Remédio para hanseníase ainda segue sem previsão de chegada em SE

0
Ainda não existe uma data exata para o retorno da distribuição do medicamento (Foto: Freepik)

Em falta há um mês, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) confirmou nesta quinta-feira, 7, que a ‘poliquimioterapia’, fundamental para tratamento da hanseníase, ainda não está disponível para distribuição em Sergipe.  O medicamento é fornecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a todos os países endêmicos, incluindo o Brasil, através do Ministério da Saúde.

A SES havia informado em nota que, excepcionalmente, no ano de 2020, ocorreu um desabastecimento a nível mundial, impactando no abastecimento da rede SUS. A previsão de recebimento, segundo o Ministério da Saúde, seria até o final deste mês de dezembro. Mas até o momento não há uma confirmação sobre a chegada do remédio.

Nesta quinta-feira, 7, o Ministério da Saúde explicou que a Poliquimioterapia, utilizada para o tratamento de pacientes com hanseníase, é disponibilizada a partir de doação internacional da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS/OMS).  Segundo o MS, a chegada do medicamento estava prevista para outubro de 2020, entretanto, os testes finais realizados no produto detectaram impurezas (desvio na qualidade) nos lotes que seriam enviados ao Brasil. Desta forma, foi necessária a produção de novos lotes do medicamento.

O Ministério da Saúde informou ainda que está em tratativas para que o medicamento chegue ao país o mais breve possível. As orientações para os estados sobre como agir diante deste imprevisto, segundo o MS, podem ser acessadas na Nota Técnica publicada pelo Ministério da Saúde.

Hanseníase

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde da Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), o tratamento da hanseníase no Brasil é feito nos postos de saúde e os medicamentos são fornecidos gratuitamente aos pacientes, que são acompanhados durante todo o tratamento, por isso, o remédio não pode ser encontrado à venda nas farmácias.

Ainda de acordo com a OPAS/OMS, a hanseníase é uma doença infecciosa, de evolução crônica (muito longa) causada por um micro-organismo que atinge principalmente a pele e os nervos das extremidades do corpo, porém a doença apresenta cura através do tratamento ofertado pelo SUS.

por João Paulo Schneider

 

A matéria foi alterada às 16h para acréscimo de nota enviada pelo MS. 
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais