PT fora dos 13

0

O futuro presidente da Câmara Municipal de Aracaju deve ser um entre os 13 novos vereadores que apoiam o prefeito eleito João Alves Filho (DEM). Quem pensa assim é o vice José Carlos Machado (PSDB). Entrevistado pelo site Universo Político, o tucano disse não ter sentido escolher um parlamentar do PT, pois este partido tem minoria na Casa. Alertou, contudo, que o novo presidente não precisa ser necessariamente do DEM. O raciocínio de Machado permite afirmar que, se depender dele e do prefeito, o vereador pastor Jony (PRB) não será o futuro presidente do Legislativo, pois não esteve na campanha demista para a prefeitura da capital. Daqui até o próximo dia 1º ocorrerão muitas conversas de bastidores e tudo pode acontecer até a eleição da Mesa Diretora da Câmara.

Super salário

Se depender do promotor público Adson Alberto Cardoso, o prefeito eleito de Carira, Diogo Machado (PSD), não embolsará o super salário de R$ 24 mil, nem os 11 vereadores receberão R$ 6 mil mensais para trabalhar apenas um dia por semana. Ele contestou os vencimentos na Justiça sob a alegação que a prefeitura está falida, a ponto de até hoje não ter conseguido pagar o 13º salário dos servidores.

Sem vereador

Em Japaratuba, o prefeito eleito Gerard Olivier (PT) começa a governar sem oposição. Diferente é a situação do novo prefeito de Pirambu, Elinho (PSC), que assume a prefeitura sem um único parlamentar governista. É que a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Cármen Lúcia, negou que fossem contabilizados os votos dos candidatos a vereador que apoiaram Elinho e a atual prefeita de Japaratuba, Lila Moura (PSC). Motivo: os registros das candidaturas foram feitos fora do prazo legal.

Secretariado

E o prefeito eleito de Aracaju, João Alves Filho, anuncia amanhã cedo os nomes de seus secretários. Será a partir das 7h, durante entrevista coletiva no Real Classic Hotel, na Orla de Atalaia. Entre os nomes praticamente confirmados estão os de Nilson Lima (Finanças) e Goretti Reis (Saúde). João deve anunciar a criação de uma nova Secretaria para atender os interesses do comércio varejista da capital.

Itabaiana

Quem anuncia também amanhã o secretariado é o prefeito eleito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho (PR). Será às 7h30, na Câmara de Vereadores. Valmir garante que a equipe de auxiliares será formada por pessoas capacitadas tecnicamente e sensíveis às necessidades da cidade e dos itabaianenses.

Volta, Motinha

Reunidos ontem à noite, os conselheiros do Clube Sportivo Sergipe aceitaram a renúncia do presidente Genisson Silva e prorrogaram até janeiro próximo o mandato do presidente do Conselho, Ari Rezende. Caberá a ele convocar eleição para escolher a nova diretoria do clube vermelhinho. Que tal chamar Motinha de volta para colocar a casa em ordem? A torcida do Confiança ficaria eternamente agradecida.

Parcelamento

Uma boa notícia para os endividados: a partir de agora, o pagamento de penhor pode ser feito de forma parcelada na Caixa Econômica Federal. A nova modalidade permite o pagamento em parcelas fixas de no mínimo R$ 50 e amortização em até 60 meses. A taxa de juros na modalidade tradicional (com resgate feito em um único pagamento), de 1,50% ao mês, passa para 1,70% no penhor parcelado. Menos mal, né?

Rega bofe

Um café da manhã reúne daqui a pouco vereadores aracajuanos e jornalistas. A confraternização de final de ano acontece na Associação dos Engenheiros Agrônomos de Sergipe, ali ao lado do Parque da Sementeira. O presidente da Câmara, Emmanuel Nascimento (PT), aproveita para agradecer à imprensa pela cobertura jornalística das atividades do legislativo no decorrer deste ano.

Último dia

Hoje é o último dia para os eleitores que não votaram no segundo turno das eleições deste ano justificarem a ausência nas urnas. A justificativa deve ser apresentada em qualquer cartório eleitoral. Quem não o fizer fica impedido, entre outras sanções, de retirar passaporte, inscrever-se em concurso público e renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial. Após três ausências nas urnas sem justificativa, o eleitor terá o título cancelado.

Do baú político

Em 2010, o presidenciável José Serra (PSDB) foi literalmente abandonado por seu partido em Sergipe. Ao visitar o estado para pedir votos no final de setembro, o tucano foi recepcionado pelo candidato a governador João Alves Filho (DEM). Num comício organizado em Itabaiana pelo prefeito Luciano Bispo (PMDB), Serra não escondia o constrangimento pela ausência da tucanada sergipana. Pior foi quando o candidato a senador Manoel Cacho (PPS) disse no discurso que o presidente estadual do PSDB,
Albano Franco, votava na presidenciável Dilma Roussef (PT). Neste instante, Caccho foi cutucado por João Alves, mas a desgraça já estava feita. Encabulado, José Serra fez um discurso rápido e retornou para São Paulo certo que, se dependesse dos tucanos sergipanos, sua derrota nas urnas eram favas contadas.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais