Procuradores renunciam cargos de chefia no MPF de Sergipe

0
Ramiro Rockenbach pede exoneração em ofício enviado à PGR (Foto: Jadilson Simões/Ascom Alese)

Os procuradores da República em Sergipe, Ramiro Rockenbach, e Flávio Matias, indicados para chefiar o Ministério Público Federal (MPF) e tomariam posse no dia primeiro de outubro, respectivamente como procurador-chefe e substituto, pediram exoneração dos cargos em ofício enviado à Procuradoria Geral da República (PGR) nesta sexta-feira, 6. A reação dos procuradores em Sergipe caracteriza-se como protesto à postura do presidente Jair Bolsonaro em nomear Augusto Aras como procurador-geral da república, sem observar a lista tríplice [que contém os nomes indicados em eleição direta da categoria em todo o país].

Pela manhã, a procuradora regional eleitoral em Sergipe, Eunice Dantas, desabafou a contrariedade em redes sociais. E a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) emitiu nota pública em repúdio à iniciativa do presidente Jair Bolsonaro.

No ofício, endereçado à atual procuradora-geral Raquel Dodge, o procurador-chefe Ramiro Rockenbach classifica como grave a postura do presidente Jair Bolsonaro em ignorar a lista tríplice, cujo procedimento ele considera como “legado pelo bem da nação brasileira”.

O procurador-chefe Ramiro Rockenbach se impõe contra a justificativa de Bolsonaro para indicar Augusto Aras, que sequer estava na relação dos mais votados. “Mais grave que ignorar a lista tríplice, restou indicado um nome sob justificativa de alinhamento”, destaca o procurador, em um trecho do ofício enviado à procuradora-geral da república. “PGR não existe para alinhar com governo algum, mas para exercer o controle dele, com base na constituição, nas leis e em defesa do povo brasileiro”, complementa o procurador, no documento.

O Portal Infonet tentou ouvir a PGR, em Brasília. A assessoria de imprensa informou que o ofício, para chegar às mãos da procuradora-chefe, obedece a um trâmite interno e que o documento ainda não chegou às mãos da procuradora-geral.

por Cassia Santana

Comentários