Servidores do Poder Judiciário farão carreata nesta quarta

0

Categoria na porta do Gumersindo Bessa/Foto: Arquivo Infonet
Mesmo com a determinação do Tribunal de Justiça de Sergipe, do corte proporcional na remuneração dos faltosos de maio, diante da declaração liminar de ilegalidade da greve dos servidores do Poder Judiciário de Sergipe, a categoria permanece de braços cruzados. A greve teve início nesta segunda-feira, 10, quando os servidores fizeram uma manifestação na porta do Fórum Gumersindo Bessa em reivindicação ao Plano de Cargos e Carreira.

Os trabalhadores vão fazer uma carreata nesta quarta-feira, 12, saindo do Fórum Gumersindo Bessa com destino à porta do Tribunal de Justiça. “A greve continua e a decisão do corte de ponto fortalece ainda mais os grevistas, apesar de entender se tratar de assédio moral por parte do TJ, já que está ameaçando até mesmo servidores em estado probatório. Os servidores estão firmes e não vão desistir de lutar por seus direitos”, destaca o presidente do Sindiserj, Hélcio Albuquerque, lembrando que a categoria recebe o pior salário do país.

Em nota, o Tribunal de Justiça informou que a determinação do corte proporcional na remuneração dos faltosos de maio será “em respeito ao princípio da legalidade e à esmagadora quantidade de servidores que não aderiram ao movimento. Com isso, não irá autorizar o abono da falta e até mesmo a sua recomposição. Estes poucos servidores que aderiram à greve assim agiram sob a utopia vendida pelo sindicato da necessidade de revisão do plano de cargos e salários”.

A nota diz ainda que “prova do esforço deste Tribunal de Justiça na melhoria das condições dos seus servidores está no índice de aumento de 100,47 % acumulado entre 2004 e 2010, em muito superior à inflação e ao aumento da arrecadação, e que não encontra semelhança em nenhum outro Poder do Estado de Sergipe”.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais