Reforma Partidária

0

As composições partidárias, de todos os lados, só se sustentam até o resultado final das eleições de outubro. Depois disso, quando o novo prefeito tomar posse e iniciar o seu trabalho administrativo, haverá uma dispersão partidária, com o objetivo de aguardar o que virá para o pleito de 2006. Aliás, as eleições desse ano são apenas uma preliminar do que acontecerá daqui a mais dois anos, quando a luta pelo Palácio dos Despachos se iniciar. O grupo que vencer se fortalece pra uma nova e decisiva disputa. Mas até lá, muita coisa vai acontecer para que as previsões de quem já está nos poderes Estadual e Municipal se concretizem. A verdade é que esse pleito deve ser um divisor natural, porque há muitas insatisfações de todas as partes, que podem debandar para outro tipo de legenda que apareça pregando mudanças e espalhando esperança. A população é, realmente, essa tal “nuvem que um dia está aqui, outro aparece ali e fica assim vagando na atmosfera”. É possível ate que o próprio povo “esteja nas nuvens”, porque não percebe que é massa de manobra para a politiquice brasileira, principalmente nos segmentos abaixo do nível da pobreza. Ontem, o ex-deputado Nelson Araújo observou que a população se contenta com “circo sem pão”. Lembrou a multidão que compareceu em todos os festejos juninos da capital e interior. Um imenso número de miseráveis dançava, bebia e se lambuzava na sarjeta, demonstrando incontrolável satisfação. Milhões de reais foram gastos pra essa curtição, em nome de uma tradição de costumes que não pode ser incrementada só para enganar o estômago vazio de uma população faminta. Pois é exatamente esse povo, que sempre serviu de esteio para uma elite que está pouco ligando para esse estado deprimente, que pode encontrar uma saída através de uma proposta nova para ter acesso aos direitos naturais do cidadão. O Partido dos Trabalhadores matou os corações de esperança e não vem deixando nada que alguém se apegue, como uma saída definitiva de um estado absoluto de pobreza. Os partidos mais conservadores também não acrescentam em nada no aspecto da cidadania. Trabalham com uma visão paternalista, eleitoreira, que vai cobrar isso mais tarde. E assim caminha essa legião de coitados, sem ter mais nenhum motivo para eleger alguém, na expectativa de receber dignidade. Que não é muita coisa: casa própria, trabalho, educação, segurança e saúde. Itens básicos que são obrigação de Governo, mas que ainda não chegou ao direito do cidadão. Então, depois de passado o pleito, é possível que alguns conceitos sejam revistos. Os insatisfeitos de um lado e os desgostosos de outro podem muito bem se unir. Sair em busca de uma nova liderança e formar uma força popular dentro do Estado. Basta que se faça um trabalho sério de conscientização, uma espécie de lavagem cerebral, para mostrar que a única e última saída será a unidade pela mudança. Nada de demagogia, nem devaneios da utopia. Mas com os pés nos chãos, analisando friamente os comportamentos, mostrando que tudo que está faltando em toda uma comunidade, excede em poder de uma minoria que os miseráveis elegem. E o Partido dos Trabalhadores pode ser referência dessa irresponsabilidade com os direitos de cada cidadão, porque pregou a esperança e deixou manter o desespero. As novas lideranças que devem surgir não podem fazer o jogo de eternamente, onde sempre se usou a fome como investimento político. Qualquer leitor pode notar que a miséria dá lucro. Assim, em 2006, deve surgir um novo partido que acomode esses desgostosos e que tenha a consciência de que o modelo histórico de fazer política, sem a conscientização do eleitor, sem a sua participação nas decisões e sem mostrar que a única saída é a liberdade, não haverá via diferente para se chegar ao nível de decisão, capaz de mudar os rumos de uma política definitivamente voltada para uma cúpula elitista, que domina todos os segmentos sociais e ocupam os melhores empregos, usam os melhores cardápios e podem ir as escolas, às clínicas, além do direito à segurança. O ano de 2006 ainda não pode ser de mudança da mentalidade, mas, com certeza, haverá uma conscientização de que a miséria tem um crescimento relativo à força que se dá às elites. E, mesmo que pareça um sonho de um dia frio de julho, tudo é possível quando o povo enxergar mais distante e sentir que precisa de uma liderança decente, para conduzi-lo ao melhor caminho de adquirir cidadania e dignidade. Os erros do PT podem ser o despertar de um novo dia. Podem anotar… SUSANA A candidata a prefeita Susana Azevedo (PPS) diz que, em termos partidários, está na linha do presidente do partido, deputado federal Roberto Freire. Freire abriu uma dissidência com o ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, e está fazendo oposição ao presidente Lula. PAIXÃO Já o deputado federal Ivan Paixão (PPS), que substituiu a Mendonça Prado, mantém o bom relacionamento com Ciro Gomes e tem procurado contatos com ele. Paixão diz que prefere a unidade partidária, mas por enquanto está procurando o ministro para liberar recursos para Sergipe. HOLOFOTES Susana Azevedo diz que o prefeito Marcelo Déda não pretende mais continuar à frente da Prefeitura, porque vai disputar o Governo em 2006. Susana acha que Déda considera uma prefeitura como a de Aracaju muito pequena para ele, porque estão lhe faltando os holofotes. DESMENTE A candidata a prefeita Susana Azevedo desmente qualquer entendimento entre o prefeito Marcelo Déda e o governador João Alves Filho. Acha que é intriga e recusa o acordo porque os dois estão percorrendo o mesmo caminho em 2006, que é o Governo do Estado. PSDB O secretário geral do PSDB, deputado Ulices Andrade, em nenhum momento recebeu qualquer comunicado da Executiva Nacional, quanto a mudanças no comando da sigla. Considera que as notícias que estão aparecendo na imprensa sergipana são implantadas pelo senador José Almeida Lima (PDT). COMÍCIOS A depender da vontade do deputado federal Jorge Alberto, candidato a prefeito pelo PMDB, seu partido não gastará tempo e dinheiro com os tradicionais comícios. Jorge está programando dois comícios apenas. A campanha será centrada nos meios de comunicação, incluindo a Internet. SERVIDOR Funcionários da Emsetur marcaram encontro com o secretário de Turismo, Pedrinho Valadares, para conversar sobre os rumos da empresa, com a reforma do Estado. Estava certo para ontem, mas o secretário adiou o encontro para segunda-feira. O projeto vai tramitar terça-feira e deve ser votado na quinta-feira. CAMISETAS Os servidores da Emsetur, nesta segunda-feira, vão trabalhar de camisetas em que pedem a permanência da empresa no projeto. O receio dos funcionários é a demissão, com a extinção da empresas ou que ela seja reduzida a um órgão inferior e atinja ao pessoal que trabalha há vários anos. CHATEADOS Os vereadores do PTB continuam chateados com o presidente do partido, deputado federal Jackson Barreto, que ainda não fez nenhuma reunião com eles. Jackson Barreto encontra-se na Europa, passando férias e aproveitou para participar das solenidades da queda da Bastilha em Paris, esta semana. CARREATA O Partido dos Trabalhadores realiza, hoje, uma carreata pelos principais bairros da zona norte de Aracaju, com encerramento na Orlinha do bairro Industrial. O candidato Marcelo Déda, que disputa à reeleição, deve fazer um dos seus primeiros discursos públicos como candidato e iniciando a campanha. DOMINGO O domingo também será um dia movimentado para o prefeito Marcelo Déda, que participa da distribuição de adesivos em pontos estratégicos do percurso à praia. Também haverá um som potente circulando a Orla e já tocando o jingle do candidato. Será o mesmo de 2000, com pequenas modificações. GILMAR A candidata Susana Azevedo (PPS) conversou demoradamente com o deputado Gilmar Carvalho (PV) pelo telefone e marcaram um encontro pessoal. Susana Azevedo vai tentar convencer ao deputado verde que ele deve se engajar na disputa pela Prefeitura de Aracaju, ao lado do bloco que seu partido é aliado. DISTANTE O deputado Gilmar Carvalho pretende ficar distante do pleito majoritário em Aracaju, onde vai ajudar apenas os candidatos proporcionais. A princípio, o deputado pretende se afastar da capital por 15 dias e só depois retorna para também ajudar o partido no interior do Estado. PROJETO O projeto de reforma administrativa do Estado ainda não é de conhecimento dos parlamentares, que deve tê-lo em mãos na próxima segunda-feira. Até mesmo o secretário de Governo, Nicodemos Falcão, não está muito por dentro das mudanças que se realizarão no Estado. Notas EVITA Segundo um ex-assessor e hoje aliado do ex-governador Albano Franco (PSDB), ele realmente está tratando pouco de política no Estado e se preocupado mais com contatos empresariais fora do Estado. Albano não tem comentado as notícias sobre a retirada do PSDB de seu comando e não quer tratar do assunto. Segundo ainda o assessor, para não dizer que ele está absolutamente fora da política, tem ouvido algumas lideranças do seu partido e cedido poucas opiniões. Acha que ainda não chegou o momento de tratar desse assunto. BOSCO Da mesma forma que os demais membros do partido, o deputado federal Bosco Costa, presidente regional do PSDB, evita se aprofundar no assunto, sob alegação de que não tem recebido qualquer comunicado da cúpula do partido. Acha melhor se pronunciar quando acontecer alguma coisa de concreto. Bosco Costa está em Sergipe, mas cuida de eleições municipais no interior do Estado, onde tem redutos eleitorais. Está ajudando a fazer prefeitos, principalmente o de Moita Bonita, sem esquecer de trabalhar em Ribeirópolis. BOATO Circulou ontem uma informação, atribuída a um membro da justiça eleitoral, mas que se transformou em perspectiva de boato. Dizia que as eleições em Canindé do São Francisco seriam adiada para janeiro, porque os três candidatos deveriam ser impugnados pela Justiça Eleitoral. Ontem mesmo houve o primeiro desmentido. De qualquer forma Plenário tentou conversa com o juiz da comarca, Sérgio Luca, mas ele teria se deslocado a Aracaju. Um dos influentes habitantes de Canindé assegurou que lá ninguém falava neste assunto. É fogo A candidata Susana Azevedo disse que não vai fazer DNA dos seus eleitores para saber qual a sua tendência política ou ideológica. Susana Azevedo está fazendo críticas à área social da Prefeitura de Aracaju e garante que Marcelo Déda não construiu uma única creche. O candidato Renato Sampaio (PPR) acusou o prefeito Marcelo Déda de fazer acordo no “subterrâneo”. Jair Rodrigues será o cantor que se apresentará no show de inauguração do Comitê Central do Partido dos Trabalhadores. A militância do PT não está tão ouriçada, tanto que a distribuição de panfletos foi terceirizada e contratou a empresa Rosa Panfletagem para ficar nos sinais de trânsito. Elber Batalha lança sua candidatura a vereador no restaurante Funhall amanhã. A concentração será próximo ao Celi Praia Hotel. O deputado federal Heleno Silva (PL) viajou a São Paulo para assuntos religiosos. Retorna hoje a Aracaju. Já começou a esquentar muito a campanha no interior do Estado, embora ainda estejam faltando peças publicitárias. Em Japaratuba, a candidata Nara Moura dispara com a sua campanha à Prefeitura daquela cidade. O deputado estadual Fabiano Oliveira (PTB) está preocupado com a possibilidade de extinção da Emsetur, justamente agora que o segmento de turismo cresce na capital. O deputado estadual Francisco Gualberto (PT) reclamou por não ter recebido cópias dos projetos encaminhados pelo Governo do Estado para apreciação dos parlamentares. Levantamento da Serasa revela que em junho foram devolvidos, por insuficiência de fundos, 14,6 cheques a cada mil compensados. A menor marca desde janeiro deste ano. Por Diógenes Brayner brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários