Conheça os candidatos ao Governo

0

No próximo dia 3 de outubro os sergipanos irão as urnas, para escolher dentre o Presidente da República, Senadores e deputado estadual e federal, e um candidato para governar Sergipe. Com o objetivo de apresentar os concorrentes, um dos quais governará o Estado por quatro anos, o Portal Infonet preparou um material com o perfil de todos os candidatos ao cargo Marjoritário. Confira:

Arivaldo José

O candidato ao Governo do Estado, pelo Partido Social Democrata Cristão – PSDC, Arivaldo José dos Santos, 66 (sessenta e seis) anos, nasceu no Município de Lagarto, em 25 de março de 1944.

É casado, pai de 5 filhos, avô de 3 netos, é Cristão, Pastor Batista – por vocação – com 37 (trinta e sete) anos de exercício pastoral, jubilado. É administrador público, com especialidade em Economia do Trabalho, por profissão, aposentado pela Universidade Federal de Sergipe, exerce hoje a Presidência da Federação Nacional das Associações dos Servidores Aposentados e pensionistas das Instituições de Ensino (Fenafe), com militância nos Movimentos Sociais, local e nacional.

Avilete Cruz

Professora Avilete Silva Cruz é candidata a Governadora do Estado de Sergipe pelo PSOL – Partido Socialismo e Liberdade, com o  nº 50 e usará o condinome PROFESSORA AVILETE.

Ela tem 58 anos, é separada judicialmente, tem 1 filho e é espírita. Licenciada em Técnicas Industriais pelo Centro de Educação Técnica da Bahia, Licenciada em Pedagogia com habilitação em Administração Escolar pela Universidade Federal de Sergipe, possui Pós-Graduação em Informática Educativa pela Escola Técnica Federal de Sergipe em convênio com o Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, possui Pós-Graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela FACINTER – Faculdade Internacional de Curitiba/IBPEX – Instituto Brasileiro de Pós-Graduação e Extensão, tem Curso de Formação em Terapia de Vivências Passadas e Aperfeiçoamento em Técnicas Transpessoais pela Universidade Federal de Sergipe (UFS ); Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários e PHOENIX – Centro de Desenvolvimento Transpessoal, Mestrado em Educação pela UFS e atualmente faz curso de  Psicanálise pela APA – Associação Psicanalítica de Aracaju.

É Pedagoga aposentada da Rede Estadual de Ensino e Professora de Educação de Jovens e Adultos há 22 anos na Rede Pública Municipal de Ensino de Aracaju. Desde 2009, leciona na Rede Municipal de Aracaju a disciplina Religião e também trabalha no Laboratório de Informática Educativa da EMEF “José Conrado de Araújo”. Também é terapeuta holística, trabalhando com aplicação de reiki, respiração pranayama, psicologia transpessoal e terapia de vivências passadas.

A candidata publicou em abril de 2008 o livro “Procurando Caminhos – pesquisa sobre a qualidade do processo ensino-aprendizagem em escola pública de Sergipe”. Desde 1980 milita no movimento sindical dos Professores da Rede Estadual e Municipal. Foi fundadora do PT Estadual e da CUT Nacional tendo se afastado de ambos por divergências ideológico-políticas em 1984. Desde 2004 vem construindo o PSOL, por entender que no momento político partidário nacional, ainda é a única sigla que defende os interesses populares e de classe. Avilette é autora do livro A qualidade do processo ensino/aprendizagem em escola pública de Sergipe

Francisco Henrique de Aragão

Francisco Henrique de Aragão (PRTB) , mais conhecido como henrique do grupo Mexa-se,nasceu em 1° de Fevereira de 1966 em Aracaju (SE). Estudou até o primeiro grau, é casado e tem três filhos.

Henrique atua como líder comunitário há mais de 20 anos no estado e foi colaborador do Sindicato dos Caminhoneiros do Estado de Sergipe. No ano de 2004 concorreu a vereador pelo PSB, mas não foi eleito. É fundador do grupo Mexa-se, uma organização sem fins lucrativos, situada em Nossa Senhora do Socorro, que oferece cursos profissionalizantes e outras assistências à comunidade

João Alves

João Alves nasceu na capital sergipana, no bairro Santo Antônio. Sua trajetória política teve início aos vinte anos, quando ingressou no curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica da Universidade da Bahia. Nesse período, foi membro da Juventude Universitária Católica (JUC) e redator do jornal da frente única das esquerdas e só deixou e exercer essa função a partir do golpe de 1964.

O candidadto ao governo de Sergipe, Iniciou sua carreira pública assumindo a prefeitura de Aracaju no ano de 1974, a principal prefeitura da administração sergipana, durante a gestão de José Rollemberg Leite.

João Foi eleito governador em 1982 e nomeado Ministro de Estado do Interior pelo Presidente José Sarney em 1987. Em 1998, concorreu novamente ao governo de Sergipe, mas foi derrotado, ficou apenas em segundo lugar perdendo para o seu ex-aliado Albano Franco.

Em 1991 João volta ao Governo do Estado derrotando o candidato petista Jose´Edurado Dutra. O mesmo aconteceu em 2002,quando obteve sucesso, também derrotando o então senador José Eduardo Dutra. Em 2006, João Alves partia para o quarto mandato,mas não obteve êxito, e perdeu o cargo , na ocasião, para  o ex-prefeito Marcelo Déda.

Leonardo Victor

Leonardo Victor Dias, é professor de espanhol, Nasceu no Rio de Janeiro em 1° de março de 1975, é o Secretário Político do Partido Comunista Brasileiro em Sergipe.

Iniciou sua atividade política ainda na adolescência, no Colégio Minas Gerais na Urca – RJ como delegado para o congresso da UBES em 1989. Ao mudar-se para Sergipe em 1991, entrou para o Colégio Atheneu, de grande tradição na política estudantil e foi recrutado pela UJC. Passou então a ter contato com o marxismo e com o PCB e continuou participando ativamente do movimento estudantil secundarista. Em 1995 é eleito membro da executiva da UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas)

Em 1997 vai para o Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes, em Cuba. Neste mesmo ano resolve estudar Geografia para conhecer melhor o modelo socialista cubano. No final de 1999 retorna ao Brasil e passa a fazer parte da Associação Cultural José Martí e retoma a militância no PCB. Em 2001 torna-se Secretário Político do PCB em Aracaju. Em 2003 fica responsável pela formação política do Partido no estado de Sergipe. Atualmente é o Secretário Político do PCB em Sergipe, assessor da Secretaria de Relações Internacionais do Comitê Central do Partido Comunista Brasileiro além de  candidato ao governo do estado.

Marcelo Déda

Marcelo Déda Chagas nasceu em 11 de março de 1960 na cidade de Simão Dias (SE), a 110 km de Aracaju.È casado pai de cinco filhos. Aos 13 anos, deixou a cidade para estudar na capital, onde se formou em Direito.

Começou a militância política no movimento estudantil, em pleno regime militar e participando de congressos da União Nacional dos Estudantes (UNE). Com 21 anos o candidato Marcelo Déda se filiou Ao PT, isso no ano de 1981.

Aos 25 anos, candidatou-se a prefeito de Aracaju pela primeira vez, ficando em segundo lugar e servindo de experiência para se tornar conhecido no Estado. No ano seguinte, Déda foi candidato a deputado Estadual e se elegeu com cerca de 32 mil votos. Foi o deputado estadual com a maior votação de um parlamentar da história de Sergipe até então. Em 1994 Marcelo Déda se elegeu deputado federal e foi reeleito em 1998, com 83 mil votos, a maior votação proporcional do país naquele ano. Em 2000, foi eleito prefeito de Aracaju. Na reeleição em 2004 Déda chegou a vitória no primeiro turno com 71,38% dos votos contra a candidata Susana Azevedo (PPS).

Mas em março de 2006 Déda deixou o cargo de prefeito para concorrer pela primeira vez ao governo do Estado. Marcelo Déda foi eleito governador do Estado de Sergipe com 52,46% dos votos válidos, segundo dados do Tribunal Superior eleitoral.

Também em 2006 Déda era acusado de atos de corrupção, devido a um suposto superfaturamento de contratação de espetáculos pela Prefeitura de Aracaju. Marcelo Déda foi ainda condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), em julho, a pagar multa de cerca de R$ 34 mil, por propaganda eleitoral irregular. O candidato entrou com recurso no TRE contra a ação movida pelo Ministério Público. Segundo a promotoria, Déda teria utilizado inserções de rádio e TV destinadas à propaganda partidária para promover a própria candidatura. Na noite de terça-feira, 21, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manteve o mandato do governador de Sergipe Marcelo Déda.

Vera Lúcia

Vera Lúcia, candidata ao governo de Sergipe pelo Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU).

Vera Lúcia Pereira da Silva Salgado é casada, mãe de duas filhas, nasceu no dia 12 de setembro de 1967, no município de Inajá, Pernambuco e chegou a Aracaju aos 11 anos de idade.

Começou a trabalhar aos 14 anos. Foi garçonete, datilografa e escrituraria. Aos 19 anos tornou-se operária da indústria de calçados, quando iniciou sua militância sindical.

Fundou o Sindicato dos Coureiros e Sapateiros do Estado de Sergipe e em 1991, unificou o sindicato com os trabalhadores do ramo têxtil e confecção, fundando o Sinditextil. Como dirigente do Sinditextil, Vera Lúcia foi eleita diretora da Central Única dos Trabalhadores e da Federação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Têxtil. Em 1994, mesmo sendo dirigente sindical, Vera Lúcia foi demitida por organizar a lutas dos trabalhadores. No mesmo ano, foi admitida como funcionária do Sindicato dos Petroleiros onde trabalhou até o ano 2009.

Vera Lúcia foi militante do Partido dos Trabalhadores até 1992, Em 1994, junto com milhares ativistas dos movimentos sociais, funda o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU). Em 2004, representando o Sindicato dos Trabalhadores em Entidades Sindicais (SINTES), Vera Lúcia, e outros dirigentes sindicais, rompe com a CUT para fundar a Central Sindical e Popular – CONLUTAS (Coordenação Nacional de Lutas).

Vera Lúcia já foi candidata à deputada federal em 2006, prefeita de Aracaju, em 2004 e 2008. Atualmente, é a Presidente do Diretório Estadual do PSTU. Hoje Vera Lúcia é educadora sindical pelo Instituto Latino-Americano de Estudos Sócio-Econômicos (ILAESE) e graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Sergipe(UFS), além de candidata ao Governo de Sergipe

Por Alcione Martins e Bruno Antunes

Comentários