Música, arte, literatura e fotografia no Espaço Cultural que será aberto nesta quinta

0

O Samba de pareia de Laranjeiras, a arte de Paulo Hora, o artesanato de Marta Amaral, as fotografias de Fabiana Costa e a literatura de Rosane Cabral são as atrações de março e abril no Espaço Cultural Djenal Queiroz, na Assembleia Legislativa. As exposição ficam de 24 de março – quando acontece o coquetel de abertura, até 13 de abril abertas para o público .

No mês dedicado às mulheres, à capital sergipana, ao teatro e à poesia, o hall da Assembleia recebe grandes talentos da música, artes plásticas, literatura e fotografia. “Mãos à arte e fé na vida”, tema da mostra desse mês, explica a curadora Ilma Fontes, é a valorização da cultura popular e a divulgação da produção artística de Sergipe que são “marca dessa nova legislatura, dessa gestão que se inicia”.

Nas artes plásticas, o talento de Paulo Hora será mostrado ao público.O artista, que começou em 2004 ao participar do XVI Salão de Novos de Aracaju, já mostrou seus trabalhos em quatro edições do evento. Num deles, ganhou o Prêmio de Revelação (2010). Sem formação acadêmica e cursos de especialização, busca influência em artistas famosos como Van Gogh e Picasso. “Sua mistura de raça descende de portugueses, italianos e africanos, talvez isso explique as misturas de cores fortes de forma tão leve e clara”, afirma Ilma Fontes, que destaca exposições de Paulo Hora na Energisa, no Cultart e no Mirante da 13 de Julho.

Marta Amaral é outra atração. A artista, paulista de Catanduva, veio morar em Aracaju onde realizou trabalhos para o historiador Luiz Antônio Barreto. Dirigiu vários órgãos públicos no setor de artesanato. Na Prefeitura de Laranjeiras e no Pronese também comandou o setor onde atua. Foi diretora por cinco anos do Centro de Cultura e Arte da Orla de Atalaia. Habilidosa, produz peças como tapeçaria, e restaura tapetes de todas as nacionalidades. “Tece enquanto os outros dormem o seu sonho de artista”, observa a curadora Ilma.

O hall da Assembleia Legislativa recebe também o talento de Fabiana Costa, aracajuana formada em Jornalismo (pela Unit) que se voltou para a área do fotojornalismo. Observadora atenta, fez cursos com Márcio Garcez, José Aquino e Lúcio Telles. Buscou ainda o que Isa Vanny e Marcelle Cristine tinham a lhe emprestar profissionalmente. 

Trabalhando na Secretaria de Estado da Cultura (Secult), fotografa festivais de teatro, musica, artes plásticas, folclore, tudo que enriquece a cultura popular. 

Na noite de abertura da mostra, Rosane Mangueira Cabral estará autografando “Dinâmica Relacional Etc & Tal”. Natural de Aquidabã, formou-se em Pedagogia pela Faculdade Pio Décimo. O segundo passo na área acadêmica foi dado com uma pós-graduação na Universidade Federal de Sergipe (UFS) – “Educação no Terceiro Mundo”. É mestra em Ciências da Educação pela Universidade Internacional de Lisboa (Portugal). A obra que será lançada no dia 24 de março é o quarto livro da escritora, que vai contribuir com as discussões no cenário educacional sergipano.

A música não poderia faltar. Os convidados para o coquetel de abertura do Espaço Cultural vão acompanhar uma apresentação do Samba de Pareia, gênero que deriva do nome Parelha por ter uma formação de dois pares que se destacam e se sucedem na roda. O Samba de Pareia ocorre sempre que nasce uma criança na comunidade de Mussuca, em Laranjeiras. O objetivo é manifestar a alegria do grupo com a chegada do recém-nascido. A dança naquela região surgiu na época áurea dos engenhos de cana-de-açúcar. Os negros trouxeram o samba de roda para Sergipe, sem mistura com brancos ou índios. O Samba de Pareia tem um ritmo parecido com o Samba de Coco.

Fonte e Foto : Ascom Alese

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais