Pesquisador sergipano estuda besouro transmissor da doença de Chagas

0
Felipe Mendes, doutorando do Programa de Pós-graduação em Saúde e Ambiente (Foto: divulgação)

O negligenciamento da Doença de Chagas no aspecto da saúde pública na América Latina, além das ações do homem em relação às modificações do meio ambiente, proporcionam a domiciliação dos insetos vetores da doença — os triatomíneos, popularmente conhecidos barbeiros. Assim, é fundamental o surgimento de pesquisas com ênfase nesses transmissores da patologia.

“A partir do conhecimento da fauna triatomínea, ações a respeito da vigilância e controle dos vetores podem ser desenvolvidas em parcerias com os órgãos responsáveis do estado”, comenta Felipe Mendes, doutorando do Programa de Pós-graduação em Saúde e Ambiente da Universidade Tiradentes.

O pesquisador desenvolve o estudo em áreas rurais de municípios que apresentam potencialidades ambientais para a presença dos insetos vetores da Doença de Chagas.

O trabalho é realizado no Laboratório de Biologia Tropical (LBT), coordenado pelo professor doutor  Rubens Riscala Madi, e no Laboratório de Doenças Infecciosas e Parasitárias (LDIP), coordenado pela professora doutora Cláudia Moura de Melo ambos localizados no Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP), do Grupo Tiradentes.

“O trabalho visa avaliar a positividade para o protozoário Trypanosoma cruzi, agente etiológico da Doença de Chagas. Ainda estamos no período de coleta, mas posso adiantar que alguns insetos coletados estavam positivos para uma espécie de Trypanosoma. No decorrer do trabalho, serão discutidas possíveis ações de vigilância e controle dos barbeiros nos respectivos municípios”, declara.

A pesquisa é desenvolvida em parceria com a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus Araraquara (Unesp/Araraquara), por meio do Programa de Pós-graduação em Biociências e Biotecnologia Aplicada à Farmácia. “Acho importante destacar esta parceria, pois tive a oportunidade de participar do programa de mobilidade acadêmica em pesquisas relacionadas à fauna vetorial e circulação de patógenos responsáveis pela transmissão de doenças parasitárias no Brasil”, salienta.

“Na Unesp, fui recepcionado no Laboratório de Parasitologia da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, que conta com um grupo de pesquisa entomológico coordenado pelos professores Mara Cristina Pinto e João Aristeu da Rosa, com destaque em pesquisas relacionadas aos vetores de Leishmaniose e Doenças de Chagas. Durante a estadia, participei de treinamentos e atividades relacionadas aos estudos de triatomíneos, orientados pelo Dr. Jader de Oliveira”, acrescenta.

Felipe Mendes é egresso do curso de Ciências Biológicas da Universidade Tiradentes e mestre pelo Programa de Pós-graduação em Saúde e Ambiente da Unit.

Fonte: Unit

A matéria foi atualizada no dia 02/08 para alteração de foto.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais