Polêmica do coração – Cláudio Nunes

0

  Um tema vem chamando a atenção da sociedade sergipana nos últimos dias e como “ganhou” repercussão nacional merece uma reflexão, principalmente abrangendo o outro lado que não foi ainda passado para os sergipanos. Há três dias este jornalista procurou – sem conseguir êxito – conversar com um médico especializado para entender o que está havendo neste relacionamento que envolve vários setores, com as cirurgias de corações. Apenas ontem a coluna conseguiu que um médico pudesse relatar o que sabe do assunto, mas com o compromisso de manter o sigilo da fonte.

  A primeira impressão que vem sendo passada para a sociedade é que um grupo profissional que trabalha com cirurgias cardíacas em Sergipe – o único por sinal – não está sendo devidamente reconhecido e remunerado. Quem acompanha as cirurgias cardíacas no Estado sabe que tudo começou no Hospital Cirurgia, com a equipe do médico José Teles. Além de lá apenas o Hospital São Lucas realizava algumas cirurgias, mas sempre com resistência aos valores pagos pelo SUS.

  Com o advento do Hospital do Coração, instituição privada lucrativa, que pediu a habilitação ao Ministério da Saúde para trabalhar com o SUS, paralelamente à falta de investimentos na recuperação física do setor de cirurgia cardio-torácica e na falta de manutenção permanente dos seus equipamentos, o número de cirurgias no Hospital Cirurgia diminuiu sensivelmente. Em outubro do ano passado, por conta da necessidade de ampliar a oferta de procedimentos cirúrgicos cardíacos e apenas o município de Aracaju realizar cirurgias de alta e média complexidade, o Ministério da Saúde retirou do teto financeiro do Estado de Sergipe o valor anual de R$ 1,9 milhão, para o município de Aracaju. Estes recursos não são destinados apenas para o Hospital do Coração, instituição privada, mas para atender a todo o sistema público de saúde. O Hospital do Coração quando assinar o contrato de prestação de serviços cirúrgicos com o SUS, através da Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju, deverá receber uma média de R$ 170 mil mensais para os procedimentos cirúrgicos de até 15 por mês.

   Ocorre que há também um questionamento por parte do Hospital do Coração sobre os valores da tabela financeira do SUS, que não pode ser resolvida em Aracaju, mas apenas em nível de Ministério da Saúde, já que os valores são os mesmos para todo país. A equipe do hospital do Coração reivindicou que repasse os recursos para uma cooperativa de cardiologistas para fugir do pagamento dos 20% do imposto sobre serviço. Porém, não existe legalmente esta cooperativa no convenio com o município de Aracaju e o repasse dos recursos para essa cooperativa incorreria em improbidade administrativa por parte do gestor, neste caso a Prefeitura de Aracaju.

  A solução encontrada emergencialmente pela Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju no acordo firmado na quinta-feira para 90 dias foi que a Prefeitura de Aracaju vai repassar ao Hospital do Coração além dos recursos para os procedimentos pela tabela do SUS, 20% a mais para cobrir os impostos que são pagos sobre prestação de serviço. É algo paliativo que não poderá continuar todo o tempo. Seria bom se o poder público fizesse isso sempre em todas as áreas, mas seria bom para os cofres públicos? O Ministério Público requisitou a relação das pessoas que estão nesta “fila” para realização de cirurgias. É importante que seja divulgada para a imprensa. É preciso também que o Hospital de Cirurgia seja reequipado para realizar estas cirurgias. A sociedade sergipana não pode ficar dependendo apenas de um hospital para realização de cirurgias tão complexas.

 A coluna conversou também com outros dois médicos sobre os problemas de anomalias congênitas do coração. Os dois explicaram que algumas delas são graves e o percentual de risco, mesmo sendo realizadas as cirurgias são muito altos por conta da idade e do baixo peso das crianças, pesos e outros dados. O certo é que este assunto é de alta complexidade e, é preciso que se busque uma solução concreta após os 90 dias do contrato. O importante é que todos os segmentos envolvidos – principalmente a Secretaria de Estado da Saúde, a Prefeitura de Aracaju e o corpo clinico – estão dispostos a encontrar uma solução que não haja perda para os dois lados. Nesta hora é importante colocar em primeiro lugar o interesse público, no caso da Prefeitura, e no caso dos médicos, lembrar do juramento de Hipócrates onde um trecho diz: “Em toda a casa, aí entrarei para o bem dos doentes…”

Altos salários da diretoria do SergipeTec

O governador Marcelo Déda denunciou ontem que os membros da diretoria do SergipeTec recebem altos salários. O presidente recebe R$ 21 mil mais R$ 1.500,00 de auxilio moradia. E os outros três diretores cada um recebia R$ 18 mil. Déda anunciou que vai propor ao conselho administrativo do SergipeTec – que é uma Organização Social não vinculada ao governo estadual, mesmo dependendo financeiramente dos cofres públicos – que o salário do presidente seja reduzido para R$ 9 mil, igual aos presidentes das autarquias estaduais. E os salários dos diretores ficará em R$ 7 mil. O governo estadual enviava para o SergipeTec mensalmente cerca de R$ 175 mil, que não dava para o custeio. “O desafio é maior do que pensava na última segunda-feira. É reconstruir para fazer funcionar. É tarefa que será realizada por mais de um governo”, avisou.

Altos salários também na empresa Deso

A coluna recebeu ontem uma verdadeira “bomba” da empresa Deso. A folha de pagamento que constata que existem altos salários naquela empresa. Ainda tem um artifício, chamado de “hora extra” e “diária” que chega a triplicar alguns salários. Na próxima segunda-feira a coluna divulgará alguns detalhes. A publicação da folha com os nomes das pessoas está sendo objeto de analise da assessoria jurídica deste jornalista, porém se os nomes forem omitidos os valores salariais serão divulgados. Aguardem, na próxima segunda-feira.

Agilidade para resolver os problemas antigos

No boletim do Sindisan divulgado ontem foi publicada a seguinte matéria: “A nova direção da Deso assume a companhia e, com ela, a herança da gestão e do governo anterior carregada de pendências relacionadas aos direitos dos trabalhadores e à administração interna. Uma das pendências é a negociação do acordo coletivo, que foi ‘empurrada com a barriga’ pela direção anterior, numa atitude de descaso e desrespeito aos trabalhadores. A data-base dos funcionários da Companhia é 1º de novembro e a pauta de reivindicações foi entregue no início de setembro. “Nossa expectativa é de que os novos diretores solucionem esses problemas o mais rápido possível”, declara Jovaldo Marques, presidente do Sindisan.Na herança deixada pelo governo João está também à discriminação que afeta os trabalhadores contratados pelo último concurso. Eles sofreram perseguição da direção anterior e amargam a ausência de uma política de recursos humanos voltada aos interesses de todos os funcionários da Companhia.

João Alves avisou a Edvaldo que não assinaria convênio

Durante a solenidade de assinatura do convênio ontem, entre os governos estadual e municipal para cessão dos terrenos da Codise e do Teatro Tobias Barreto para construção do viaduto do DIA, o prefeito de Aracaju revelou que o governador João Alves, numa solenidade na Assembléia disse a ele que não iria assinar o convênio porque não concordava com a obra, que achava a mesma ultrapassada e não trará benefícios para os aracajuanos. São apenas 5 metros no lado da Codise e 4 no lado do Tobias Barreto.  

Déda acaba com o sistema de cotas da imprensa

Em entrevista à imprensa ontem o governador Marcelo Déda falou sobre a importância de democratizar o acesso ao Estado para empresas prestadoras de serviços e fornecedoras de material. “Não podemos permitir que exista monopólio num Estado democrático”, garantiu Déda.Outra questão em pauta foi à relação do governo com a imprensa sergipana. Sobre o assunto, o governador afirmou ser “impossível assumir gastos exorbitantes com o sistema de cotas que foi estabelecido. A partir de agora, o que for gasto será conseqüência das necessidades. Isso não prejudica ninguém, só obriga algumas empresas a se planejarem melhor”, afirmou.

Diretoria da Degrase toma posse na segunda-feira

A nova diretoria do Departamento Gráfico de Sergipe – Degrase –  toma posse segunda-feira 8. O advogado Luiz Eduardo Oliva assumirá a presidência, enquanto o jornalista Milton Alves ocupará a Diretoria Industrial e Carlos Alberto a Diretoria Administrativa Financeira. A solenidade de posse e transmissão de cargo está programada para as 11 horas na sede da autarquia.

Samarone foi convidado para um cargo no Estado

O médico e ex-vereador Antônio Samarone anunciado ontem como novo superintendente da SMTT, foi convidado também para ocupar um importante cargo no governo estadual. Como faz parte da ala de dissidentes do PDT, Samarone, em comum acordo com o governador Marcelo Déda, preferiu colaborar com o projeto administrativo do prefeito Edvaldo Nogueira.

Edvaldo e Déda trocam nome da primeira dama

Na solenidade, ao saudar os presentes o prefeito Edvaldo Nogueira, não perdeu o costume e saudou Eliane Aquino como primeira dama do município. Provocou risos de todos. Logo após o governador Marcelo Déda também cometeu o lapso, saudando a esposa como primeira dama do município. “Tivemos um gesto de perseguição política. Um comportamento que Sergipe não suportava mais detendo o progresso com ódio”, desabafou Déda ao comentar a decisão do ex-governador João Alves em não ceder os terrenos da Codise e do Tobias Barreto. “Nunca vi tanto terrorismo, era explosão, era falta de água”, lamentou.

Leitor elogia diretoria nomeada para o ITPS

De um leitor da comunidade científica recebemos o seguinte e-mail: “Fomos tomados de dupla surpresa pela indicação do Prof. Dr. Marcos Wandir para o cargo de diretor técnico do ITPS: pela feliz escolha do governo do Estado e pelos comentários de um leitor em sua coluna de ontem (“E João Alves vai nomeando os seus”). É preciso restabelecer a verdade: de fato Marcos Wandir presidiu a FAP nos primeiros dois anos do governo anterior, aliás realizando uma excelente gestão que deu uma   nova dimensão àquela Fundação e que lhe rendeu o respeito e a  admiração da comunidade científica de Sergipe. Com a desastrada extinção da FAP, Wandir preferiu afastar-se do governo. Não há  registro de nenhuma participação sua como cabo eleitoral, pouco menos  de João Alves Filho. Prof. Patrocínio e Marcos Wandir reúnem todas as  condições para vencer o desafio de tirar o ITPS do marasmo em que se  encontra, fruto do descompromisso dos últimos governos”.

Déda apóia Chinaglia para presidente da Câmara

Deu na Folha de São Paulo deste sábado: “O presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), resolveu apostar na conquista do apoio dos governadores para superar Arlindo Chinaglia (PT-SP) na disputa pelo comando da Casa. A estratégia tem dado certo. Dos 27 governadores, 15 dizem preferir o comunista. Chinaglia não adotou a mesma estratégia que Aldo. Conta com o apoio de apenas seis governadores. Cinco são do PT (Acre, Bahia, Pará, Piauí e Sergipe) e um é do PMDB (André Puccinelli, do Mato Grosso do Sul). Outros seis estão indefinidos ou permanecem neutros. O apoio da maioria dos governadores a Aldo foi facilitado porque ele enfrenta um petista. “Não tenho nada contra o Arlindo, mas a oposição não quer votar em um candidato do PT”, disse o governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB). “A bancada do meu Estado também prefere o Aldo”, emenda”.

Impasse no Hospital da Polícia Militar

De um servidor do HPM: “O Hospital passa por dias fervilhantes. O diretor geral, coronel José Marques, aquele que perseguiu servidores que votaram em Déda, conseguiu fazer um acordo, apadrinhado pelo seu “protetor” um importante membro de um órgão fiscalizador, para ficar até março quando completará seu tempo para reformar-se. Com isso garantirá a CC na aposentadoria. Ocorre que o pretendente aa cargo de diretor Coronel Everaldo está pressionando para que ele vá logo embora. O motivo: O hospital tem 1 milhão em caixa e segundo o Dr. Everaldo, o atual diretor que ficar o tempo suficiente para gastá-lo. Já foram substituídos os diretores administrativo e clínico, só falta o diretor geral”.

Quando começará a faxina no Detran?

Quando começará a faxina no Detran. Pela desordem encontrada não dá para aceitar que fiquem alguns dos assessores da administração anterior. Leia o relato de um leitor: “Ontem minha esposa foi ao Detran(Shopping Riomar) para uma perícia no veículo por ter perdido o recibo de compra e venda. Chegamos às 8:45 e, como é normal, o atendimento começou às 09 horas. Antes da perícia pegamos a senha para o atendimento e só então fomos à perícia, o que foi feito mais de duas horas após, pois por várias vezes o sistema caiu e tudo parava. Isso na perícia. Com o documento da perícia em mãos, fomos para a retirada do recibo. Nosso número: 1…. O painel indicava o número 1.., por volta das 12:30 horas. Saímos de lá às 14 horas e o número estava em 1…, portanto 10 atendimentos em 1:30 horas. E só fomos embora depois de uma atendente informar ao público que não havia perspectiva de retorno do sistema, tendo continuidade apenas o relacionado à carteira de habilitação.O estranho nisso tudo é que fizeram uma substituição no sistema de informática faltando menos de 10 dias para mudar a direção do Detran. Não dava para esperar mais um pouquinho só e a nova direção fazer uma avaliação do que se pretendia mudar? Qual o objetivo? Estabelecer o caos e mostrar que só os que saiam eram competentes? Estranho, muito estranho!!!”

Pensão para ex-governadores é ilegal, diz procurador-geral

Matéria publicada na Folha de São Paulo deste sábado: “Em parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, disse ser inconstitucional o pagamento de uma pensão mensal e vitalícia para ex-governadores e ex-vice-governadores do Ceará. A questão será decidida pelo STF, que recebeu um pedido de Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) proposto pelo PDT cearense. Antes, porém, cabe ao procurador-geral se manifestar.Pela lei estadual, governador e vice-governador receberão o subsídio desde que tenham ocupado o cargo por no mínimo seis meses e em caráter permanente.Para Souza, a medida é ilegal pois a Constituição Federal de 1988 não abordou esse tema, e o silêncio não pode ser lido a favor da mudança.O último governador a ganhar direito a pensão foi Zeca do PT, de Mato Grosso do Sul, que continuará recebendo R$ 22,1 mil por mês.Num outro caso enviado ao STF, um grupo de magistrados pediu que a proibição de férias coletivas a juízes de 2º grau seja anulada”. Em Sergipe, os ex-governadores também têm direito a pensão vitalícia.

Casa Curta-SE mexe com caldeirão cultural de Aracaju

A Casa Curta-SE e o Bloco Oficina Burundanga vão mexer o caldeirão cultural de Aracaju a partir deste sábado, 6, com o projeto Batuca Verão, uma espécie de fim de tarde musical e cinematográfico que vai incluir os ensaios do bloco e exibições de curtas-metragens premiados no Festival Luso-Brasileiro de Curtas-Metragens de Sergipe (Curta-SE).O projeto vai acontecer todos os sábados até o dia 10 de fevereiro no Casarão Centenário na orla do bairro Industrial, sempre às 17 horas, pelo preço simbólico de R$ 5. A inciativa é do Bloco Oficina Burundanga com apoio da Casa Curta-SE, Gráfica J. Andrade, CopyArt Papelaria, Hotel da Costa, Aracaju Magazine e Jornal Correio de Sergipe.

 

Frase do Dia

“O que nós fazemos nunca é compreendido, apenas louvado ou condenado”.Friedrich Nietzsche.

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários