Com recursos esgotados, sergipanos relatam aflição em Portugal

0
Casal está em Lisboa desde o dia 15, quando excursão foi interrompida (Foto: Arquivo Pessoal)

Os sergipanos que tiveram a excursão em um cruzeiro interrompida em Lisboa, Portugal, no último dia 15, em razão das restrições contra o coronavírus, começam a viver dias de maior aperto no país europeu. Nesta sexta-feira, 20, em contato com nossa reportagem, Mônica da Silva e o marido Jeová Queiroz tiveram que deixar o hotel onde estavam hospedados, e por indicação, foram para uma pequena kitnet indicada por um português. Segundo o casal, os recursos já estão escassos.

“Nós caminhamos quase duas horas, porque nossa reserva de dinheiro já está no fim e estamos evitando gastos com táxi. Não sabemos até quando essa situação aqui vai durar. Indicaram um local pequeno para a gente, mais barato, que não sabemos onde é, mas estamos indo. Está chovendo e fazendo 11ºC por aqui”, relata Mônica.

Mônica explicou que entre o dia 15 e 17, ela e o marido ficaram hospedados em um hotel que fazia parte do pacote adquirido em uma das unidades da CVC, em Nossa Senhora do Socorro. Ao término da estadia, ela alega que não teve suporte da agência e precisou arranjar outro hotel. “Foi aí que um casal que conhecemos na excursão e que conseguiu passagem para retornar ao Brasil, deixou que nós assumíssemos a reserva deles em outro hotel, para pagarmos posteriormente. Mas essa reserva acabou hoje, e como a agência não nos dá retorno, estamos procurando esse outro local”, detalha.

De domingo até a última quarta-feira, 18, o casal sergipano esteve reunido com outros brasileiros que estavam na mesma excursão, no Cruzeiro Soberano, e buscavam auxílio da Embaixada e Consulado Brasileiro em Portugal para retornar ao Brasil. Em vídeos gravados e enviados para amigos, no Brasil, os brasileiros alegaram que não tiveram respostas concretas dos órgãos. Por meio de nota, encaminhada para nossa reportagem nesta sexta-feira, 20, o Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores) disse que os “Consulados e Embaixada do Brasil em Portugal mantêm contato com os brasileiros e estão buscando soluções para as suas repatriações, em que pesem as dificuldades de deslocamento criadas pelas medidas de contenção do coronavírus”, pontuou.

A CVC informa que a segurança dos clientes é principal prioridade neste momento: “Por essa razão a CVC estava em contato diário com os passageiros em questão, dando todo o suporte necessário, e ofereceu a oportunidade de retorno para o Brasil no dia 20/03. Os clientes declinaram dessa possibilidade e decidiram permanecer em Portugal. A agência de viagens CVC tem acompanhado de perto e atuado de forma ativa nas remarcações e embarques de passageiros para o retorno ao Brasil, independentemente do destino em que se encontram. Esse trabalho está sendo realizado em cooperação com as companhias parceiras, com o objetivo de atender nossos clientes com brevidade e segurança, considerando o cenário de reduções de voos internacionais e restrições de trânsito impostos por diversos governos ao redor do mundo”

Por Ícaro Novaes

*A matéria foi alterada às 16h50 do dia 20/03 para acréscimo de nota da CVC
Comentários