VISITANDO J. INÁCIO

0

Uma das coisas boas da vida é poder desafiar o impossível, torcendo para que possa sair vitorioso do embate, ainda que seja para dizer se ousou tentar vencer. Confesso que gosto deste esporte, tendo como maior desafio do momento, sem excluir outros, o de buscar revogar aquela famosa Lei da Física que diz não poderem dois corpos ocupar simultaneamente o mesmo espaço. E a maior dificuldade para sair vencedor desta peleja diária é, sem dúvida, a tarefa de conciliar a minha obrigação de estar presente nas atividades da OAB Nacional, com as minhas querenças locais.

Na medida do possível tenho obtido alguns resultados surpreendentes, embora, reconheça, tenha alterado o volume ou qualidade do corpo em fusão, o que de certa forma mantém intacta a inflexível lei. Explicando em outras palavras, quando não posso estar presente, telefono, se o telefone falha mando um e-mail, e se o e-mail não for o bastante, busco um substituto, e assim sucessivamente. Mas se a ocasião exige a presença, sendo indelegável a tarefa, são as outras atividades que passam a contar com a minha real ocupação virtual, se transformando no  outro corpo da questão.

Visitar o “Mundo Encantado de J. Inácio” é uma destas ocasiões que não admite telefonema, e-mail, delegação ou adiamento, ainda mais quando colorido e interpretado pelas mãos amigas daqueles que igualmente cultivam o belo. Um canto que extrai a beleza das cores, quadros e desenhos criados por Caã, Adauto Machado, Joubert, Anete Sobral, Bené Santana, Cláudio Vieira, Delton Rios, Elias, Hortência Barreto, Márcia Guimarães, Melcíades, Rafael, Walter Góis, Joel Dantas, Nil Cavalcante e Ismael Pereira. Um recanto que convive com as formas  mágicas esculpidas, entalhadas e instaladas  por Antônio da Cruz, Willy, Zeus, Pinto Santeiro e Fábio Sampaio.

Um lugar que tem a pincelada inconfundível e rebelde do seu criador, que se esparrama gulosamente por infinitos ambientes, formas e cores, onde somente impera o sagrado mandamento da livre criação. Um espaço que não tem idade ou limites marcados pelo incorruptível Senhor do Tempo, podendo se plantar bananeiras com a mesma vitalidade com que se criam prédios e constroem paisagens nunca antes admiradas. Um pedaço que não respeita a física, as regras e a rigidez monótona dos estilos preestabelecidos, como bem identificado nos artistas que toparam reinterpretar e viver as delícias da terra jota-inaciana.

Durante a visitação facilmente se descobre, maravilhado, que o fecundo J. Inácio não parou de construir novos cantos, recantos, lugares, espaços e pedaços coloridos, para sorte do Estado que o viu nascer. Constata-se, também, que o sergipano J Inácio, na juventude dos seus noventa e três anos,  continua parindo e inspirando o apetite reprodutor de novos talentos, para deleite das gerações de artistas que agora nascem e crescem.  Descobre-se, por fim, que J. Inácio venceu a Lei da Física, pois sua obra já ocupa, simultaneamente, vários espaços, paredes, ambientes e galerias brasileiras, para o prazer imodesto da História da Arte Nacional. 

E o mundo que ousou desafiar e vencer a física, fazendo a arte do belo ocupar o mesmo espaço destinado ao belo da arte, não está distante de nós ou apenas habitando o surrealista Planeta-pensamento. Não, está ao alcance de todos os gostos e olhares, mesmo aqueles que se inspiram em São Tomé, necessitando, portanto, adotar a velha máxima do ver para crer. Visitar “Mundo J. Inácio” é tarefa fácil e possível, sozinho ou acompanhado, livremente ou agendado, monitorado ou libertariamente interpretado.

Ele está ali, pertinho de todos nós, exposto na Galeria Jenner Augusto, localizada no Complexo Cultural da Sociedade Semear, agora com a parceria cultural da Petrobrás. Ele está ali, na Rua Vila Cristina, nº 148, diariamente, das 10 às 18 horas, desafiador, intrigante, conquistador e cativante. Ele está ali, à nossa disposição até o dia sete de outubro, pois a doce rebeldia de J. Inácio precisa visitar e ocupar novos lugares, simultaneamente.

* Cezar Britto, é advogado e Secretário-Geral da OAB

cezarbritto@infonet.com.br

Comentários