Inscrições abertas para formação do ensino de história afrobrasileira

0
30 vagas são ofertadas para professores da rede municipal de Aracaju (Foto: PMA)

Com o intuito de estimular ações e projetos pedagógicos que contemplem plenamente a Lei 11.645/08, que torna obrigatório o ensino de história afrobrasileira e indígena nas escolas de Ensino Fundamental, a Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal da Educação (Semed), iniciará o projeto ‘Ilé-Iwé’, que ofertará formação continuada a coordenadores pedagógicos e professores.

A iniciativa é das coordenadorias de Políticas Educacionais para a Diversidade (Coped) e Arte e Educação (Coarte) da Semed. O projeto ainda contará com o apoio da Secretaria Estadual da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc) e das secretarias municipais da Educação de São Cristóvão e Nossa Senhora do Socorro, além do Ministério Público de Sergipe (MP/SE) e o Núcleo de Estudos Afrobrasileiros e Indígenas da Universidade Federal de Sergipe (Neabi/UFS).

Devido às parcerias, o projeto se estenderá aos professores que atuem nos municípios de Aracaju, São Cristóvão e Nossa Senhora do Socorro, além dos docentes da rede estadual. No total, serão ofertadas 120 vagas, 30 para cada rede, e poderão participar o coordenador pedagógico e um professor por escola. Para Aracaju, a Semed disponibilizará vagas para os profissionais que atuem nos últimos anos do Ensino Fundamental.

A formação será realizada em quatro momentos distintos, entre os meses de maio e novembro. O primeiro encontro será realizado no próximo dia 17 de maio, das 8h às 11h, nas salas da Escola Superior do Ministério Público. Este encontro será intitulado ‘Xirê’ e tem como objetivo sensibilizar os gestores escolares no que diz respeito à necessidade de trabalhar as questões pertinentes à lei 11.645/08. Cada encontro terá quatro espaços de discussão, denominados ‘estações’.

No encontro do dia 17, os temas de discussão serão: “Extermínio da juventude negra”, conscientizando acerca do genocídio de jovens negros das periferias, com destaque em Sergipe; “Preto e Comunidade”, enfatizando as relações estabelecidas entre as pessoas negras e não negras nas comunidades periféricas de Sergipe; “Fruição de Bens Culturais”, para dar conhecimento de bens culturais materiais e imateriais produzidos na África, mas também por produtores culturais negros brasileiros e sergipanos; e “Mulheres Pretas”, debatendo os lugares de fala e as vivências das mulheres negras, frente aos contextos socioeconômicos que lhes são impostos.

Inscrição

Os professores da rede municipal de Aracaju que desejam participar do projeto devem solicitar a ficha de inscrição à Coped, através do Whatsapp (79) 98169-5785 ou pelo e-mail copedsemed@gmail.com. O prazo final para inscrição é 14 de maio.

“Ficamos muito felizes que o projeto Ile-Iwe, uma propositura da Semed, tenha sido abraçado não apenas pelo Ministério Público de Sergipe, mas também por secretarias da Educação de outros municípios e mesmo do Estado. Nesse sentido, promoveremos a formação de profissionais da educação atuantes nos Ensinos Fundamental e Médio para uma abordagem mais apropriada dos pressupostos das leis 10639/03 e 11645/08 e da Educação para as Relações Étnico-Raciais. É um projeto inovador, que lançamos em parceria não apenas com instituições governamentais, mas também contando com o apoio de organizações do movimento negro atuante em Sergipe”, destaca a coordenadora da Coped, Maíra Ielena Nascimento.

Fonte: PMA

 

Comentários