O silêncio das ruas e o grito das urnas: mudanças no BR e em SE

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

Os ventos que sopraram no domingo no Brasil e em Sergipe ainda foram sentidos na segunda-feira e continuarão nos próximos dias. Análises, tentativas de interpretações do comportamento do eleitor e buscar compreender se os erros dos institutos de pesquisa foram propositais ou metodológicos. Para muitas, o “day after” ao pleito foi de ressaca moral, insatisfação e, para os vencedores, comemoração. De um modo ou de outro, as urnas surpreenderam muita gente e mandou um duro recado para os incautos, mas também para os experientes.

Muita gente que dormiu eleito no sábado foi dormir angustiada na noite do domingo. Este fenômeno se estendeu a todo o Brasil e tirou medalhões em muitos estados. Por exemplo, Dilma Rousseff e Eduardo Suplicy eram tidos como eleitos nas primeiras posições para o Senado em Minas Gerais e São Paulo, respectivamente. E a lista não fica por aqui: o atual presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE) ficou na terceira posição em seu estado, o Ceará. O sempre líder de Governo Romero Jucá (MDB-RR), outro senador que foi reprovado pelas urnas.

Dois ex-governadores do Paraná não foram eleitos: Roberto Requião e Beto Richa. Outros ex-governadores ficaram de fora da lista dos eleitos: Cássio Cunha Lima, na Paraíba; Garibalde Alves, no Rio Grande do Norte; Marcone Perillo, no Goiás; Edison Lobão, no Maranhão. Nem o PT foi poupado desta onda renovadora. No Rio de Janeiro, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) não se reelegeu, e no Acre, o monopólio da família Viana foi quebrado com derrota de Jorge Viana e o seu candidato ao governo,  o petista Marcus Alexandre.

Embora isso signifique uma renovação na cena política brasileira, este efeito pode ter sido pela confluência de vários fatores: a antipolítica, que nivela por baixo todos os ocupantes de cargos eletivos; as consequências da operação lava-jato; a polarização politica que domina o Brasil atualmente e, finalmente, a presença das redes sociais e o empoderamento do cidadão no processo.

Em Sergipe, pegou muita gente de surpresa as eleições do delegado Alessandro Vieira (Rede) e Rogério Carvalho (PT) para o senado. Embora se respeite outras avaliações, o Blog entende que neste caso ficou cristalizado todo o processo de polarização e utilização das mídias como forma alternativa de comunicação direta com a população. Explica-se: Alessandro incorporou a figura do outsider, aquele que não é do meio político e portanto poderia combater o sistema. O delegado ainda pode ter sido beneficiado, ainda que de forma indireta, da bolsonorização da politica, sendo alçado a caçador de privilégios e de corruptos. Receita simples e eficiente que o tornou o candidato mais votado neste ano para o Senado. Rogério, pelo contrário, foi na direção oposta: se apegou na expressão “Senador de Lula”, denunciou quem participou do “golpe”, e entrou na onda vermelha com a candidatura de Haddad.

Excetuando-se os graves derrapes das pesquisas, a própria ida de Valadares Filho e Belivaldo Chagas tem um quê dos fenômenos descritos acima. Com uma diferença que ao final fez a diferença a favor do atual governador: o poder da máquina administrativa, a força da caneta e o poder de mobilização que polarizou as duas candidaturas.

Valadares Filho se alçou à candidatura ao Governo do Estado sem muito crédito. Muitos acreditaram que seria apenas blefe ou uma aventura. Sem apoio de prefeitos, sem estrutura de poder e pressionado pela presença de Eduardo Amorim que até então se comportava como postulante natural da oposição. VF desfiou as regras da política tradicional e, quando os seus concorrentes acordaram, o deputado estava consolidado como o principal nome em condições de disputar com o candidato do governo.

Por outro lado, Belivaldo Chagas nunca foi um politico de holofotes e desconhecido da maioria do eleitorado e isto pode ter passado a sensação para a maioria das pessoas que ele era um neófito na política. Negando o legado de seu antecessor, que segundo ele mesmo deixou a bagunça para ele resolver, Belivaldo de certa forma também era a antipolítica a quem o povo deseja para ser mais gestor e menos político. Sem contar que ele deliberadamente optou por colar sua candidatura com a de Fernando Haddad e se solidarizar a Dilma Roussef, quando denunciava em seus programas eleitorais de que Sergipe está no marasmo por conta da “turma de Temer.”

Pelo sim pelo não, o segundo turno é um duelo entre criador e criatura e que o vencedor seja aquele que haja com lealdade à verdade e quem apresentar mais propostas. E, sobretudo: que não lance mão de artifícios de golpe baixo como o uso da máquina administrava. Este truque pode ter a exata medida que fez a diferença entre o primeiro e o segundo colocado no primeiro turno.

Pesquisas eleitorais: blog sempre foi contra a divulgação Este espaço sempre foi contra a divulgação de pesquisas eleitorais. Elas deveriam servir apenas para consumo interno dos candidatos e nada mais. É lógico que tem institutos sérios, mas também tem alguns que existem apenas nas pastas dos seus donos. A culpa principal é dos parlamentares federais e da Justiça Eleitoral que não acaba com essa farra.

Zé Valter, do PSD, e Cabo Didi, do Rede, assumem na Câmara de Aracaju com as vitórias de Iran Barbosa e Kitty Lima para a Alese.

Dois novos vereadores na Câmara de Aracaju em 2019 E com a eleição do vereador Iran Barbosa, PT, e da vereadora Kitty Lima, Rede, para a Assembleia Legislativa, os primeiros suplentes dos dois, respectivamente José Valter Rodrigues dos Santos (Zé Valter), PSD, e Adriano Souza Santana (Cabo Didi), Rede, assumem as vagas na Câmara de Aracaju. Zé Valter obteve 2.041 votos e Cabo Didi, 1943.

Sergipano de Estância é eleito senador pelo estado do Tocantins Eduardo Gomes, SD, foi um dos senadores eleitos pelo estado do Tocantins no último domingo. Ele foi o mais votado com 248.358 votos. Eduardo Gomes nasceu em Estância e morou em Aracaju de 1975 a 1979. Antes de entrar para a política, ele atuou no Tocantins como empresário onde chegou em Palmas em 1989 no ano de fundação da cidade. Eduardo Gomes também já exerceu mandatos como vereador de Palmas entre 1997 e 2003 e como deputado federal entre 2003 e 2015.

Eduardo Amorim perde na terra de André Moura Ironia, displicência ou descumprimento de acordo. O certo é que nos municípios administrados pela família de André Moura, ou seja, Pirambu e Japaratuba, a votação de Eduardo Amorim foi inferior a de Belivaldo chagas. Em Pirambu, por exemplo, Belivaldo obteve 2.351 votos, enquanto Amorim somou 1.474 votos. Já em Japaratuba Belivaldo venceu com 4.725 votos e Eduardo amargou a segunda posição com minguados 2.406 votos.

Fortalecido Quem saiu fortalecido desta eleição foi o ex-deputado federal Sérgio Reis. Além de ser o grande articulador do irmão, o deputado federal reeleito, Fábio Reis,MDB, colocou debaixo dos braços a ex-secretaria de Ação Social de Tobias Barreto, Diná Almeida, com uma votação surpreendente de mais de 20 mil votos.

 Menor pode fazer o que quiser em Sergipe Após a interdição da Usip, todos os casos envolvendo menor, seja caso de roubo ou homicídio, a Justiça não tem o que fazer: é liberar. Ou seja, menor agora pode matar e fazer o que quiser em Sergipe que é solto.

Edvaldo Nogueira, André Moura e Rogério Carvalho Todo aquele jogo de cena, troca de elogios públicos, parceria administrativa que o aracajuano se acostumou a assistir entre o alcaide Edvaldo Nogueira e André Moura foi por água abaixo. A votação esperada por Moura não veio e o pior: ficou numa sexta posição entre seus concorrentes com aproximadamente 30 mil votos. Em compensação, Rogério Carvalho, o patinho feio da gestão comunista obteve mais de 50 mil votos na capital sergipana. Ou seja, alguém engabelou alguém aí. Esta votação não foi por acaso: fortalecer Moura seria criar um fortíssimo adversário sem seus próprios domínios e isto poderia ser prejudicial para Edvaldo compor a majoritária no longínquo 2022. Com Rogério é mais fácil compor. Se não der o governo o senado está de bom tamanho nas contas de Nogueira.

PELO ZAP DO BLOG CLÁUDIO NUNES – (79) 99890 2018

Malhada dos Bois: vereador presta BO acusando prefeito de agressão física O vereador do município de Malhada dos Bois, Thiago Aguiar moura, prestou Boletim de Ocorrência ontem, 08, contra o prefeito da cidade, Augusto César Dinizio. O vereador acusa o prefeito de agredi-lo em um bar da cidade na noite do domingo quando o parlamentar comemorava a vitória do candidato dele ao governo no município. Segundo o vereador, o prefeito chegou no bar questionando se ele estava num carro dando “cavalo de pau” em frente a casa dele e já partiu desferindo murros contra a cabeça e as costas. O vereador apresentou os nomes das testemunhas e mostrou as escoriações no pescoço e nas costas. Ele informou que chegou a ir ao Hospital Regional de Propriá.

A derrota de Jackson Barreto. Por Antônio Samarone: Jackson Barreto foi o rei do voto em Aracaju. A maior liderança do campo popular em Sergipe, nos últimos 40 anos. Em 1985, foi o prefeito mais votado do Brasil. A sua intimidade com o povo era assombrosa: cumprimentava os eleitores pelo nome e sabia detalhes das famílias de cada um. Quando visitava uma residência, dizia-se que levantava até as tampas das panelas. Jackson era daqueles líderes, que se apoiasse alguém, elegia até um poste. E elegeu! Todo o texto.

Impressionante a falta de preparo na educação básica atualmente De Luiz Brandi: “Eis que no dia das eleições, observei os mesários procurando os nomes dos eleitores desconhecendo totalmente a ordem alfabética rigorosa. Exemplo de nome: Manoel Vicente dos Santos….saiam procurando desde o primeiro Manoel, rebuscando página por página.Não sabem que Manoel Vicente vem bem depois de Manoel Amancio, ou de Manoel Barbosa…etc.”

PELO E-MAIL E FACEBOOK

Uma reflexão mais que necessária por Joseilton Nery Rocha

Que reflitamos bem sobre os destinos do país. As eleições daqui a dois dias. O domingo será decisivo. O segundo turno ainda mais. Qual o país que desejamos para a juventude, os nossos filhos e os nossos netos?

Temos várias opções. Isso não falta. São várias concepções de Estado, de modo de sistema político, de estrutura de governo, de participação popular ou não. De tratamentos distintos acerca da educação, da saúde, do desenvolvimento econômico. Das relações com outras nações. De Vera a Amoedo, passando por Boulos, Haddad, Ciro, Alckmin, Meirelles e até o cínico. Portanto, discordo de quem diz que não possui opção.

Triste mesmo é a possibilidade de um imenso retrocesso democrático. Fechamento de instituições representativas do povo. Cerceamento da liberdade de expressão. Opressão às minorias, em linguajar e versão neofascista. Ameaças são evidentes e efetivas. Vc quer isso para o Brasil?

Pense. Escolha. O futuro do nosso belo país, porém injusto e desigual, que merece inúmeros reparos, se encontra no voto de cada um de nós. Não vote por ódio e rancor. Vote firmado em uma convicção, em uma visão de mundo que admita as diferenças. Você poderá ser a próxima vítima, como em certas quadras dos anos 60 e 70.

Precisamos mesmo de um outro país. Com justiça e segurança social, redução das desigualdades, pleno emprego, desenvolvimento econômico e reafirmação da soberania. Com um governo democrático, popular, centrado na liberdade e que respeite todas as crenças.

Acredito.

PELO TWITTER

www.twitter.com/AndreiaSadi Segundo turno vai ser disputa de rejeições. Ambos com altos índices de rejeição.

www.twitter.com/Lgadvaju Tem que tomar uma atitude urgente acerca das pesquisas eleitorais realizadas em Sergipe.

‏ www.twitter.com/vieiramattoss Para o segundo turno, como vamos olhar os números de pesquisas, após tantos erros nas previsões? Acreditar? Porque?

www.twitter.com/frednavarro Antigamente, um adversário político era um adversário político. Hoje, virou “fascista”. Quando os verdadeiros fascistas surgirem, muitos vão achar que é o bicho-papão.

www.twitter.com/revinhogama As pessoas não fixavam os olhos naquilo que Jesus falava, mas naquilo que Ele fazia. Portanto, preocupe-se menos com o discurso e viva o evangelho com suas atitudes. As pessoas te conhecerão pelos frutos!

Siga Blog Cláudio Nunes:

Instragram

 Facebook

 Twitter

Frase do Dia
“Aprendi o silêncio com os faladores, a tolerância com os intolerantes, a bondade com os maldosos; e, por estranho que pareça, sou grato a esses professores.” Khalil Gibran.

Comentários