Renais: transplantes em Sergipe voltarão em seis meses

0
Renais crônicos continuam criticando falta de vagas em clínicas privadas (Foto: Portal Infonet)

O superintendente do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) e secretário adjunto da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Luiz Eduardo Correia, informou que dentro de seis meses o Governo do Estado voltará a realizar os transplantes de renais crônicos dentro do Estado. É que as obras do setor onde serão feitas as cirurgias terminarão neste prazo.

Atualmente, os pacientes só podem fazer o procedimento em outros estados. “Estamos providenciando os transplantes aqui no Huse, temos o espaço, estamos em fase de licitação de equipamentos e temos equipes. Vamos providenciar junto ao Ministério da Saúde. Vamos acelerar e devemos ter pronto em um prazo de seis meses", garantiu.

A declaração foi dada ao Portal Infonet ao questioná-lo sobre a situação dos renais crônicos que se encontram no Huse, que precisam de transferência para tratamento em unidades conveniadas ao Sistema Único de Saúde (SUS) e também de transplantes.

A Associação dos Renais Crônicos de Sergipe (Acrese) continua indo ao Hospital para protestar contra a falta de vagas. O presidente da Acrese, Lúcio Alves, teceu duras palavras aos gestores da saúde do Estado, indignado com a situação enfrentada pelos pacientes da nefrologia. “Quando recebe o diagnóstico, tem na verdade uma sentença de morte. Se torna extremamente vulnerável, e não pode estar exposta a situações de risco, a bactérias, podendo ter depressão, ansiedade e até trazer a pessoa a óbito, como tem acontecido. É um absurdo”, criticou.

Lúcio Alves tece duras críticas à gestão da saúde em Sergipe (Foto: Portal Infonet)

Os associados alegam que há pessoas dentro do Huse há quatro meses, aguardando a transferência para uma unidade conveniada. “Quando o paciente chega em urgência dialítica, vem para cá colocar o cateter, estabilizar a doença, e depois são levados às clínicas de hemodiálise, para o tratamento ambulatorial”.

Transplantes

Os transplantes para os renais crônicos não são feitos em Sergipe. O paciente que precisa do procedimento é encaminhado para outros estados e recebe uma diária de aproximadamente R$24, segundo Lúcio Alves. “É assinar um atestado de incompetência aqui não ter, uma vergonha. Inadmissível. Esse dinheiro mal dá para comer, como vão fazer transplante? Isso é uma forma de apontar o caminho do cemitério”, disparou.

O superintendente do Huse, Luiz Eduardo, disse também que a responsabilidade de pleitear vagas nas clínicas privadas é dos municípios. Neste caso, de Itabaiana e Aracaju. "Eles quem devem providenciar as vagas, nós aqui precisamos dos leitos, Tem gente em condições de ter alta, mas que estão aqui como internados". 

Por Victor Siqueira

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais