Prefeitura de Aracaju pedirá ilegalidade das greves dos servidores

0

Diversas categorias estão paralisadas / Foto: Portal Infonet
O secretário de Governo, Bosco Rollemberg, confirmou a informação de que a Prefeitura de Aracaju entrou com pedido de ilegalidade das greves que estão sendo realizadas pelos servidores municipais. Assim como foi feito com a paralisação dos médicos, a Procuradoria Geral do Município solicitou à Justiça a ilegalidade dos movimentos grevistas que acontecem em Aracaju. Professores, procuradores, enfermeiros, agentes de saúde e de endemias, dentistas e servidores da administração se encontram paralisados.

“As possibilidades de negociação com as categorias foram esgotadas e demos um reajuste de 1%, que estava dentro do limite prudencial”, explicou Bosco. De acordo com ele, “diante da queda nas receitas do município, os servidores terão ainda um ganho real de 4,5%”. A decisão da Justiça sobre a ilegalidade das greves será divulgada nos próximos dias.

Edvaldo se compara a Jesus Cristo
Edvaldo e Jesus Cristo

Na manhã desta quarta-feira, durante anúncio das mudanças de seu secretariado, o prefeito Edvaldo Nogueira criticou as categorias de servidores que estão em greve. Para ele, o momento de crise financeira deve ser visto com cautela e por isso, “os servidores deveriam reavaliar os movimentos grevistas”.

Edvaldo chegou, inclusive, a se comparar com Jesus Cristo, ao tratar da atual relação com os sindicatos que estão se manifestando contra o aumento de 1%. “Se até Jesus foi traído, abandonado pelos apóstolos e negado por um deles, eu não poderia esperar uma movimentação diferente dos servidores”, desabafou o prefeito.

 

Bosco Rollemberg / Foto: Arquivo Infonet
Ele declarou que esperava que os servidores fossem mais sensíveis ao período de crise mundial. “Estamos enfrentando um momento atípico e fizemos o máximo de esforços para garantir o reajuste dos servidores e, além disso, já tínhamos dado um aumento quando o salário mínimo foi elevado”, ressaltou Edvaldo.

Situação pode piorar

Caso a crise financeira não seja superada até o final deste ano, demissões poderão ser feitas na prefeitura. “As secretarias já estão passando por reduções e caso não haja melhorias, funcionários comissionados terão que ser demitidos, para adequação das contas”, explicou o prefeito.

Ele informou também que viajará nesta quinta-feira, 16, para Brasília, para participar de um encontro de prefeitos de capitais para pedir auxílio financeiro para o Governo Federal.

Por Valter Lima

Comentários