Prepotência derrotada

0

Ao reelegerem o governador Jackson Barreto (PMDB) com 53,52% dos votos, os sergipanos derrotaram a prepotência que marcou a campanha de Eduardo Amorim (PSC). O dublê de político e empresário Edvan Amorim (PR), que tentou eleger o irmão no grito, terá que repensar sua forma de fazer política. Tomara que essa derrocada tenha servido para ensinar o grupo amorinista a respeitar os adversários e, particularmente, a imprensa, que ele pensou poder intimidá-la ao mover quase uma centena de processos judiciais descabidos. De Jackson Barreto, os sergipanos esperam que ele coloque em prática as promessas feitas durante a campanha, para que Sergipe mantenha o ritmo de crescimento econômico inaugurado em 2006, quando o grupo hoje comandado por ele chegou ao poder com a eleição do ex-governador Marcelo Déda (PT).

Oxigenação

Os sergipanos deram uma boa oxigenada nas bancadas estadual e federal. Nove dos atuais 24 deputados não conseguiram se reeleger. Para a Câmara Federal só retornarão em janeiro quatro dos atuais parlamentares. Com a cassação do registro do deputado André Moura (PSC), o governo conquistou cinco das oito cadeiras federais e ainda terá o apoio do demista Mendonça Prado, que fez campanha aberta para Jackson Barreto. Portanto, se a impugnação de Moura for mantida, a oposição fica com apenas dois representantes em Brasília.

Erraram feio

Será que alguém pode explicar por que a vitória da senadora Maria do Carmo Alves (DEM) não foi tão folgada como insinuavam todas as pesquisas de intenção de votos? Algumas chegaram a divulgar uma vantagem de 25% em favor da demista, porém quando as urnas foram abertas ela derrotou Rogério Carvalho (PT) com uma dianteira inferior a 4% dos votos válidos. Estranho, não?

O que disseram

De Eduardo Amorim sobre o resultado das urnas: “Dei a esta causa meu nome, minha história e parte da minha vida. Me preparei para chegar até aqui e não me arrependo absolutamente de nada”. De Jackson Barreto quando terminou a apuração: “A população entendeu que a nossa presença no governo Sergipe não será transformado num balcão de negócios”.

Rejeitado

Viram a pífia votação do candidato a deputado estadual Edvan Amorim? O homem, que se achava o líder político mais poderoso de Sergipe, foi votado por apenas 156 eleitores. Com base nessa minúscula votação, pode-se dizer que politicamente Edvan foi rejeitado pelos sergipanos. É pra botar a viola no saco, pedir desculpas pela vergonha que passou e ir tocar em outra freguesia.

Engaiolado

E o eleitor Murilo dos Santos foi um entre tantos que terminaram as eleições vendo o sol nascer quadrado. Embriagado, Murilo aprontou várias confusões no bairro São Conrado, zona norte de Aracaju. Mesmo com a chegada da Polícia, ele seguiu ameaçando eleitores. Preso, foi levado à delegacia plantanista para curar a “marvada” da cachaça.

Só dois votos

Enquanto Sílvia Fontes (PDT) foi a mais votada para a Assembleia Legislativa, “Leleu” (PR) teve apenas dois minguados votinhos. Sukita (PSB), Cezar Mandarino (PTC) e Barbosa (PMN) aparecem como não votados porque, em função de estarem com as candidaturas impugnadas, os votos deles não foram divulgados pela Justiça Eleitoral.

Morreu na praia

E a presidenciável Marina morreu na praia. A falta de uma maior estrutura de campanha no dia da eleição empurrou a candidata do PSB para a terceira colocação. Graças ao fenomenal crescimento dos últimos dias, o tucano Aécio Neves ganhou o direito de disputar o 2º turno com a presidente Dilma Rousseff (PT). Esta vai ser uma briga de cachorro grande!

A força do TCE

Três conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE) festejam as eleições dos filhos e esposo. Luiz Augusto Ribeiro e Ulices Andrade reelegeram os herdeiros e deputados estaduais Gustinho Ribeiro e Jeferson Andrade – ambos do PSD. Já Angélica Guimarães conseguiu levar para a Assembleia o marido, Dr. Vanderbal. Menos sorte teve o conselheiro aposentado Reinaldo Moura (PSC). Ele perdeu a disputa para o Parlamento estadual, enquanto o filho e deputado federal André Moura (PSC) dificilmente conseguirá no Supremo manter a candidatura à reeleição.
 
PT menor

O PT sergipano está entre os partidos que mais perderam nas eleições de ontem. Viu reduzido de quatro pra dois o número de deputados estaduais, e só elegeu um parlamentar federal. Houve ainda a derrota do candidato a senador Rogério Carvalho para a demista Maria do Carmo Alves. O fracasso nas urnas deixa os barbudinhos mais fragilizados na hora de sentar com Jackson Barreto para discutir a participação no futuro governo de Sergipe. Coisas da política!

Recorte de jornal

Publicado no Correio de Aracaju em 6 de janeiro de 1911

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais