Musiqualidade

0

R E S E N H A     1

Cantora: MARIA BETHÂNIA
CDs: “CARTA DE AMOR – ATO 1 e ATO 2”
Gravadora: BISCOITO FINO

A baiana Maria Bethânia vem se mostrando incansável nos últimos anos, principalmente desde que aportou na gravadora Biscoito Fino. Intérprete moldada nos palcos da vida, ela vem lançando alternadamente discos gravados em estúdio com registros ao vivo de shows derivados desses trabalhos.
O mais recente CD da estrela , “Oásis de Bethânia”, lançado no ano passado, deu origem quase que imediatamente ao espetáculo “Carta de Amor”, o qual percorreu o Brasil até muito recentemente e, devidamente filmado, transformou-se em mais um DVD da carreira de Bethânia e também em dois CDs, os quais estão sendo comercializados separadamente com os subtítulos de “Ato 1” e “Ato 2”.
Desde  1983 com o álbum “Ciclo”, considerado como uma ruptura em sua carreira,  Bethânia vem trabalhando ao lado do maestro Jaime Alem. Ele sempre entendeu muito bem o que ela queria musicalmente falando e por isso se transformou em surpresa o fato de, no último show, ela ter resolvido convidar o mineiro Wagner Tiso (mais associado à obra de Milton Nascimento) para conduzir os arranjos. No entanto, pode-se constatar que, na prática, o pulso firme de Bethânia prevaleceu e, de fato, são poucos os momentos em que Tiso ganha a linha de frente (como no medley instrumental que une “Cais” e “Maria Maria”).
Em meio às canções de seu óasis, com uma visceralidade cênica única e em plena forma vocal, Bethânia explicita seu amor à música (em “Canções e Momentos” e “Sangrando”), resgata temas que se tornaram antológicos em sua voz (em “Negue”, “Fera Ferida” e “Festa”), se entrega às dores de amores (em “Fogueira”, “Escândalo” e “Mensagem”), mergulha, como já de costume, no terreno ruralista (em “Adeus Guacyra”, “A Nossa Casa” e “Marambaia”) e resgata temas criados pelo irmão Caetano Veloso (“Não Enche”) e por Chico Buarque (“O Velho Francisco”). Dona de si, ela entoa a capella o grande sucesso “Explode Coração” e se permite incluir no roteiro duas ótimas canções inéditas em sua voz: “Estado de Poesia” (de Chico César) e “Quem me Leva os meus Fantasmas” (de Pedro Abrunhosa). Ótimos momentos ficam por conta de “Na Primeira Manhã”, “Calúnia”, “Barulho”, “A Casa É Sua” e “Minha Casa”. Massa!

R E S E N H A     2

Cantora: ZÉLIA DUNCAN
DVD: “TOTATIANDO”
Gravadora: WARNER

A carioca Zélia Duncan é, sem sombra de dúvida, uma das grandes vozes femininas no nosso cancioneiro atual. Dona de belo timbre grave, ela sabe adequar-se às mais diversas vertentes musicais e pula com destreza do pop rock para a MPB mais tradicional, percorrendo com igual desenvoltura o samba, o reggae e até ritmos ligados à seara nordestina.
Cada vez mais próxima da perfeição artística, em 2011 ela resolveu se arriscar no espetáculo “Totatiando” que, misturando música com interpretação, trazia a lume quinze temas de autoria do compositor paulista Luiz Tatit, um dos fundadores do grupo Rumo, e mais a canção “Falta Alguma Coisa” (de Zé Carlos Ribeiro), além do texto “Quando Eu Morrer Quero Ficar” (de Mário de Andrade).
Tatit não é um criador convencional: pelo contrário, grande parte de suas canções pode até causar certa estranheza inicial, embora surjam elas recheadas de tiradas bem interessantes. Melodicamente, ele é adepto do canto falado e, até por isso, sua obra não é fácil de ser visitada. Mais um ponto, então, para a ousada e corajosa Zélia que, acompanhada somente por dois músicos em cena (o tecladista Tércio Guimarães e o guitarrista Webster Santos), deu vida a essas canções com uma desenvoltura invejável.
Com direção geral da atriz Regina Braga e gravado em setembro do ano passado no Teatro TUCA, em São Paulo, o registro ao vivo de uma das apresentações chegou recentemente às lojas e realmente vale a pena ser conhecido.
Entre os melhores momentos de um repertório irrepreensível estão as canções “O Meio”, “Haicai”, “Dodói” (parceria com Itamar Assumpção), “Eu Sou Eu”, “Rodopio” e “Essa É Pra Acabar”. 
Fora do comum e acima da média, trata-se de um produto imperdível!

N O V I D A D E S

* Há alguns anos, o compositor Carlinhos Vergueiro vem conciliando o lado autoral com o de intérprete. E para isso, em dois de seus mais recentes álbuns, prestou merecidas homenagens a Adoniran Barbosa e a Nelson Cavaquinho. Fechando essa trilogia voltada para o samba, ele acaba de pôr no mercado, através da gravadora Biscoito Fino, o CD “Carlinhos Vergueiro interpreta Paulo Poeta Compositor Cientista Boêmio Vanzolini” com o qual renova sua admiração pelo saudoso Paulo Vanzolini, este que viveu entre seus estudos e trabalhos como biólogo e sua paixão pela música. Poeta inato, Vanzolini levou São Paulo para o mundo através das letras de várias canções e criou tanto versos bem-humorados quanto outros recheados de melancolia. O recém-lançado disco é composto por dez faixas, duas delas criadas por Vanzolini com os parceiros Eduardo Gudin (“Mente”) e Toquinho (“Boca da Noite”), e foi produzido pelo próprio Vergueiro com a direção musical e os arranjos a cargo de Ítalo Peron. As duas obras-primas do homenageado, “Ronda” e “Volta Por Cima”, estão logicamente presentes no repertório que também reúne outros interessantes temas, a exemplo de “Toada de Luz”, “Maria que Ninguém Queria” e “Juízo Final”. Trata-se de um trabalho simples, mas cujo resultado soa bastante legal. Vergueiro está mandando bem com sua voz grave, sem grandes arroubos, porém totalmente afeta ao universo de Vanzolini. Vale a pena conhecer!

* Enquanto o cantor e compositor paulista Romulo Fróes se prepara para mixar as faixas que farão parte de seu quinto CD intitulado “Barulho Feio” (álbum que trará novas parcerias do artista com Nuno Ramos, um de seus mais constantes colaboradores), a cantora Paula Toller se encontra em estúdio carioca gravando as canções que integrarão o repertório de seu quarto álbum solo, o qual conta com a produção do competente e experiente Liminha. Ambos os discos serão lançados no primeiro semestre de 2014.

* O pianista João Carlos Assis Brasil ratifica sua genialidade no CD “Nazareth Revisitado” em que, através de oito faixas, traz a lume treze criações de Ernesto Nazareth e mais a autoral “Para Nazareth”, composta especialmente para o projeto. Exímio na arte de dominar as teclas, Assis ainda conta com as presenças especialíssimas de Alaíde Costa (em “Sertaneja”, parceria de Nazareth com Catulo da Paixão Cearense) e de Carlos Navas (em “Bambino”, de Nazareth e Zé Miguel Wisnik, e “Odeon”, de Nazareth e Vinicius de Moraes), os quais, com suas vozes iluminadas, contribuem para que o recém-lançado álbum soe sublime. Corra e ouça!

* Preta Gil lançará, no começo do próximo ano, o DVD “Bloco da Preta”, o qual trará registros colhidos durante apresentação recentemente realizada no Citibank Hall do Rio de Janeiro. Na oportunidade, a cantora contou com a presença de diversos convidados, entre os quais Anitta, Ivete Sangalo e Lulu Santos.

* A cantora e compositora Luciana Oliveira está pondo nas lojas, através da gravadora YB Music, “Pura”, o seu segundo CD, sucedendo ao aclamado “O Verde do Mar”, lançado em 2008. Nascida em Brasília, ela iniciou sua carreira musical cantando em um grupo de reggae, passando a integrar, em 2006, a banda Natiruts, acompanhando-a em turnês pelo Brasil e pela Europa. Vivendo em São Paulo desde 2009, Luciana tenta agora alcançar uma maior visibilidade para o seu trabalho. O novo álbum, produzido por Alê Siqueira, é um ótimo cartão postal, mostrando uma intérprete bastante interessante que, se não possui um timbre marcante, demonstra saber bem o que quer. Composto por dez faixas (seis autorais, duas divididas com parceiros), o projeto conta com as participações especiais de Elza Soares (em “Condicionada”, parceria de Luciana com Eduardo Brechó, o ponto maior do repertório) e de Mateus Aleluia (em “Retirantes”, de Dorival Caymmi e Jorge Amado, único tema não inédito presente). Outros bons momentos ficam por conta da faixa-título (do já citado Brechó), “Cio das Águas” (de Lucas Cirillo e Téo Garfunkel), “Samba em Pliet” e “Aroeira” (ambas criadas solitariamente por Luciana).

* A Spok Frevo Orquestra lançou recentemente “Nino de Vespa” (titulo de frevo composto por Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro), o segundo CD da sua já vitoriosa trajetória. Um lançamento bastante aguardado e que resultou muito legal!

* Com três CDs na bagagem, destaca-se na trajetória musical do cantor Léo Pinheiro o disco lançado em homenagem ao saudoso Arnaud Rodrigues. Este ficou mais conhecido através de suas incursões em humorísticos (ao lado de Chico Anysio formou, na década de setenta do século passado, o lendário e efêmero grupo Baiano e os Novos Caetanos) e telenovelas (quem não se lembra de sua interpretação como o cego Jeremias de “Roque Santeiro”?), mas o fato é que era um compositor talentoso que chegou a ser gravado por vários nomes do nosso cancioneiro. Léo, fá confesso do homenageado, terminou se tornando seu parceiro. Produzido pelo próprio artista ao lado de Márcio Guimarães, o CD é composto por onze faixas, nove delas criadas por Arnaud. As duas que complementam o repertório são a conhecida “Urubu Tá com Raiva do Boi” (de Geraldo Nunes e Venâncio) e a inédita “Simplesmente Natural” (composta por Léo ao lado de J. Bulhões, Dorivã e Juraildes da Cruz). Entre os melhores momentos estão as releituras de “Folia de Reis”, “Vô Batê Pá Tu” e “Índio do Uruguai”.

* “Modinhas” é o título do novo CD de Érika Martins, o qual foi produzido por Felipe Rodarte e já se encontra disponível. O eclético repertório abriga canções assinadas, entre outros, por Marcelo Jeneci, Sérgio Bittencourt, Botika e Heitor Villa-Lobos.

* Embora efetivamente gravado no ano passado (como, inclusive, se faz ressaltado em seu próprio título), o CD “Som na Sala 2012” chegou ao mercado há pouco tempo, apresentando uma dúzia de novas canções compostas pelo compositor e produtor musical recifense Vinicius Castro. O projeto consiste em uma parceria entre ele e o videomaker carioca Daniel Terra que filmou os doze vídeos correspondentes, todos gravados na sala de estar de Vinicius, os quais contaram com vários convidados para interpretar as músicas selecionadas. Entre eles estão Julia Bernat (sobrinha da cantora Ithamara Koorax e filha da atriz Soraya Ravenle) em “Sem Arestas”, Luiza Sales em “Linha do Tempo”, Daíra Saboia em “Canto d’Alma”, Aline Paes em “Canção de Amor” e Thiago Amud com Mateus Xavier em “Profecia”. Vale a pena conhecer!

* E o nosso blog Musiqualidade deseja a todos um Feliz Ano Novo! Que 2014 se faça pleno para que possamos realizar os nossos mais intensos desejos com saúde e paz ao lado das pessoas que mais amamos!

RUBENS LISBOA é compositor e cantor.
Apresenta o quadro "Musiqualidade" dentro do programa "Canta Brasil”, veiculado pela Aperipê FM todas as sextas-feiras, às 10 horas.
Quaisquer críticas e/ou sugestões a este blog serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários