Manchas de óleo prejudicam mais de 20 mil pescadores em SE

0
Para Marcos Menezes, secretário da Fepese, cada dia que passa é um período a mais de incerteza quanto ao futuro (Foto: Portal Infonet)
Deputada Kitty Lima (Cidadania) explica motivo da audiência (Foto: Portal Infonet)

Durante audiência pública realizada na Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe (Alese) na tarde desta terça-feira, 29, pescadores e marisqueiras levaram sua indignação aos deputados sobre os prejuízos que estão tendo em virtude do aparecimento das manchas de óleo nos rios e mangues de Sergipe. Segundo a Federação dos Pescadores de Sergipe (Fepese), mais de 20 mil profissionais da pesca estão com as vendas prejudicadas e não há, a curto prazo, nenhum plano para modificar essa situação. A audiência foi convocada pela Deputada Estadual Kitty Lima (Cidadania).

“É tudo muito incerto. Mais de dois meses da tragédia e a gente não vê a mobilização que se esperava”, afirma a deputada estadual Kitty Lima. Segundo ela, o objetivo da audiência foi ouvir os pescadores e tentar desenhar um plano de ações eficazes para diminuir os impactos ambientais. “Até hoje não se sabe a fonte e nem por quanto tempo o aparecimento deste óleo vai perdurar. Por isso queremos união”, destaca Kitty.

Pescadores e marisqueiras demonstram preocupação com o futuro (Foto: Portal Infonet)

Para Marcos Menezes, secretário da Fepese, cada dia que passa é um período a mais de incerteza quanto ao futuro. Ele explica que nas últimas semanas, o avanço do óleo chegou aos rios e mangues e, com isso, pescadores e marisqueiras do estado passaram a ser ainda mais afetados. “O pescador vem sendo atingido de todas as maneiras com esse óleo entrando em todos os locais”, lamenta. Menezes também critica a demora do Governo do Estado para tomar uma atitude no tocante ao aparecimento do óleo. “O Governo deveria ter se preocupado no final de agosto quando esse óleo começou a aparecer. Segundo alguns especialistas, vai demorar mais de 20 anos para a natureza se recuperar desse desastre”, acrescenta.

Flávio Marcel, um dos representantes da Frente Socioambiental Sergipana (Foto: Portal Infonet)

Um dos representantes da Frente Socioambiental Sergipana, Flávio Marcel, também enxerga falhas nos governos municipal e estadual em relação à falta de uma política efetiva de contenção das manchas de óleo. “Um dos motivos da Frente Social Ambiental está realizando limpeza de praias e convocando essa audiência junto com a deputada Kitty [Lima] ao lado dos pescadores é justamente a ausência quase que total dos governos municipal e estadual”, afirma Marcel. O ativista também relembra o percusso feito pelo óleo no litoral nordestino e a demora para o poder público agir. “Esse óleo já vem descendo para o litoral do nordeste desde o final de setembro e eles não se prepararam para prevenir a entrada deste óleo no rio Sergipe. Depois que esse óleo chegou à capital é que eles resolveram ver o que poderia ser feito”, argumenta.

Sema

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema) afirmou que tudo aquilo que compete à administração municipal vem sendo realizado com a devida urgência que a causa pede. Segundo a pasta, o governo do município está atuando em três pontos principais: monitoramento, mapa situacional do município e limpeza das praias. “É bom salientar que não estamos parados. Todos os dias há em curso um ação do município para diminuir esses impactos”, afirmou o secretário Alan Lemos. “Esse material que chega à praia precisa ser recolhido o quanto antes. E é justamente isso que temos feito. Solicitamos o apoio do Exército, inclusive, para a retira desses restos de óleo”, destaca Lemos. Ainda segundo ele, há também equipes que fazem um trabalho diário de orientação quanto os riscos das manchas de óleo para os banhistas e turistas.

Governo do Estado de Sergipe 

O Governo do Estado de Sergipe afirmou que desde o início do aparecimento do óleo vem unindo forças com os demais órgãos estaduais, como Administração do Meio Ambiente (Adema) e Defesa Civil para atuar de maneira precisa no tocante ao combate às manchas de óleo. “Como todos sabem, o desastre é de proporção nacional. Mas o Governo de Sergipe, naquilo que é de sua competência, tem desempenhado um papel constantemente atuante”, informa Givaldo Ricardo, Assessor de Comunicação do Governo do Estado. Ainda segundo ele, o Secretário de Estado da Agricultura foi pessoalmente a Brasília para viabilizar a antecipação de dois meses do seguro-defeso destinado aos pescadores. “Isso demostra que estamos sempre em diálogo e buscando soluções para enfrentar os problemas”, afirma o assessor.

por João Paulo Schneider 

Comentários