram a carapuça”, na ânsia de defender seus patrões. Um deles foi o jornalista Cicero Mendes, no JC, de domingo, que acusou este espaço por publicar o relatório do técnico Lucrécio Rocha. Será que é falta de ética também dos órgãos investigadores que estão apurando as denúncias?

 

Ainda sobre a falta de ética denunciada pelo jornalista Cícero Mendes, é preciso lembrar que este mesmo profissional de comunicação no ano passado foi o responsável pela divulgação de diversas pesquisas eleitorais que deixaram o JC em apuros. Dois exemplos claros: Umbaúba e Lagarto, onde os índices foram totalmente diferentes. Cícero assessora diversas prefeituras e por coincidência quando tem alguma entrevista com um destes prefeitos, no caderno editado por ele, na outra semana tem propaganda institucional da Prefeitura. Ou não? Nos próximos dias o blog vai citar as matérias e depois as propagandas. O que o MP acha disso? (Este jornalista foi por 10 anos assessor de imprensa da Câmara de Aracaju e nunca escreveu nem neste espaço, nem nas colunas de jornais por onde passou, notas sobre legislativo municipal).

 

Já sobre a ligação do engenheiro Lucrécio com alguma empresa de lixo, apenas um detalhe: os questionamentos levantados por ele nos editais, não beneficia alguma empresa diretamente. Apenas cobra dos órgãos responsáveis que a licitação seja transparente e limpa para que todos possam disputar em pé de igualdade e principalmente sem elevação dos serviços e preços. Ou seja, as mudanças sugeridas nos editais de licitação não beneficiarão nenhuma empresa diretamente. Então faltou ética também ao engenheiro? Na verdade o que está em jogo é acabar com os “jeitinhos” nas licitações do lixo em Sergipe.

 

A propósito, o próprio Lucrécio responde alguns questionamentos para deixar claro aos leitores:

 

a) Sobre a  LOC Empreendimentos e Construção Ltda – Há muito tenho amizade com o seu proprietário. No entanto, nunca tive qualquer vínculo empregatício com sua Empresa. Nesta condição, levantar suspeições na tentativa de provocar questionamento ético ou moral pelo fato de, eventualmente que seja, emitir opiniões acerca das atividades vinculadas à limpeza pública, é no mínimo má-fé; tirar o foco do problema; parece até servir a interesses outros camuflados. Por outro lado, informo que no período compreendido entre 01.04.1997 à 25.09.1999, mantive sim vínculo empregatício com a Torre Empreendimentos Rural e Construção Ltda. Trabalhar ou deixar de trabalhar em Empresa privada influi em que na questão predominantemente técnica que está sendo abordada?;

 

b) Sobre o acondicionamento em envelopes do documento elaborado – No espaço reservado do remetente assim está escrito: “Lucrécio José Rocha de Souza – Engº Florestal e Especialista em Gestão Urbana e Ambiental – CREA-SE Nº 7.437 – e-mail: lucrecio@infonet.com.br.  Não coloquei o meu endereço, prezado para preservar um pouco a intimidade da família. No entanto, diante dos custos para mim significativos de reprodução e envio do material, agradeço de coração a todos que queiram contribuir com doação de papel A4, cartucho de tinta HP,correio, etc. Por outro lado estou de espírito armado e muito bem posicionado para enfrentar todos aqueles que quiserem interferir direta e/ou indiretamente no meu legítimo direito de cidadão em emitir opiniões.

 

c) Sobre ser pesquisador e não ser isento – Na questão de ser pesquisador, agradeço a qualificação mais nem em sonho assim me considero – seria muita pretensão. No que diz respeito à não ter isenção quem questionou está completamente correto: ninguém, neste momento, deve ficar em “cima do muro”. Como se diz no popular “eu tenho lado”, e quem quiser conhecê-lo é só ler o documento produzido.

 

d) Sobre a inabilidade técnica para emitir opinião sobre o assunto – Incrível! Eu não sabia que para somar, diminuir, dividir, multiplicar e aplicar um pouquinho de porcentagem, seria necessário o aval do CREA. Mas, por via das dúvidas, estou remetendo preliminarmente ao Jornalista Cláudio Nunes os seguintes documentos: ART Nº 337706 vinculada à ART Nº 337704 – CREA/BA – trata-se de um contrato envolvendo Pré-operação do Aterro Sanitário de Ponta do Ferrolho (São Francisco do Conde-BA) envolvendo: disposição de resíduo sólido domiciliar na célula; disposição de entulho em área específica; recepção e tratamento de podas; e relatório consolidado da pré-operação do Aterro. Ano:1998; ART Nº 24100000074370000124 – CREA-SE – trata-se de Levantamento Topográfico da Área Rural para futura instalação de um Aterro Controlado de Resíduos Sólidos Urbano no Município de Aquidabã-SE. Ano: 2002; – ART Nº 241000000743700000324 vinculada à ART 227932 – trata-se de um Projeto de Remediação do Lixão a Céu Aberto localizado na zona rural do Município de Aquidabã-SE. Ano:2004;    ART Nº 241000000743700000424 vinculada à ART Nº 4380 – trata-se da Elaboração de Projeto Básico de Limpeza Urbana da cidade de Rosário do Catete-SE e do Povoado Siririzinho. Ano:2005 e Cópia do Diploma e Grade Curricular do Curso de Especialização em Gestão Urbana e Ambiental – UNIT.

 

Finalizando, agradeço a oportunidade e expresso aqui o meu sentimento: “se forem estes todo o questionamento a se colocar em cima do documento sobre licitações em Sergipe de minha autoria, sentir-me-ei ENORMEMENTE FRUSTADO E DECEPCIONADO”. Lucrécio Rocha.

 

Não é a primeira vez

Não é a primeira vez que o jornalista Cícero Mendes joga “pedra” neste espaço. No afã de defender a prefeita de Laranjeiras, Yone Sobral, ele mandou um e-mail criticado este jornalista por publicar uma notícia mentirosa sobre a mensagem da prefeita em algumas rádios, com propaganda pessoal.  Mas o áudio publicado neste espaço mostrou a verdade e ele ficou calado. Por coincidência uma das licitações questionadas no relatório do engenheiro Lucrécio é a de Laranjeiras, cujo jornalista Cícero é assessor. Mas é pura coincidência, ele não está defendendo nenhuma empresa…

 

Aguardem mais informações

E não adianta qualquer tipo de intimidação, o espaço continuará mostrando os “erros” em alguns editais para o lixo em Sergipe. Este jornalista já sabia que escrever sobre o lixo causaria alguns “problemas”, mas este espaço não fechar os olhos e alguns promotores, com certeza, também. Para desespero de muitos…

 

Ainda sobre lixo

A direção de uma grande empresa gosta de falar nos bastidores que mais de 90% dos meios de comunicação não vão entrar no debate sobre o lixo em Sergipe, por uma simples razão: estão todos “amarrados” com a empresa. É mole? Ainda bem que sobrou um pequeno percentual que não tem medo da verdade e vai fazer o lixo feder muito mais…

 

Cargas pesadas

Importante a reunião que o secretário da Infraestrutura, Valmor Babosa, fará hoje, 27,com representantes das fábricas de cimento e órgãos responsáveis pelo trânsito. Um leitor, através de e-mail, já tinha alertado neste espaço que o trafego de veículos pesados estava prejudicando o asfalto da rodovia que é nova. Se nada for feito em pouco tempo a rodovia estará com sérios problemas.

 

Carros circulando na areia da praia

Alguns motoristas irresponsáveis voltaram a circular com seus veículos nas areias da praia da rodovia Sarney. Ontem vários veículos estavam nas areias da praia no final da Aruana e logo após o Mãe Gorda. Cadê a fiscalização da SMTT e do Detran?

 

Filiação de Nilson Lima ao PPS I

Vários articulistas escreveram sobre a filiação de Nilson Lima ao PPS. Dois artigos merecem atenção. O primeiro foi de Ivan Valença, no JC de domingo. Um trecho: “…Nesta história toda, onde entra Nilson Lima? Em lugar nenhum. Talvez num terceiro lugar na disputa, se o senador Almeida Lima não entrar nela. O problema é que a cadeira de governador, para ser conquistada, precisa que o querelante tenha PhD em política. Até agora, Nilson Lima tem sido tão ingênuo a ponto de dizer que é candidato ao governo e oferece as cadeiras de senador a João Alves e a Albano Franco. Ora, todo mundo sabe que o guru Albano Franco é formado na Sorbonne em política e nem por isso ainda se declarou com o propósito de pôr o seu time em campo na disputa pelo Senado. Sabe que não é fácil. E dr. Albano só entra em disputa para ganhar. Essa história de perder não é com ele. Que Nilson consiga arregimentar muitos partidos pequenos para a sua campanha. O difícil vai ser tornar viável esta candidatura, a ponto de ameaçar os dois grandes”.

 

Filiação de Nilson Lima ao PPS II

Outro artigo foi escrito pelo jornalista Gilvan Manoel, editor geral do Jornal do Dia. Algumas partes, do artigo “Um factóide chamado Nilson Lima”: “…Nilson Lima não tem densidade eleitoral própria e precisa se agarra a todas as forças possíveis para viabilizar seu projeto político. E bem diferente do que fez em 2006 o seu ex-patrão Marcelo Déda, que formou uma ampla frente de partidos e lideranças políticas para derrotar as forças conservadoras que controlavam a política sergipana desde a ditadura militar, no início da década de 60. Déda soube construir, ao longo de toda a sua vida política, uma trajetória ética e vitoriosa, que permitia liderar este projeto. Nilson Lima saiu do pleito de 2006 com pouco mais de 3º mil votos, como segundo suplente de deputado federal…”

 

Filiação de Nilson Lima ao PPS III

Continua Gilvan:”…Individualmente, a força eleitoral de Nilson Lima é nula, mesmo que venha a conseguir concretizar a frente de pequenos partidos e comandar a campanha de Serra (PSDB), no Estado, como prometeu Roberto Freire. Só tornará competitiva a sua candidatura a governador caso consiga se transformar em candidato único da oposição, incluindo aí o DEM, do ex-governador João Alves. Para isso, teria que convencer João a renunciar ao projeto de tentar comandar o Estado pela quarta vez e atropelar outras lideranças do partido, a exemplo do mesmo Machado, com quem almoçou na casa de Albano, que projeta para si a candidatura a governador em caso de desistência de João. Nesse momento, a festa de Nilson Lima é mais um factóide da política sergipana”.

 

Yokan: terceiro lugar no mundial de karatê

Foi realizado no último final de semana, em Atenas na Grécia, o X Campeonato Mundial da escola de Karatê Shotokan Internacional. A delegação brasileira foi composta de 15 atletas. Na modalidade Kumitê, Yoacan, ficou em terceiro lugar por equipe. O atleta chega a Aracaju, amanhã, 28, às 16h45. Yoacan é patrocinado pela empresa Progresso e contou com o apoio da SEEL para a viagem.

 

Congresso da USES será em Umbaúba I

A Comissão organizadora do XXIII Congresso da USES deliberou que realizará nós dias 29 e 30 de Agosto na Cidade de Umbaúba região sul do Estado de Sergipe. Segundo o presidente da entidade o estudante Aby Custódio esse será, se não o mais importante, um dos maiores congressos da historia do Movimento Estudantil Secundarista, pois a entidade completará os seus 60 anos de muitas histórias e lutas em beneficio dos estudantes e de melhoria na Educação pública. “Construiremos esse congresso com toda a determinação necessária para atrair o maior numero de estudantes possível para juntos discutirmos as proposta da entidade para uma nova escola, um novo modelo de educação”, disse.

 

Congresso da USES será em Umbaúba II

 Aby explicou que no CONEEB (Conselho Estadual de Entidades de Base) que foi realizado na semana passada deixou apenas a pendência dos dias e da cidade que seria cede do Congresso. “A tiragem dos delegados iniciou nesta segunda feira 20/07 e irá até o próximo dia 24/08 e a data que melhor se adaptou devido ao atraso no calendário escolar da rede pública estadual foi nos dias 29 e 30 de agosto, e o Município de Umbaúba foi o que melhor se adaptou a realidade do nosso Congresso. Tivemos todo o apoio do professor Anderson Prefeito da Cidade que já participou do Movimento Estudantil e que segundo o prefeito é de muita importância a ida do Congresso a minha Cidade”.

 

Marcelo Sena ministrará oficina no Studium Danças

Objetivando dinamizar ainda mais as suas atividades e oportunizar a diversificação de qualificações para os seus alunos, o Studium Danças trará, a Aracaju, o bailarino, coreógrafo, músico e jornalista Marcelo Sena, para ministrar uma oficina de dança entre os dias 31 de julho e 02 de agosto. Direcionada a pessoas já iniciadas em dança, a oficina buscará levar o bailarino a conhecer mais intimamente a sua relação com os seus ossos e articulações, considerados como geradores primordiais do movimento, e relacionar esses estímulos com noções mais específicas, vinculadas às técnicas de dança. Para melhor direcionar as aulas, a oficina será ministrada para alunos em dois graus de aprendizado, em turmas diferenciadas. Mais informações podem ser obtidas no Studium Danças (Av. Anísio Azevedo, n. 80) ou através do telefone 3214-3209.

 

DO LEITOR

 

Luto: Diploma de jornalista

Por João Marco Matos Camilo:  “Estou de luto. No dia 17 de junho de 2009, veio a falecer um personagem que habitou entre nós nos últimos 40 anos. Sim, ele faleceu. O diploma desse curso escolhido por mim há seis meses, não existe mais. Ele foi assassinado por 8 cidadãos que afirmam: “o diploma de jornalismo fere a liberdade de expressão, um direito garantido pela constituição”. Um tal de Gilmar Mendes chegou até a dizer que “a formação em jornalismo é importante para o preparo técnico dos profissionais e deve continuar nos moldes de cursos como o de culinária, moda ou costura, nos quais o diploma não é requisito básico para o exercício da profissão”.  É REVOLTANTE. Dizer que qualquer pessoa que tenha “intimidade com a palavra” pode ser jornalista? Ahh me poupe né! Todos têm o direito de se expressar. O diploma não fere a liberdade de expressão, pelo contrário, ele proporciona qualidade e técnica à essa expressão. Qualquer um agora pode ser jornalista, oh que engraçado. E aqueles que ficam 4 anos numa universidade, aprendendo os procedimentos éticos, os métodos lícitos, como editar, como reportar, como fazer uma pauta, como ESCREVER DIREITO, ESCREVER JORNALISTICAMENTE, como é que esses ficam? Ficam disputando com os outros que têm “olho clínico” e “intimidade com a palavra”? Deve ser “um pouco” frustrante tanto para quem está saindo do curso, para quem está entrando, como para quem está no meio dele, saber que quando ele receber o “valioso” diploma, ele não valerá de nada. Qualquer profissão exige o mínimo de qualificação, e não deveria ser diferente para o jornalismo. A faculdade não é o fim, é simplesmente o início de toda uma caminhada que necessita, sem dúvida, do dia-a-dia e de um aprendizado constante. Quem perde? Nós (estudantes) e todos os outros amantes dessa profissão que amedronta tanta gente.Além, é claro, da qualidade da informação. É o preço que se paga por ser o 4° poder”. João Marco Matos Camilo – 2º período/Jornalismo-Unit.

 

Sobre a Infraero

E-mail recebido: “A respeito do artigo “MPF tem que enquadrar Infraero”, gostaria de chamar a atenção pra mais um assunto que o MPF deveria “enquadrar a infraero”. Na avenida Heráclito Rollemberg, aquela que passa em frente ao Conj. Augusto Franco, pode se ver um absurdo indescritível – um POSTO DE GASOLINA bem no terreno do aeroporto, desafiando todas as normas existentes de segurança aeronáutica. Gostaria muitíssimo de saber como foi possível que a Infraero permitisse a construção daquele absurdo”.

 

Ainda sobre a Infraero  

Comentário de Lúcio P. Dias:  “ A sociedade sergipana, a imprensa, o Ministério Público, todos têm que se posicionar de imediato a respeito da atitude insana da Infraero com respeito à questão dos táxis que operam no aeroporto. Essa atitude agride o cidadão, prejudica o turista, afronta o poder municipal e discrimina os taxistas que não fazem parte de uma tal cooperativa, que serve (e muito mal) à população, que ainda é explorada com preços exorbitantes. A crise afeta a todos mas particularmente assusta os turistas, causando uma péssima impressão da cidade. A SMTT está corretíssima no seu posicionamento, totalmente sintonizada com os interesses da população. Muitas pessoas que desembarcam em Aracaju passam pelo constrangimento de ficar refém desta cooperativa, que não tem condições de, sozinha, dar um atendimento com eficiência e qualidade. A Infraero, na questão, só defende os seus  interesses, os do estacionamento privado e os  da dita cooperativa; o povo, que se lixe”.

 

Emdagro

Comentário de Carlos: “Pior foi na EMDAGRO, com o mesmo gestor da COHIDRO. Também teve alguns privilegiados. Paga-se como horas extras. Teve uma funcionária que tinha um faturamento mensal médio de R$ 27.000,00. Viagens para Foz do Iguaçu com a responsável pela área de informática com passeios no Paraguai e São Paulo. Isto é facil de comprovar basta ver as fichas financeiras dos funcionários. Foi uma verdadeira orgia com recursos públicos. Cade o Tribunal de Contas? a PGE?”.

 

Comédia-pastelão em Itabaiana

Comentário de Lucivaldo Andrade: “O inchaço da máquina administrativa da Prefeitura Municipal de Itabaiana de funcionários sem concurso público provocada pelo triunvirato de secretários o famosíssimo “trio gastura “  beira ao ridículo que mais parecem comédia-pastelão.  Segundo uma representante do Sintese que há repartições com tantos funcionários sem ter o que fazer que eles mais parecem baratas quando esborrifa o Detefon.  Pastelão é um gênero de comédia em que predominam cenas de tropelias, explorando-se motivos de riso fácil e de gosto discutível, implicando, muitas vezes, grande parte de violência física. Suas maiores representações atuais se encontram atualmente nos desenhos animados e nos filmes cômicos de argumento simples, normalmente direcionados ao público jovem. Apesar de o termo ser muito usado pejorativamente, a interpretação da comédia-pastelão – baseada em sincronismo e cálculo de execução delicados: ação do personagem e risada do público – é considerada uma das tarefas mais difíceis que um ator pode enfrentar.ão exemplos consagrados do humor “Pastelão”: Charles Chaplin, “O Gordo e o Magro” e “Os Três Patetas”. No Brasil, “Os Trapalhões” foi o principal grupo a representar o humor pastelão.        Devido a essa trapalheira administrativa do Príncipe Dom Lúcio da Jegolândia fechar os olhos para o seu secretariado em deixar nomear  “”a la vonter ” funcionários  que possivelmente ele vai ser o provocador de regozijos hilariantes, mais conhecida como a famosíssima gaitada da oposição quando nos cofres da prefeitura estiver sem condições de honrar compromissos e atrasar salários do servidor municipal”.

 

Cansei de não fazer nada

Do leitor Dinho Santana: “É a campanha que circula na internet da Ordem dos Advogados do Brasil secção de São Paulo, conclamando a população a sair da letargia de nada fazer e que no dia 17 de agosto às 13h00minh, faça um minuto de silêncio por tudo que vem ocorrendo no país: “Cansei – de gente que só quer levar vantagem. Cansei? do governo paralelo dos traficantes. Cansei? de pagar tantos impostos. Cansei? de impunidade. Cansei? de tanta burocracia. Cansei? de caos aéreo. Cansei? de CPIs que não dão em nada. Cansei? de crianças nas ruas e não nas escolas. Cansei ? de presidiários falando no celular. Cansei? de ver traficante fechando o comércio. Cansei? de empresários corruptores. Cansei? de ter medo de parar no sinal. Cansei? de bala perdida. Canse ? de tanta corrupção. Cansei? de achar tudo isso normal. Cansei? de não fazer nada. Se você se cansou d e tudo isso; mostre sua indignação; pelo Brasil, faça 1 minuto de silêncio; dia 17 de agosto às 13h00h. Façamos pelo menos um minuto de silêncio proposto; para que saiamos dos grilhões da cultural escravidão e subseqüente ditadura. Mudar só depende de nós… Que venha o VOTO FACULTATIVO!”

 

Participe ou indique este blog para um amigo:

claudionunes@infonet.com.br

 

Frase do Dia

“Em primeiro lugar, não há pena de morte para crime nenhum no Brasil. Mas, para tráfico de influência, a pena é a perda do mandato.” Cezar Britto, presidente da OAB, sobre Lula, para quem “uma coisa é matar, outra coisa é o lobby”, em defesa de José Sarney ter usado o cargo para empregar o namorado da neta no Senado. Frase publicada na FSP, de ontem, 26.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários