Concurso da PM: juiz suspende duas questões da prova objetiva

0
Liminar suspendeu duas questões da prova objetiva da PM (Foto: André Moreira)

O juiz Manoel da Costa Neto, da 1ª Vara Cível de São Cristóvão, determinou nesta terça-feira, 14, a suspensão de duas questões da prova objetiva do concurso para soldado da Polícia Militar de Sergipe.

A decisão atende ao pedido de uma candidata que alegou violação no edital, justificando que as questões 87 e 88 abordaram direito penal, assunto que não estaria disposto no conteúdo programático e na regra do certame.

A candidata alegou também que a anulação das questões traria as pontuações necessárias para que ela fosse classificada na próxima etapa do concurso, que seria o Teste de Aptidão Física (TAF); e informou que entrou com recursos administrativo, mas teve o pedido indeferido pela banca examinadora.

Além de determinar a suspensão da validade das duas questões, a liminar do juiz Manoel Costa Neto determinou que a banca examinadora proceda com o recálculo da nota da candidata, sob pena de multa diária de R$ 100 mil reais.

O Portal Infonet tentou contato com a Assessoria de Comunicação da da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), mas não obteve êxito. A equipe de reportagem permanece à disposição por meio do telefone (79) 2106 8000 e do email jornalismo@infonet.com.br.

Relembre o caso

No dia 1º de julho, os irmãos Hygor Ayslan Oliveira Lima, 28 anos, e Aylton Hytalo Oliveira de Lima, 26, foram flagrados com telefones celulares escondidos durante a aplicação da prova objetiva do concurso.  Eles confessaram que pagariam até R$ 20 mil pela aprovação. Logo depois, conforme informação da Seplag, 23 candidatos tiveram os nomes enviados à Polícia Civil por suspeita de tentar fraudar o certame e foram eliminados das próximas etapas.

No dia 2 de agosto, o juiz Manoel da Costa Neto determinou a suspensão da concurso,  atendendo a pedido de dois candidatos que se sentiram prejudicados com a tentativa de fraude. A decisão foi derrubada no dia 10 de agosto pelo desembargador Roberto Eugênio da Fonseca Porto, que avalou que “todo o mecanismo antifraude preparado pela instituição realizadora e pela PM tem a condição de garantir a legitimidade do certame, como também a lisura e a segurança do pleito”. Desde então, o concurso tem um novo cronograma e o TAF (2ª etapa do certame) foi marcado para os dias 20, 21 e 22 de agosto na Universidade Federal de Sergipe (UFS).

 

por Verlane Estácio

Comentários