Musiqualidade

0

R E S E N H A

Cantor: ANDRÉ ABUJAMRA
CD: “O HOMEM BRUXA”
Gravadora: INDEPENDENTE

Filho do saudoso e polivalente Antônio Abujamra (o eterno bruxo Ravengar da telenovela global “Que Rei Sou Eu?”, o qual arrebatou o Brasil, em 1989, com sua irretocável atuação), o cantor e compositor paulistano André Abujamra homenageia o pai na bela “Espelho do Tempo”, uma das dez faixas do recém-lançado CD “O Homem Bruxa”, o quarto título de sua discografia solo, uma produção independente por ele próprio capitaneada.
André, um ex-cantor de ópera que cursou regência na FAAM de SP, sempre gostou de misturar o que aprendeu na universidade com os cantos dos terreiros de candomblé e com guitarras distorcidas. Isso pode ser facilmente constatado através das diversas trilhas que criou para cinema, TV e teatro. Ele (que também é ator – um de seus mais recentes trabalhos foi no remake de “Saramandaia”, levada ao ar em 2013), na década de oitenta do século passado, junto com o músico e compositor Maurício Pereira, criou o cultuado duo Os Mulheres Negras, além de ter sido ainda o fundador da banda Karnak, a qual marcou época com sua proposta original e provocadora.
Majoritariamente autoral (a exceção é a regravação de “3 Homens, 3 Celulares”, do já citado Maurício Pereira), o disco também homenageia a genitora de André na delicada canção “Mãe Cazu” (composta em parceria com Andréa dos Santos). Gravado no primeiro trimestre deste ano sob a direção musical do próprio artista, o álbum concilia acentos árabes, cubanos, indianos, nordestinos e paulistanos. Nessa bem condimentada mistura, o multi-instrumentista André (ele toca piano, baixo, guitarra, sax, trompete, flauta, percussão e bateria) exalta a beleza de coisas onde geralmente não se vê (na faixa-título), destaca que os menos afortunados também amam (em “Mendigo”) e brinca, falando sério, com seu meio século de vida (em “50”).
A verve criativa e bem-humorada de brincar com as palavras, seus sons e significados, uma característica sua, faz-se presente em “Ovô”, transformando-a em um dos melhores momentos do repertório que também traz como destaque a amorosa “Rio Quente”, comprovando que o artista se sai muito bem nessa área, conforme já se pôde constatar anteriormente quando, em 2004, no disco “O Infinito de Pé”, lançou a obra-prima “Elevador”. Recheado de programações e samplers, o disco conta também com a atual “Segredos da Levitação” (em que se depara com uma pomposa locução feita por Edinho Moreno) e com a lisérgica “Magia do Vento” (na qual André assume, certeiro, que vive de inventar).
Projeto de certa forma mais palatável dentro de sua obra, o CD recém-lançado tem muita bala na agulha e pode, se bem trabalhado, vir a aumentar consideravelmente o público de um artista talentoso que merece ser mais conhecido e valorizado. Corra e ouça!

N O V I D A D E S

* Para quem gosta de apreciar uma boa peça teatral, a Secult/SE estará realizando de 25 de agosto a 13 de setembro o Festival de Artes Cênicas. E nos dias 28 e 29 deste mês (sexta-feira e sábado próximos) será a Companhia Quiprocó de Minas Gerais que estará se apresentando, a partir das 21 horas, no palco do Teatro Atheneu. Formado por sete atores, o premiado grupo trará a comédia romântico-musical “Três Flores”, cujo roteiro se faz baseado em dezessete canções do compositor e cantor sergipano Rubens Lisboa. Unindo, ao bom estilo dos cordéis, todos os elementos básicos da literatura clássica e dos romances medievais perpetuados pelos menestréis, com notórias influências das sagas de Dom Quixote e de Cyrano de Bergerac, das comédias de Martins Pena e Ariano Suassuna, o texto narra, com simplicidade e desenvoltura, as desventuras de Dom Asdrúbal, o cavaleiro andante, e seu minúsculo séquito (Genivaldo, o errante e seu menestrel cantante) quando estes chegam à encruzilhada localizada entre a Estância “Felicidade” de dona Rosa, a Fazenda “Fim do Mundo” da senhora Margarida e o Sítio das “Promessas” da senhorita Dália, durante a eterna busca pelo encontro de um amor para o nobre cavaleiro. A entrada é franca. Imperdível!

* “Hermanos” é o título do primeiro single, já em rotação, do CD gravado em conjunto pelo cantor e compositor argentino Fito Paez com o cantor e compositor carioca Moska. De sonoridade pop, o álbum, um lançamento da gravadora Sony Music, foi produzido por Liminha e conta com a interação entre as bandas dos dois artistas. Chegará ao mercado em setembro.

* “Ao Vivo no Theatro da Paz” é o título do projeto musical (disponível nos formatos CD e DVD) que a cantora e compositora Liah Soares, um dos destaques da primeira edição do programa “The Voice Brasil”, exibido pela Rede Globo em 2012, está pondo no mercado. Trata-se de um lançamento independente, gravado durante apresentação realizada em outubro do ano passado em Belém (PA), que mostra uma intérprete correta (ela é afinada e possui ótimo alcance vocal), mas que precisa ainda se desvencilhar de influências que lhe são marcantes, como a cantora Sandy. Há dois registros de “O Som É o Sol” (uma em versão remix), ponto alto de um repertório que também se volta para releituras de “Tempo Perdido” (de Renato Russo), “Asa Branca” (de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira) e “El Guion” (de Antonio Villeroy, Bebeto Alves e Don Grusin), estas duas últimas constantes apenas do DVD. Há as participações especiais de Ivete Sangalo (em “Beijo de Hortelã”, canção de autoria de Liah já gravada anteriormente pela esfuziante cantora baiana), do gaitista brasiliense Gabriel Grossi (no medley que reúne “Todos os Cantos” e “E Não Vou Mais Deixar Você tão Só”), de Luciano Pereyra (em “Gaia”) e do compositor paraense Pinduca (no pot-pourri de carimbós que contempla “Carimbop”, “Sinhá Pureza” e “Carimbó do Macaco”).

* Acabou de chegar ao mercado, através do selo Bolacha, “Longe”, o quarto CD do tecladista Humberto Barros. Composto por treze faixas autorais, doze delas criadas solitariamente (a exceção é “Ultrapassar os Tempos”, feita em parceria com Helena Oliveira), o álbum conta com a participação do duo baiano Dois em Um (formado por Fernanda Monteiro no violoncelo e Luisão Pereira na guitarra) na canção “Ana Paula”.

* Efetivamente lançado no ano passado, ganha maior projeção este ano o ótimo primeiro CD do grupo baiano “As Ganhadeiras de Itapuã”, produzido pelo competente Alê Siqueira, e isso muito por ter sido o vencedor, em junho próximo passado, da 26ª Edição do Prêmio da Música Brasileira na Categoria Regional. O álbum eterniza o trabalho do grupo (atualmente formado por dezenove senhoras, além de jovens, crianças e músicos) que se apresenta com um repertório de cantigas, sambas-de-roda e performances teatrais e tem por objetivo o resgate cultural do melhor das tradições africana, indígena e portuguesa. Há as participações especiais de Margareth Menezes (em “Festa na Aldeia”, de Amadeu Alves e Reginaldo Souza) e Mariene de Castro (em “Rainha do Mar”, de Dorival Caymmi). Entre os melhores momentos estão as faixas “Maré Mansa” (de Jenner Salgado), “História das Ganhadeiras” (de Amadeu Alves) e “Lição de Vida” (de Reginaldo Souza), além da apropriada releitura do hit “Conto de Areia” (de Romildo e Toninho Nascimento), canção eternizada pelo canto límpido da saudosa Clara Nunes. De fato, super recomendado!

* Intitula-se “Premonições” o novo CD do cantor e compositor pernambucano (que reside há anos no Rio de Janeiro) Fred Falcão. Com a produção assinada pelo pianista Cristóvão Bastos, responsável também pelos arranjos, o álbum conta com a participação intensiva da cantora Clarisse Grova que dá voz a onze das dezessete canções do disco, dezesseis delas inéditas (a exceção é “Maria Aninha”, gravada por Beth Carvalho em 1969). Claudio Nucci é o outro convidado especial.

* “Troco Likes” é o título do quarto CD do cantor e compositor brasiliense Tiago Iorc, o primeiro em que ele se dedica a um repertório cantado em português, o qual ora aporta no mercado em edição do selo Slap distribuída pela gravadora Som Livre. Produzido pelo próprio artista ao lado de Alexandre Castilho, o álbum, já disponível nas melhores lojas, se faz composto por dez faixas, nove delas autorais (a exceção é a interessante “Bossa”, de Duca Leindecker). Há, ao final, no entanto, como bônus, um tema autoral composto e cantado em inglês (“Till I’m Old and Gray”, no qual o artista se acompanha ao violão, único instrumento utilizado na faixa). Das nove canções compostas por Tiago, três foram feitas em parceria: “Alexandria” (com Humberto Gessinger), “Mil Razões” (com Dani Black) e “Coisa Linda” (com Lei Fressato), todas com refrões bem fáceis de serem assimilados. Com sonoridade pop, o álbum se mostra muito legal. O artista canta bem e domina com tranquilidade a linguagem da música atual. E se há bem-vindos metais na já citada “Mil Razões”, um bem costurado naipe de cordas composto por violinos, viola e cello surge em “Cataflor” e “Liberdade ou Solidão”. Alguns dos destaques do repertório ficam por conta de “Eu Errei”, “De Todas as Coisas” e “Sol que Faltava”.

* Bastante elogiada pelo conterrâneo Chico César, a cantora e compositora paraibana Val Donato está lançando “Café Amargo”, o seu primeiro e independente álbum. O repertório inédito e autoral contempla doze faixas, as quais se alternam entre hard rocks e power baladas. Há a participação especial do cantor e compositor carioca Leoni.

* Saiu a lista dos quinze compositores selecionados para a mostra Sergipana de Música – Sescanção. São eles: Alysson Cristian Rocha Souza, Robson Lira Barros, Camilla Teixeira Campos, Dami Dória Narayana Duarte, David Felipe Pinheiro Gonçalves, Édson João da Silva, Ariane Trindade de Almeida Passos, Evanilson Vieira da Silva, José Carlos Santana de Oliveira, Emerson Ferreira da Costa, Marcus Vinicius Correa, André Ricardo Silva Lima, Ricardo Vieira da Costa, Augusto César Nabuco de Araújo Faro e Paulo Roberto da Silva. Cada um deles apresentará duas músicas nesse importante evento que se realizará nos dias 30 e 31 de outubro, às 19h30min, no Teatro Atheneu. Haverá também a participação de artistas que fizeram a história do Sescanção, a exemplo de Kleber Melo, Sena, Sergival, Celda Fontes, Alex Sant’anna, Tonho Baixinho e Tânia Maria e ainda uma mais que merecida homenagem à cantora Amorosa. Dentre as trinta canções escolhidas, destacam-se sete interessantes temas instrumentais.

* No próximo mês, será lançado o novo CD de Roberta Sá, mas algumas informações sobre o mesmo já se tornam conhecidas, dentre elas as participações especiais de Chico Buarque, do violoncelista Jaques Morelenbaum e do cantor português António Zambujo. O repertório contará com músicas de autoria de Adriana Calcanhotto, Arnaldo Antunes, Ataulfo Alves, Baden Powell, Martinho da Vila e Xande de Pilares. Quem viver ouvirá!

RUBENS LISBOA é compositor e cantor.
Apresenta o programa "Musiqualidade", veiculado pela 104,9 Aperipê FM, todos os sábados das 13 às 15 horas.
Quaisquer críticas e/ou sugestões a este blog serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais