Véio: Arte popular do sertão de Sergipe para o mundo

0
Cícero Alves dos Santos (Véio) cria esculturas em madeira (Fotos: Portal Infonet)

Um museu a céu aberto no meio do sertão chama atenção de quem passa pela BR 206, na altura do KM 08, na estrada que liga os municípios de Feira Nova e Nossa Senhora da Glória. Trata-se do Sítio Soarte, de propriedade e criação do Cícero Alves dos Santos (Véio), artesão sergipano que utiliza madeira para representar seu olhar inusitado sobre as histórias de vida do homem sertanejo.  Recentemente, as esculturas de Véio foram retratadas no livro ‘Teimosias da Imaginação’, obra que reúne parte da produção de artistas considerados os dez melhores da arte popular brasileira. O sucesso foi tamanho que Véio foi o escolhido, entre os brasileiros, para participar da exposição e lançamento da versão francesa do livro, na Galeria Cartier, em Paris.

Natural de Nossa Senhora de Glória, Véio ganhou este apelido ainda criança por gostar de escutar a conversa dos mais velhos. Foi nesta época que artista começou a refletir sua admiração pela cultura popular em cera de abelha, mas logo depois descobriu os troncos de madeira para produzir suas esculturas. O Soarte, Museu do Sertão, criado ao lado de sua residência, recria a vida na região e traz para os visitantes a Casa de Farinha, Casa de Profissões, Igreja e o Sítio Caduco.

Sítio de Véio se transformou em um museu a céu aberto no meio do sertão

Quem passa pelo local se depara com um cenário curioso, formado por esculturas em madeira bruta que representam manifestações socioculturais criadas no que o próprio artista costuma chamar de ‘Universo Simbólico de Véio’. As esculturas do artista, que estão entre as menores do mundo, são feitas a olho nu, utilizando canivetes e até palitos de fósforo. “A maioria das pessoas que passam por aqui ficam curiosas, não sabem ao certo o que estão vendo. Aqueles de origem mais simples pensam que é macumba ou coisa de gente que não tem o que fazer. Outros param, observam, tiram foto e até levam sem pedir”, conta aos risos.

No seu acervo, o visitante pode encontrar peças grandes, médias, pequenas e minúsculas. São noivas, grávidas, seres imaginários, chapéus de couro, utensílios domésticos, maquinas rústicas, roupas e acessórios que fazem parte da vida do sertanejo. Autodidata, Véio conta que trabalhada na base da inspiração dada por Deus. “Quando a inspiração chega, posso criar qualquer coisa que esteja na mente do povo, desde a Marquês de Sapucaí às lendas e realidades do homem sertanejo. Vou em busca do material e deixo a imaginação tomar conta, pois temos muita riqueza a nível de história e cultura”, comenta.

Peças expostas no Sítio Soarte

Em suas obras, o artesão tenta fazer uma espécie de alusão ao ciclo da vida. “Digo que as peças novas trazem o valor da juventude e as velhas, já frágeis, que vão se destruindo pela ação da natureza, trazem a parte final da vida”, explica Véio.

Publicações

Além de revistas de arte, a trajetória de Véio já foi retratada em cinco documentários. São eles: ‘Véio- Tradição e Comtemporaneidade’, ‘Nação Lascada de Véio’, ‘A Glória do Sertão’, ‘Véio – O filme’, ‘O Universo Simbólico de Véio’ e Cavalhada de Poço Redondo’.

Suas peças estão espalhadas em vários lugares do mundo e do Brasil. Em Sergipe, as peças podem ser encontradas no seu próprio sítio, Memorial de Sergipe e Museu da Gente Sergipana. Fora do estado, é possível encontrá-las no Museu do Folclore (RJ), Galeria Estação (SP), Museu do Homem (PE), Galeria Pé-de-boi (RJ), Garandagem (AL), entre outros.

'Teimosias da Imaginação' reuniu peças de 10 artistas da arte popular brasileira

Teimosias da Imaginação

A exposição realizada pela Fundação Cartier em Paris marcou o lançamento do livro ‘Teimosias da Imaginação’ na versão francesa. O projeto apresentado no Brasil em três linguagens – documentário, exposição e livro- reúne coleções particulares de dez artistas brasileiros. Germana Monte-Mór ficou responsável pela curadoria do livro e Rodrigo Naves pela curadoria-adjunta e prefácio. Já os textos e entrevistas dos artistas foram editados pela historiadora Maria Lucia Montes.

O convite para ir à Paris veio a partir do lançamento do livro em São Paulo, na Galeria da Estação Pinheiros. Véio, que se destacou por sua desenvoltura, foi então o único brasileiro convidado para falar de arte e de suas obras em uma mesa redonda de debates na Fundação Cartier. Com a simplicidade de um autêntico nordestino, o artista conta que estranhou um pouco a forma como a arte era debatida naquele local.

Trajetória de Véio já foi retratada em documentários e livros

“Eram só 10 pessoas me perguntando à respeito das minhas peças, costumes e das pessoas que aqui viviam. Enquanto isso, todos que estavam no auditório ficavam quietos, foi daí que pedi que as perguntas fossem abertas para a plateia também. Todos gostaram da iniciativa e ficaram satisfeitos em perguntar”, descreve o artista destacando que para ele aquele lugar era igual a qualquer outro do Brasil.

Por Verlane Estácio e Raquel Almeida

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais