PM: Interferência X profissionalização

0

Este espaço entende que o papel da Polícia Militar, através do policiamento ostensivo e da polícia comunitária, é fundamental para a redução dos índices de violência no Estado. Este espaço avalia também que é importante que o diálogo entre o Governo do Estado e a PM seja franco e aberto, principalmente no que se refere as reivindicações da categoria. Uma delas, a da exigência de nível superior para ingressar na corporação, merece ser atendida de imediato. As outras precisam ser debatidas de forma transparente, sobretudo, mostrando os números das finanças governamentais.

 

A PM briga para uma isonomia salarial com a Polícia Civil. Nada mais do que justo, mas é preciso também acabar com uma prática que, infelizmente, beneficia muitos policiais militares: a prática da interferência política para que alguns mudem de regimento, peçam transferência para onde deseja e, o pior, até ficar a disposição de órgãos públicos na parte burocrática deixando de lado a finalidade de sua função. Este jornalista conhece policiais militares que há muito tempo (bota tempo nisso) não sabem o que é vestir a farda da PM e muito menos atuar na sua função. Infelizmente, este governo só ficou no discurso e, muitos policiais ainda estão a disposição de dezenas de órgãos públicos.

 

Essa analise, pode não aceita por alguns policiais militares, mas muitos sabem que existe este diferencial que prejudica toda corporação. Na Polícia Civil, por exemplo, o advento do delegado de carreira, diminuiu em muito a interferência política. E, justiça seja feita, neste governo, aqueles políticos acostumados a esse “jeitinho”  bateram com “a cara na parede”.

 

As eleições municipais do ano passado mostraram que a PM precisa se profissionalizar urgentemente. Foram vários policiais militares denunciados (e outros não) fazendo campanha para candidatos e segurança particular. Tinha policiais civis também, mas os policiais militares eram a maioria esmagadora inclusive alguns responsáveis pelos destacamentos em municípios pequenos que se achavam (e ainda acham) o dono do “pedaço”.

 

As lideranças da PM têm que lutar pela melhoria salarial, mas também abrir um amplo debate com a corporação sobre a influência política. A sugestão é que realize uma ampla conferência, trazendo pessoas de outros Estados. Não dá para aceitar que 2/3 dos policiais militares estejam na chamada Grande Aracaju. Ou seja, dos cerca de 6 mil homens, aproximadamente 4 mil estão na região metropolitana e cerca de 2 mil espalhados por todos os outros municípios. É uma disparidade grande e isso se deve a influência política. Outro exemplo, nos batalhões do interior não tem coronel. Enquanto isso mais de 20 estão no chamado “corredor” na corregedoria, tomando cafezinho.

 

E o pior. Essa influencia política muitas vezes não passa nem pelo comando da PM e muito menos pelo secretário da SSP. A ingerência começa lá na base, nos batalhões (são seis no interior), ou até mesmo nas companhias e destacamentos. Recentemente a prefeita eleita de Salgado mostrou essa influencia política ao determinar o retorno ao município de um PM que tinha sido transferido. Lá, o destacamento fica no povoado Água Fria e não na sede do município. Será que o governador sabe disso?  Em Lourdes, por exemplo, tem quatro policiais militares, mas eles fazem revezamento e só fica de “serviço” diariamente apenas um. Tem jeito desta forma?

 

Paradoxo

Por mais paradoxal que possa parecer, duas medidas de exceção tomadas pelo atual Conselho Deliberativo do Sergipe estão servindo para ajudar o processo de redemocratização do clube rubro. A prorrogação, por dois anos, do mandato do atual presidente e a duplicação do número de conselheiros, que passarão a ser 102. Neste ano do primeiro centenário, uma comissão especial está sendo constituída para elaborar o anteprojeto de reforma do Estatuto do clube, modernizando-o e adaptando-o ao Código Civil e a outros diplomas legais, como a Lei Pelé e o Estatuto do Torcedor.  

 

Operação de Porte

Nesta terça-feira, 10, o Banese fará a primeira operação de porte da gestão comandada por Saumineo Nascimento. Será no setor imobiliário, envolvendo mais de R$ 8,5 milhões.

 

Senador atuante

Do senador Valadares, na coluna de Marcos Cardoso (JC), respondendo aos boatos de uma possível candidatura a governador: “Não tenho nenhuma pretensão de ser candidato a governador. Portanto, nessa aventura eu não vou entrar”, reafirmando que seu candidato a governador “é público e notório”, é Marcelo Déda. E ilustra os motivos com rasgados elogios “É um político leal”. Quando a ele mesmo, Valadares é mineiramente modesto: “Á única certeza na política é que não tem nada certo. Mas, por enquanto, estou fazendo um esforço para ser reconhecido pelo PSB e aliados como um senador atuante”. E ponto Final.

 

Luana é a nova prefeita de Glória

A Candidata do PR, Luana Michelle Oliveira é a nova prefeita do município de Nossa Senhora da Glória.  Ela obteve 10.406 votos, ou seja 63,2%, contra 6.060 votos, ou 36,8% do candidato do Partido dos Trabalhadores, Chico do Correio. De acordo com informações do Cartório Eleitoral do município, foram 276 votos em branco, 474 votos nulos, 3.819 pessoas deixaram de votar e 17 mil 216 exerceram o direito à cidadania nas eleições deste domingo, 8. (Infonet).

 

TCE promove seminário I

Estão abertas as inscrições para o Seminário Controle dos Gastos na Administração Pública organizado e promovido pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) através de sua Escola de Contas (ECOJAN). As inscrições podem ser feitas na Ecojan, gratuitamente, de segunda à sexta-feira, das 7 às 18 horas, até o dia 13/02. O seminário que também tem o apoio do BANESE, será realizado no Auditório do TCE no dia 18/02 e tem como público alvo Prefeitos, Presidentes de Câmaras de Vereadores, Procuradores e Secretários municipais de Finanças e de Educação.

 

TCE promove seminário II

O diretor da Ecojan, conselheiro Carlos Alberto Sobral de Souza, informou que será destinado uma quantidade de vagas para representantes de entidades da sociedade civil. As pessoas e os gestores públicos interessados devem ir pessoalmente ao Tribunal de Contas, na ECOJAN ou ligar para 3216-4746. “É um seminário inteiramente grátis que tem como objetivo fortalecer a administração pública e capacitar seus gestores”, disse Carlos Alberto.

 

A Internet passa os jornais e vai passar a TV também I

Deu no blog de Andrés Menéndez, aqui na Infonet: “Para mim não é surpresa, mas muitos jornalistas irão ter que rever seus conceitos. Uma pesquisa feita pela empresa americana Pew Reserch Center diz que a Internet deixou para trás (nos Estados Unidos) os jornais impressos como fonte de informação e em pouco tempo a TV ficará na alça de mira. Nas bandas de lá a diferença da TV para a Internet é de 30 pontos, mas a velocidade de crescimento da Internet é que surpreende. Muito tempo deixei de me informar com jornais, embora compre sistematicamente todos os domingos, muito mais porque minha sogra gosta de um dos suplementos do jornal do que pelas notícias em si. Mas como a semana tem 7 dias, nos outros 6 eu me informo ou com a TV ou com a Internet. Porém, é cada vez mais raro sentar em frente a TV para ver o Jornal Nacional. E quando faço isso, os apresentadores ainda mandam ir ver a página da Internet. Fala sério, né?”.

 

A Internet passa os jornais e vai passar a TV também II

Continua o blog: “Ainda na mesma pesquisa outro dado é que surpreende mais: quando a faixa etária vai dos 18 a 29, a Internet empata com a TV como fonte de informação, deixando os outros meios (rádio, jornais e revistas) muito longe. Focando só nos jornais impressos, vejo que a perda de espaço vai fazer com que a publicidade vinculada aos mesmos acabe diminuindo também, entrando num ciclo de queda que vai tender a zero. Com a publicidade indo cada vez mais para a Internet (que é onde estão os jovens) não vai restar outra saída para os jornais a não ser ir para o mundo digital. Porém, de uma forma diferente da atual. Hoje tem muito jornal que está lá só com as manchetes. Esse mídia “engana tolo” vai ter que dar lugar a jornalismo de verdade. Quando tempo ainda tem a TV como fonte principal de informação aqui no Brasil? Ainda tem vários fatores que pesam a seu favor, como o enorme percentual de penetração nos lares brasileiros (mais de 95%). Reverter este quadro a favor da Internet vai ser demorado. A grande vantagem é que, como sempre disse, a Internet é um caminho de mão única, depois que se entra é impossível voltar. Desde semana passada, o editor chefe e apresentador William Bonner diz o seguinte “o Jornal Nacional termina aqui, mas ele continua na Internet onde vocês podem… blá, blá, blá…”. Daqui a alguns anos, quando a Internet engolir a TV ele vai dizer assim “para você meu saudoso amigo internauta, se ainda tiver aquela velha TV de LCD, a Globo ainda tem sinal aberto, sintonize no canal 4 e lembre como era nos velhos tempos”. Quem viver, verá!”.

 

O bom e velho PFL I

Do articulista Fernando Rodrigues na Folha de São Paulo:O episódio do corregedor da Câmara, Edmar Moreira, revelou os Democratas em grande forma. Foi o bom e velho PFL em ação. Diante da avalanche de acusações contra o dono do castelo, os demos não titubearam: ficaram sem fazer nada. Edmar Moreira, filiado ao Democratas em Minas Gerais, foi apenas convidado a renunciar ao cargo de corregedor. Expulsá-lo ou suspender sua filiação, nem pensar. É a velha tática da pefelândia. Indignação em público, pouca ação em privado e muita fé na ação do tempo para deixar as coisas como estão. Por analogia, a atitude do PFL é equivalente à de um banco ao descobrir um funcionário suspeito de dar um desfalque. Em vez de afastar o envolvido, sugere ao sujeito que se demita espontaneamente.

 

O bom e velho PFL II

Ninguém deve ser condenado sem ter amplo direito de defesa, dirão os pefelistas -hoje autodenominados democratas. Quem defende esse argumento esquece a história e confunde política com Justiça. Em 1997, dois deputados do PFL foram flagrados vendendo seus votos. Era uma notícia de jornal. Não havia processo judicial. O então cacique pefelista Luiz Eduardo Magalhães entrou na sala e perguntou aos colegas: “Alguém aqui tem dúvida de que eles fizeram isso? Não? Então vamos expulsá-los já”. Fez-se política. Os deputados depois foram se defender na Justiça. Dentro da Câmara, tudo se sabe. Alguém tem dúvida de que Edmar Moreira falou barbaridades (sobre ser incapaz de julgar deputados corruptos)? Faltam dados sobre as dezenas de acusações empilhadas contra ele? Se não há dúvida, também não há razão para o DEM -ou outro partido- mantê-lo filiado. Ao limitar sua ação à retórica, o DEM-PFL mostra ter piorado com o tempo. Na década passada, a sigla mantinha as aparências. Quando eclodia um escândalo, expulsava os envolvidos. Agora nem isso.

 

Vaga para jornalista profissional

O Conselho Regional de Medicina de Sergipe (Cremese) está abrindo seleção para escolha de um jornalista profissional, para o quadro de assessoria de imprensa que está sendo criado naquele órgão. A seleção será feita com intermediação do Sindijor, que foi procurado pelo Conselho para ajudar na escolha. O Cremese exige, como pré-requisitos, além de experiência, que o jornalista seja profissional e, portanto, deve ter registro junto à Delegacia Regional do Trabalho (DRT). Confira o que mais quer o Cremese do profissional jornalista a contratar: Divulgar das atividades do CREMESE na imprensa escrita, falada e televisada;  Cobertura jornalística dos eventos do CREMESE; Elaboração de informativo (jornal ou boletim);  Assistência jornalística no site do CREMESE;

Prestar assistência jornalística aos Conselheiros dos assuntos pertinentes a entidade; Entre outras tarefas específicas de assessor de imprensa.  Os interessados devem enviar currículo para sede do Sindijor na rua Itabaininha, 261, sala 10 (das 8h00 às 13h00), até esta terça-feira, dia 10/02, aos cuidados da secretária Belízia, obrigatoriamente com pretensão salarial, não podendo ser inferior ao piso da categoria, que é de R$ 880,00. A carga horária é de 5 horas diárias.

 

Pós-Graduação Lato Sensu em Literatura

Através da coordenação da especialização em literatura do professor Wagner Lemos a Faculdade Serigy – Rua Joventina Alves, 500 (anexo ao Colégio Águia) – 13 de Julho – abriu uma Pós-Graduação Lato Sensu em Literatura. Um encontro por mês (fim de semana). 12 módulos (10 presenciais e 2 de orientação de TCC). Investimento: 12 x R$ 130,00. Telefone: (79) 3246-1450.  Grade curricular: Tópicos Especiais em Literatura Sergipana; Cultura Popular: Literatura Cordel; Literatura, Mito e Imaginário; Produção Contemporânea Brasileira; Literatura Comparada; Literatura e Ensino; Metodologia da Pesquisa Científica; Didática do Ensino Superior; Literatura, Gênero e Identidade; Literatura Infanto-juvenil; 02 módulos de Orientação de TCC.

 

DO LEITOR

 

HSBC: desrespeito aos clientes

De um leitor e cliente do HSBC: “Hoje, 06, fui ao banco HSBC, peguei a senha às 11:17h. e fui atendido às 12:00h, até ai já existia um desrespeito muito grande quanto ao horário, mais o pior que o banco está sem o sistema de ar, hoje pagamento de pensionistas e o mais absurdo fui reclamar a um funcionário ele me disse que já tem uma semana que o ar não funciona. Cadê os órgãos competentes para cobrarem?”

 

 

Poluição sonora e fiscalização

Comentário de Janaina:  “Tenho notado que o problema de poluição sonora é um mal que nos acomete em qualquer bairro em que tenhamos que morar, seja na zona norte ou sul. Veja bem, aos finais de semana tenho o hábito de visitar parentes e amigos, e num final de semana destes, ao passar pela Av. Visconde de Maracaju nas imediações da lanchonete “O Rangão” às 11h da manhã me deparei com algo inacreditável, há uma praça e nela algumas pessoas colocam seus carros em cima com os fundos abertos, que mais parecem trios elétricos. Neste local funciona como ponto de encontro, onde as pessoas fazem churrascos a luz do dia, e olhe que na volta ( por volta das 19h)fiz questão de observar, eles continuavam lá ainda, sem ao menos respeitar uma ambulância do SAMU que atendia a uma ocorrência numa daquelas casas. Seria o descaso público? Isso acontece em todos os finais de semana, será que os moradores daquela área já não reclamaram e ouviram a mesma resposta que a leitora que teve sua identidade preservada aqui? Fiquei estupefata! Cadê o pelotão ambiental? A SMTT? Sim, pq eles ficam em cima da praça? Os moradores não podem colocar seus carros em suas calçadas, mas em cima das praças é liberado? E o volume do som durante todo o dia? Aguardo resposta dos responsáveis pela fiscalização”.

 

Iluminação pública

E-mail recebido: “A ENERGISA e a PMA devem colocar com clareza para a população sergipana em que consiste a participação/responsabilidade de cada uma dessas instituições no processo de instalação/manutenção da iluminação pública. Recentemente, o Secretário de Infraestrutura do Estado que, anteriormente, presidiu a EMURB, declarou, em entrevista, que um problema de iluminação na rodovia José Sarney já deveria estar solucionado, vez que uma verba de 300 mil reais há muito teria sido aprovada para a solução do citado problema. Segundo tenho ouvido, no rádio, o problema persiste, pois o trecho da Sarney que fica entre a AABB e o bar Mãe Gorda prossegue inteiramente às escuras. Se a PMA liberou a verba e a ENERGISA é quem executa, parece que tudo já deveria estar resolvido. O que, então, entrava esse processo? – Segundo informações, a irregularidade vem se arrastando há anos. Certamente os turistas que trafegam pela área não ficam com uma boa impressão”.

 

Praça do Bairro Industrial I

Do presidente da Associação de Moradores e Comerciantes do Bairro Industrial, Marcos dos Anjos:  “A comunidade do bairro Industrial, através de sua associação, depois de dois anos lutando em defesa da praça Amintas Jorge conseguiu que o governador Marcelo Déda, autorizasse ao presidente do DER dar início as obras da praça. O presidente do DER tem o interesse em executar as obras com o conceito da comunidade, através do seguinte projeto: “as margens do rio Sergipe – orlinha (debaixo da ponte) construção de um biblioteca infantil, auditório, 02 quadras de esportes com arquibancada (hand ball e basquete). Já o antigo terminal deve ser substituído por um por grande local com bancos , jardinagem  e colocação de 02 quiosques  para os antigos comerciantes do terminal que ha cerca de 18 anos estavam no local e não podem perder todos este anos”.

 

Praça do Bairro Industrial II

Continua Marcos dos Anjos: “Logo após a construção de uma área para eventos (circo – parques)  e toda área da lateral da decida da ponte com serviço de jardinagem,gramado, iluminação cênica e a proteção da decida da ponte ate rua Altamira. Entre o fundo do espaço da Deso (rua Sabino Ribeiro com José Conrado de Araujo) construção de quadra de areia e espaço para esporte radical como bicicross (as crianças naturalmente aproveitaram os restos das areias  da obras da cabeceira da ponte  e transformaram num local de lazer). E toda área da praça Amintas Jorge com uma super iluminação, afinal o bairro Industrial é o primeiro bairro quando o turista vem pelo litoral Norte e o e ao mesmo tempo pelo município de Socorro. O bairro tem tudo para ser uma verdadeiro cartão postal, basta a Emsetur e a Funcaju divulgarem as fotos de pura beleza da orlinha, parque da cidade e outros atrativos através de cartões postais. Bairro Industrial não tem personagem, tem gente de verdade, 89 anos de existência. Bairro Industrial, o verdadeiro orgulho de Aracaju”.

 

Justiça… Onde mora?… I

Do leitor Dinho Santana: “Aqui estou novamente, pois não dá para calar e começamos pelo recém empossado desembargador Roberto Porto, na presidência do Tribunal de Justiça, que ao justificar o número excessivo de cargos comissionados criticado pelo sindicato, afirmou que “cargos comissionados existem em todos os níveis da administração pública”. O nosso governador Marcelo Déda, justificou a decisão do desembargador José Alves Neto, determinando o bloqueio de suas contas pessoais, como: “É um caso de perseguição e de humilhação na minha vida, mas graças a Deus, o povo me conforta e eu confio na Justiça”; o senador Mário Couto (PSDB-PA), criticou o aumento da violência no seu estado; credita-se que o impasse da duplicação da rodovia João Bebe Água, foi resolvido com a redução de 11 metros para 6,40 metros; o deputado Edmar Moreira (DEM-MG), recém eleito vice-presidenta da Câmara com função de corregedor da casa; em e-mail enviado destacaram que: “o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Carlos Ayres Britto, revelou ao seu sobrinho e Presidente da OAB, ter o tribunal se inspirado em proposta da entidade na exposição de nomes e fotos dos senadores suplente ou “senadores clandestinos”; o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, o vitalício Ricardo Teixeira, declara que: “em estádios em que a seleção for vaiada não mais retornará”.

 

Justiça… Onde mora?…II

Conclui Dinho Santana: “Na seqüência do escrito acima podemos afirmar que tal qual o povo que passivamente e na sua omissão de não se expor, o presidente empossado do tribunal de Justiça, generaliza a falta de padrão no que determina as Leis; o nosso advogado governador questiona a decisão do desembargador, mas confia na Justiça!… O senador do Pará critica a violência do seu estado e omite que a comissão da Pedofilia investiga um conselheiro do Tribunal de Contas, o irmão da governadora Ana Lúcia Carapeba (PT), João Carlos e o deputado estadual Luiz Sefer (DEM); a duplicação da rodovia é bem questionada pelo leitor Luizinho, que credita o jogo de empurra para um futuro próximo… Um corregedor que nos conchavos da política, omite um castelo; os presidentes do TSE E OAB comemoram um achado e esquecem de lutar pelo ?Voto Facultativo? ou mesmo de revelar os maus advogados; já o presidente d CBF, exerce sua democracia cerceando os torcedores com velho jargão; sejam todos surdos cegos e mudos. Em sendo assim solicito a quem possa interessar que ao encontrar o endereço daquela senhora de venda nos olhos… Divulguem o Brasil precisa saber!…”

 

 

Frase do Dia

“A política não é o jogo da intriga, da inveja e da incapacidade, a que entre nós se deu a alcunha de politicagem”. Rui Barbosa.

 

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários