Covid-19: Prefeitura prepara mais de 200 leitos de retaguarda

0
A gestão municipal vem planejando e estruturando mais de 200 leitos de retaguarda (Foto: Ana Lícia Menezes)

Com base no Plano de Contingência para o enfrentamento ao novo coronavírus, a Prefeitura de Aracaju vem se preparando para atender aos pacientes que necessitem de atendimento durante a pandemia. Para isso, além de investir nas oito Unidades Básicas de Saúde que atendem exclusivamente casos de síndromes gripais, bem como no serviço ofertado nos contêineres instalados na área externa da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Fernando Franco, a gestão municipal vem planejando e estruturando mais de 200 leitos de retaguarda.

Para o atendimento específico de pacientes com covid-19 que necessitem de internamento, são sete leitos já disponíveis na UPA Fernando Franco, outros sete leitos previstos na UPA Nestor Piva, 20 leitos contratados no Hospital São José e outros 16 que serão contratados no Hospital Universitário. A Saúde de Aracaju também preparou mais 20 leitos no prédio do Centro de Apoio Psicossocial (Caps) Jael Patrício de Lima, entregues na quinta-feira (16), e iniciou a estruturação do Centro de Atendimento Provisório – hospital de campanha -, que contará com mais 152 leitos.

“Temos investido com base nas projeções que temos feito diante desse cenário de pandemia, nos preparando para garantir um atendimento de qualidade. O espaço do Caps Jael Patrício está pronto e foi muito bem equipado para atender àqueles que se enquadrarem em casos de baixa e média complexidades. É um momento muito importante e estou muito feliz porque, a partir desta quinta-feira, já teremos disponível um novo local para atendimento exclusivo de pacientes com covid-19 na capital. Toda a estrutura que a Prefeitura tem planejado, incluindo o hospital de campanha, é para que os aracajuanos tenham toda a assistência de que precisarem”, destaca o prefeito Edvaldo Nogueira.

A secretária da Saúde, Waneska ,ressalta a importância de se antecipar na garantia de oferta desses leitos, para que todos os equipamentos de saúde disponíveis tenham um bom fluxo. “Com o avanço do nível Emergência em Saúde Pública previsto em nosso Plano de Contingência, a oferta de leitos de retaguarda se faz necessária, visto que o número de casos crescente pode sobrecarregar os equipamentos de saúde de que dispomos. Para isso, além da estruturação das unidades básicas, com atendimento exclusivo, os casos de baixa e média complexidade que necessitam de internamento serão atendidos nesses leitos de retaguarda. Precisamos nos antecipar para uma possível alta no número de pessoas internadas, e por isso já estão aptos e devidamente equipados os leitos do Hospital Fernando Franco e do Caps Jael”, garante a secretária.

De acordo com o coordenador da Rede de Urgência e Emergência (REUE) do Município, Júlio Lima, a preparação desses leitos de retaguarda envolve, além da parte humana, com a contratação e remanejamento de profissionais de saúde, a parte de equipamentos e insumos. “A Prefeitura vem se estruturando na parte de equipamentos, de pessoal, colocando todo suporte necessário da parte ventilatória, que é o mais acometido nesses pacientes, bem como a parte de material, medicamentos, insumos, tudo aquilo que a gente precisa para fazer o atendimento desse perfil de paciente”, explica.

Fluxo de atendimento

Sobre o perfil do paciente que será encaminhado para os leitos de retaguarda, o coordenador da Reue explicou que inicialmente eles receberão atendimento nas unidades de referência, e havendo necessidade de internamento, será realizada a solicitação através do Núcleo de Interno de Regulação (NIR) próprio da Secretaria.

“O paciente que precisar ser transferido para um dos leitos de retaguarda vai ser regulado pelo NIR, e será destinado para o leito adequado à necessidade dele. Vai ter um formulário a ser preenchido online recebido pelo NIR, que vai ter o painel de leitos onde vai verificar a disponibilidade de acordo com o perfil do paciente e do que ele precisa. O NIR vai ter a especificação do que cada leito tem”, detalha Júlio Lima.

O coordenador explica ainda que, no Fernando Franco e no hospital de campanha também haverá retaguarda de equipamentos, para atender aos pacientes que possam agravar o quadro clínico. “Os pacientes que estiverem internados em nossas unidades, e precisem de um procedimento mais complexo, realizamos a assistência inicial, fazemos todo procedimento de intubação e estabilização do paciente e solicitamos a vaga ao Estado, através da Central de Regulação de leitos deles, para que o paciente seja transferido para a Unidade de Terapia Intensiva. Ele não vai deixar de ser assistido, ele fica sendo atendido até a vaga ser liberada pelo Estado”, completa Júlio Lima.

Fonte: Prefeitura de Aracaju

Comentários