Almeida e o lapso de memória

0

A TV Sergipe vem realizando entrevistas com todos os candidatos a prefeito de Aracaju, por ordem de um sorteio realizado. Ontem, 19, foi a vez do candidato Almeida Lima, senador do PMDB.

 

Almeida Lima respondeu perguntas e lembrou do período em que administrou Aracaju por dois anos e nove meses, de março de 94 a dezembro de 1996, por conta da renuncia do então prefeito, Jackson Barreto, que deixou a Prefeitura para ser candidato ao governo do Estado.

 

O candidato do PMDB acerta quanto tenta puxar da memória dos aracajuanos o período que passou à frente da Prefeitura, onde iniciou um processo de reestruturação da máquina e ações diversas. Almeida não conseguiu fazer o sucessor, Garibaldi Mendonça e tão pouco foi feliz quando se candidatou no ano 2000 e Marcelo Déda ganhou a disputa no primeiro turno.

 

Porém, ontem, na entrevista a TV Sergipe, Almeida Lima desconversou quando foi questionado sobre a defesa de Renan Calheiros no Senado Federal e o possível apoio que o senador alagoano está dando a campanha dele. Disse que nesse episódio atuou “apenas como relator do processo”. Neste caso, Almeida Lima torce para que a memória dos aracajuanos desapareça completamente, mesmo com um fato recente de repercussão nacional.

 

Almeida Lima esquece ou deseja que o aracajuano esqueça que ele foi relator de um dos processos de Renan pela defesa exagerada que fazia de Renan. Por isso foi um dos últimos a ser escolhido para a comissão. Leia o que foi publicado na FPS no dia 05  julho de 2007: “Almeida Lima é chamado de “Rolando Lero” por seus colegas devido a seus discursos, considerados longos e prolixos. Lero era personagem do programa “Escolinha do Professor Raimundo”, interpretado pelo falecido ator Rogério Cardoso”.

 

Naquele momento, Renan tinha prometido a Almeida o comando do PMDB em Sergipe. Não conseguiu todo, mas conseguiu o diretório de Aracaju. Almeida Lima tem, como candidato, de apresentar suas propostas, mas não bote, em nenhum momento querer que o aracajuano esqueça de seu passado recente, que, lamentavelmente envergonhou Sergipe. Nunca se viu um parlamentar sergipano fazer uma defesa tão veemente de outro colega envolvido num escândalo de recebimento de recursos de um lobista.

 

Que as propostas sejam apresentadas aos aracajuanos, mas que Almeida não queria que o eleitorado só tenha memória para o tempo que ele foi prefeito de Aracaju. Depois disso, tem um período de alguns meses, onde o “lero” de Almeida Lima foi vergonha para todos os sergipanos e alegria para alguns alagoanos, entre eles Renan Calheiros. Esse lapso de memória de Almeida é imperdoável…

 

Marly renuncia candidatura em Tobias

A prefeita Marly Barreto renunciou ontem à candidatura à reeleição. A decisão foi tomada após reunião com as lideranças que apóiam a candidatura dela. Desde a renuncia do vice, Marly vinha recebendo pressões, mesmo estando com cerca de 20% de intenções de votos em várias pesquisas. O grupo político da prefeita vai decidir em bloco nos próximos dias o candidato que apoiará.

 

“Campanha já está quente”, diz Almeida

Apesar das constantes opiniões emitidas pela mídia de que a campanha eleitoral está ainda fria neste ano, inclusive através de depoimentos de candidatos, o senador Almeida Lima, que concorre à prefeitura de Aracaju pelo PMDB, avalia que a participação popular tem dado o tom da campanha. “Ao menos a minha candidatura está sendo bem aceita pela sociedade. E as pessoas estão garantindo o calor humano necessário para que tenhamos uma campanha quente e com muita mobilização”, destaca. Como exemplo, Almeida Lima cita a Passeata Prefeito de Verdade, realizada na última sexta-feira (15) pela coligação A Gente Pode. “Reunimos milhares de pessoas não para ver um show artístico. Elas estiveram presentes por conta de nossas propostas e por um desejo de mudança que está dentro dos corações aracajuanos”, disse.

 

Alegria da comunidade do Grageru

A comunidade do bairro Grageru, próximo ao CCPA está alegre porque a Emurb está limpando um terreno baldio que deverá ser uma praça em breve. A preocupação dos moradores e da vizinhança é que um ex-prefeito voltasse ao cargo e resolvesse colocar a venda o local da praça como tentou num passado recente. Eitá memória boa destes aracajuanos…

 

Atenção juiz eleitoral: Shomício em Neópolis

Em Neópolis, o candidato a prefeito Aminthas Diniz, do PDT, levou para seu comício a vocalista Paulinha, da banda Calcinha Preta. Ela subiu no palanque, pediu voto e pediu para o povo cantar a música de Aminthas. Um eleitor do candidato adversário tentou filmar a irregularidade, foi xingado e apanhou de um ex-vereador, que é parente do candidato majoritário a vice.Além do crime eleitoral, segundo resolução do TSE, houve injúria e lesão corporal, no qual foi constatado por meio de corpo de delito no IML. Sobram elementos para impugnação da candidatura de Aminthas, depende apenas da Justiça Eleitoral.

 

Dos “bicudos” de Monte Alegre

No último final de semana o governador Marcelo Déda esteve em Monte Alegre, onde apóia a candidatura de Aragão e aproveitou para fazer uma metáfora com os “Bicudos” como é denominado o grupo adversário de Aragão. No discurso, Déda mencionou que a cultura de algodão já foi uma das grandes riquezas do sertão, mas foi destruída pelo “bicudo”. Em seguida comparou a gestão de Aragão a uma plantação repleta de realizações sociais e urbanas, numa safra de felicidade para o povo e pediu que não deixassem os “Bicudos” destruírem essa plantação de obras e serviços.

 

Respeito ao ex-governador João Alves

Ontem, 19, o governador explicou que em nenhum momento se referiu ao ex-governador João Alves Filho ou outro político da oposição como foi interpretado erradamente por alguns que estavam no ato público. “Não é minha prática fazer ofensas pessoais aos meus adversários, mas enfrentar as suas concepções políticas e seus estilos administrativos e criticar as suas idéias e doutrinas. Repito que não mencionei o ex-governador nem atribui a ele nenhum apelido ou denominação, limitando a minha referência a fazer um trocadilho com a denominação tradicional dos adversários do prefeito Aragão”, explicou.

 

Denominações no interior

Além dos “Bicudos”, de Monte Alegre, tem outras denominações mais conhecidas dos sergipanos, como o Bole-Bole e o Saramandaia em Lagarto. Outros mais desconhecidos como Crocodilos e Jacarés em Simão Dias, e Guinés e Perus em Ribeirópolis e por aí vai…

 

Ainda o concurso de Estância

O blog recebeu a informação que a assessoria jurídica de Estância está analisando se pode dar posse aos concursados neste período eleitoral. Só para lembrar: o concurso foi homologado nos período correto e a disponibilidade financeira também está prevista no Orçamento deste ano. Não tem problema, só falta vontade política.

 

Resposta de candidata de Salgado I

Da Assessoria da Candidata Janete Barbosa (PMDB): “As pessoas que estão acusando o governador de cometer injustiça com o nosso adversário, na verdade é que estão sendo injustas. Afinal, como na própria nota está escrito, o PT, ocupa o lugar de vice-prefeito em nossa coligação, espaço conquistado através de um diálogo sério, respeitoso, e ao contrário do que lhe informaram, não foi o deputado Augusto Bezerra (DEM), mas sim o presidente do PT Estadual, Márcio Macedo, e o ex-deputado Jorge Alberto (PMDB), aliado político há muito tempo. Em 2004, Janete Barbosa foi eleita na coligação da qual faziam parte o PT / PMDB / PL / PPS / PRTB / PV / PRP e PC do B, disputando contra Raimundo Araujo (PFL), hoje DEM, que tinha na sua coligação o PP / PDT / PFL / PRONA / PT do B”.

 

Resposta de candidata de Salgado II

Continua a assessoria da candidata: “Quem lhe falou da injustiça, não lhe disse que hoje, o candidato a vice-prefeito na chapa do PSB, nosso adversário, é exatamente o senhor Raimundo Araújo, o qual mantém fortes laços políticos com os irmãos Fonseca (Cleonâncio e Venâncio), além, é claro, das suas ligações fraternais com o ex-governador João Alves. Deste modo, em nome da verdade, é que estamos enviando-lhe estas informações, com o objetivo de que os seus leitores façam eles mesmos, suas reflexões e vejam, de forma clara, o que realmente está acontecendo aqui em Salgado. Em tempo, já que consideraram injustiça do governador, porque não foram ao mesmo e lhe ofereceram o lugar de vice-prefeito para o PT como nós fizemos?”

 

Mais uma de Tonho Pereba

Eu vou pedir ao Gilmar,

que toda prisão anula,

que mande também soltar

a língua presa do Lula. Tonho Pereba

 

Derrota da Seleção

De futebol não entendes,

Dunga, e és muito devagar.

É melhor chamar o Mendes

pra Seleção se soltar. Tonho Pereba

 

Carros de Som: Justiça está disciplinando I

Este espaço vem cobrando da Justiça Eleitoral uma ação para disciplinar o uso do carro de som durante este período eleitoral. É um absurdo! Tem candidato que não percebe que está perdendo voto do eleitor com o barulho constante que seus carros de som vêm fazendo nas ruas de Aracaju. Na orla da Atalaia é uma disputa acirrada onde ninguém escuta nada, e, principalmente os freqüentadores de bares e restaurantes têm seus tímpanos, literalmente furados, pelo barulho ensurdecedor destes veículos.

 

Carros de Som: Justiça está disciplinando II

No início do mês este espaço cobrou uma posição da Justiça Eleitoral, através do artigo “Campanha eleitoral: tenham bom senso”. Pois bem, não é que surgiu uma luz no final deste barulho todo, ou melhor, do túnel. Ontem, 19, na sede da Procuradoria Regional Eleitoral, o procurador Paulo Fontes e o promotor da 36ª Zona Eleitoral, Marcílio Pinto, realizaram uma reunião para debater a utilização dos carros de som, em especial na orla da Atalaia. Desde domingo os carros estão se concentrando em um espaço na orla e a SMTT liberando paulatinamente, com intervalo entre um e outro. Nova reunião já foi convocada para o dia 27 de agosto, às 9h30min. Terá o objetivo de regulamentar a campanha no domingo do dia 31 de agosto, quando acontecerá na orla a parada gay e no dia 07 de setembro, quando dos desfiles cívicos do dia da Independência. “Estamos tentando conciliar o direito à tranqüilidade dos cidadãos com a liberdade de propaganda eleitoral. É preciso a compreensão e o empenho de todos”, afirmou o procurador Paulo Guedes.

 

Escritório virtual em Sergipe

No inicio deste mês a revista Veja publicou ampla matéria sobre os escritórios virtuais, conhecidos também como centro de negócios. Estes espaços surgiram para acolher os profissionais que cansaram do isolamento do trabalho em casa e desejam também uma estrutura melhor. Aracaju, em setembro terá um espaço deste no bairro Jardins, que vem contribuir para a expansão do mercado sergipano.

 

Manifestações no ambiente de trabalho

Da assessoria de Comunicação Empresarial da Deso: “Sobre a nota “Liberdade ameaçada na Deso”, publicada em sua coluna no dia de hoje, dia 19, temos a informar que a Direção da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) apenas não permite manifestações no ambiente de trabalho da empresa para que não atrapalhe o bom andamento dos serviços prestados. Não se trata de perseguição ou ameaça, apenas que a força de trabalho não seja prejudicada em suas atividades”.

 

Expectativa com a duplicação da Fafen

Um dos políticos mais entusiasmados com a possibilidade de duplicação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados de Sergipe, a Fafen, órgão da Petrobras, o deputado estadual Francisco Gualberto acredita que a ação será importante para o Brasil e para Sergipe. “Boa para o Brasil porque irá dobrar a capacidade de produzir fertilizantes e ajudar a combater a elevação de preços dos alimentos, e boa para Sergipe, que vai gerar mais empregos e arrecadar mais impostos”, disse o parlamentar petista. Ele já propôs aos colegas deputados uma visita à unidade da Fafen, em Laranjeiras, para levar aos diretores da estatal o apoio da Assembléia Legislativa ao projeto de duplicação. Francisco Gualberto também ressaltou a viagem do governador Marcelo Déda ao Rio de Janeiro, ontem, para entregar ao presidente da Petrobras, Sergio Gabriele, cópia do projeto de duplicação da Fafen em Sergipe.

 

Episódio de Lagarto: resposta de Lila I

O candidato Lila Fraga enviou o seguinte esclarecimento para este espaço sobre as notas publicadas ontem, 19: “Para restabelecer a verdade, é preciso ouvir os dois lados do episódio envolvendo a falsa equipe de jornalismo da TV Cidade. Falsa, porque as duas pessoas que estavam no veículo e que se aproximaram de mim, da minha esposa e de alguns amigos em uma pastelaria, identificaram-se como sendo da referida emissora, e que estavam colhendo depoimentos dos candidatos a prefeito. Gentilmente, atendi à “reportagem”, e quando já estava respondendo à segunda pergunta, minha esposa desconfiou e perguntou pelo crachá de identificação da empresa. Eles deram uma desculpa, disseram que estava no carro, sendo que o cinegrafista pegou o microfone e entrou no veículo junto com a repórter, mais tarde identificada como Valquíria Miron. No dia seguinte (segunda-feira, 18), fomos tomar café na churrascaria e pousada do Pedro, quando vi a mesma equipe. Perguntei ao proprietário quem eram e ele me confirmou que se tratavam de pessoas contratadas pelo candidato Valmir Monteiro. Como qualquer cidadão que se sentiu enganado, fui ao encontro deles apenas para pedir a fita, uma vez que eles fizeram a gravação como se fossem da TV Cidade. Ou seja, mentiram para conseguir uma fala minha. Ambos retornaram ao quarto onde estavam hospedados e, ao contrário de qualquer tentativa de invadir a pousada, o que nunca aconteceu, chamaram a polícia que chegou e não viu nenhum ato de violência ou ameaças no local. Para restabelecer a verdade, fomos nós que sugerimos que todos os envolvidos no episódio fossem à delegacia para prestar depoimento”

 

Episódio de Lagarto: resposta de Lila II

Continua Lila:Inclusive prestei uma queixa contra os dois “profissionais” por terem mentido para conseguir um depoimento meu. Além disso, não desci a lenha “na administração atual, da qual faço parte como vice-prefeito”. Todos sabem do meu comportamento e do respeito que tenho ao prefeito Zezé Rocha, que é um dos grandes incentivadores da nossa campanha, e que em momento algum eu seria capaz de fazer qualquer comentário leviano a respeito da sua pessoa ou da sua administração. Espero que a Polícia apure o caso com rigor, critério e com imparcialidade. Até porque, não fui eu que, em momento algum, procurou a referida equipe para conceder entrevista, mas eles que foram ao meu encontro, identificaram-se como sendo da TV Cidade (na presença de várias testemunhas) e usaram de má-fé para colher meu depoimento. Aliás, o próprio deputado Valmir Monteiro confessou, no Chat que participou ontem na Infonet, que realmente mandou sua equipe ao meu encontro, talvez com o interesse de pregar uma peça. Uma atitude reprovável sob todos os aspectos, pois nunca agiria dessa forma em relação a ele. Deixo aqui um questionamento: se o deputado Valmir tem sua equipe de filmagem, qual o interesse em pegar uma fala do candidato adversário? Independente da gravação ter sido na minha casa ou numa pastelaria. É, no mínimo, estranho e antiético. Quero deixar bem claro que isso, para mim, é coisa do passado. Não meu preocupo mais com este fato porque estamos ao lado da verdade e a Polícia já está apurando. Continuo fazendo minha campanha, pedindo votos aos lagartenses, visitando-os de casa em casa, levando nossa proposta de governo, ouvindo suas reivindicações. É assim que se faz uma campanha, e é assim que se deve trabalhar para vencer, honestamente e sem atitudes ilícitas, uma disputa eleitoral”. Lila Fraga.

 

Das mentiras e o respeito a imprensa

A resposta do candidato confirma que a gravação não foi feita na residência dele como tentou passar um setor da imprensa. Outro dado: se ele concedeu uma entrevista, não foi à força. Um candidato deve saber o que fala, independente para qual equipe de jornalismo for. Ou ele tem um discurso para cada rede de televisão? E mais: o que tem de tão grave no depoimento dele que o mesmo foi ao encontro da equipe, no dia anterior “pedir” a fita? Este assunto terá desdobramento neste espaço. A entrevista do candidato tem cerca de um minuto e meio.

 

Desembargador  instala birô do advogado

A classe advocatícia do Estado de Sergipe tem recebido atenção especial ao comparecer ao Gabinete do Desembargador Edson Ulisses de Melo. Desde quando assumiu o cargo, Edson Ulisses preparou um lugar específico para recepcionar os advogados que procuram consultar os processos em andamento no 2º grau. “Instalei no meu gabinete, um birô para que os advogados possam, quando da minha ausência, consultarem os processos de forma mais estruturada e confortável, à altura dos representantes da advocacia”, explicou o Desembargador.A mesa instalada na recepção do gabinete, especialmente para a consulta de processos, foi de iniciativa do próprio Desembargador. “Por experiência própria quando advogado militante, percebi a necessidade de recepcionar a classe advocatícia com a merecida dignidade”, relatou Edson Ulisses.Os advogados Ginaldo Moura Amaral e José Vieira aprovaram a iniciativa. “Senti-me valorizado com a atitude do Desembargador Edson Ulisses. Creio que a ação é resultado da experiência adquirida na militância da advocacia. Agradeço porque poderemos dispor de um trabalho com mais conforto e dignidade e sugiro que os demais gabinetes adotem a mesma atenção à nossa classe”, refletiu Ginaldo Amaral.

 

STF mantém processo contra empresa acusada de poluir o Velho Chico

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou o pedido dos sócios do curtume “Campelo Indústria e Comércio Ltda.”, para que fosse encerrado um processo penal por crime ambiental movido contra a empresa. O curtume foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de lançar resíduos sólidos e com isso poluir o Rio São Francisco, violando o artigo 54 da Lei 9.605/98.O advogado de defesa argumentou, durante o julgamento de Habeas Corpus (HC 92921), que a empresa, sediada em Juazeiro, na Bahia, foi denunciada pelo MPF por fatos que já haviam sido resolvidos pelo curtume com o Ministério Público Estadual (MPE), por meio da assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). Após o cumprimento deste termo, alegou a defesa, teria ficado extinta a punibilidade quanto aos fatos apontados, tendo inclusive sido concedida licença de operação para o curtume.Mas o MPF teria apresentado denúncia contra a empresa pelas mesmas condutas, sem apresentar indícios de crime diverso. A empresa entende que, dessa forma, estaria sendo responsabilizada e penalizada duas vezes pelos mesmos acontecimentos, o chamado bis in idem, que seria flagrantemente ilegal. Assim, por ausência de indícios de crime, o advogado pediu o trancamento da ação penal. (STF).

 

38° Encontro Brasileiro de Faculdades de Direito

A necessidade de reflexão em busca de alternativas para o Exame da Ordem. Este é o tema central do 38° Encontro Brasileiro de Faculdades de Direito, evento que acontece no período de 21 a 23 de agosto no Teatro Tobias Barreto. O evento é uma parceria da Universidade Tiradentes – Unit – com o Colégio Brasileiro de Faculdades de Direito e tem como objetivo promover o intercâmbio cultural entre a comunidade jurídica local e a de todo o país. O evento reúne estudantes, professores e profissionais do Direito e traz em sua programação conferências e painéis sobre temas diversos, a exemplo da importância da literatura para o ensino jurídico; retrospectiva e perspectivas do ensino jurídico no Brasil; ética entre a discussão acadêmica e a prática profissional; mercantilização do ensino, entre outros. O 38° Encontro Brasileiro de Faculdades de Direito traz como conferencistas o presidente nacional da OAB, Cezar Britto, o desembargador Luiz Carlos Fontes de Alencar, além de outros grandes nomes da seara jurídica nacional. As inscrições podem ser feitas no www.unit.br ao valor de R$ 50 para alunos e professores da Unit, e de R$ 100 para acadêmicos de outras instituições e profissionais. Informações: 3218-2109. (Ascom/UNIT).

Apoio cultural

Preocupado em apoiar, divulgar e difundir a cultura sergipana, o Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Comunicação Social, está apoiando a participação da banda Maria Scombona na Feira de Música, que acontece em Fortaleza (CE). O Governo forneceu as passagens áreas para os quatro integrantes da banda e mais três membros da equipe de apoio.A sétima edição da feira vai acontecer de 20 a 23 deste mês. O evento é divido em rodada de negócios, onde empresas relacionadas à música expõem e vedem seus produtos; workshops; e shows. Os shows são espalhados por seis locais na cidade. Em 2006, a feira reuniu cerca de 40 mil pessoas. Segundo a produtora da Maria Scombona, Elma Santos, a Feira de Música se trata de um evento importante e a participação da banda só foi possível a partir do apoio do Governo do Estado. “É um evento importante porque reúne artistas de todo o país e produtores musicais, que podem ver o trabalho da banda e convidá-la para outras apresentações. Para nós participarmos, o custo seria alto e só foi possível com essa ajuda”, disse. (ASN).

 

BNB apóia os 25 anos do NPGEO da UFS

O Núcleo de Pós Graduação em Geografia (NPGEO) da Universidade Federal de Sergipe realizou na noite de ontem solenidade de abertura em comemoração aos seus 25 anos com o tema “NPGEO: 25 anos de contribuição à geografia brasileira”. O principal objetivo do evento é discutir questões atuais da organização do espaço agrário, de análise regional e de dinâmica ambiental, através de mesas redondas. Dentro da programação, que segue até amanhã, constam a realização de homenagens, conferências, exposição de projetos, além do lançamento do Catálogo de Dissertações e Teses e do Número Especial da Revista GEONORDESTE. Hoje é o segundo dia do evento e prevê mesas redondas e conferências sobre os temas: “As novas questões regionais em tempo de globalização” e “Dinâmica Ambiental e sustentabilidade”. No último dia de evento, haverá debate a cerca do tema: O Campo no séc XXI: Reflexões sobre as lógicas do Desenvolvimento Territorial, com a participação do Prf. Dr. Saumíneo Nascimento (BNB/SUDENE). O evento conta com as parcerias do Banco do Nordeste, da Petrobrás e da Emsetur. Esse evento tem como meta congregar a comunidade científica: professores, alunos, ex-alunos do NPGEO, da Geografia e demais áreas afins. (Ascom/BNB).

 

DO LEITOR

 

Merenda escolar

Aracajuanos,A merenda escolar é uma coisa difícil de controlar…

Em algumas escolas: elas transbordam, em outras vão faltar…

nas escolas não têm balança, como saber quantos quilos a carne entregue vai pesar?…

Prejuízo não deve faltar… O governo perde aqui, o aluno perde lá…

Há suspeita de mercadoria sem nota, ir acompanhando as da merenda escolar…

O “DAE” deveria embalar; lacrar e ir à escola entregar…

em 15 em 15 dias é muito, em 05 dias daria pra levar…

nada faltaria e nem iriam estragar…

os motoristas sairiam em carros com logomarca da merenda para entregar e acompanhar…

um micro empresário lá devia trabalhar…

para na mão de obra, despedir e contratar…

o “DAE/SE” não estocaria alimentos: só os distribuiria na rede escolar…

notas de entrada e saída vão fechar…

com a via das escolas, os conselheiros vão comparar…

os veículos novos no “DAE” viriam equipados com celular…

em menos de três anos, o dinheiro investido vai voltar…

perdendo no máximo o imposto que um terceiro iria pagar…

será que dá pra mudar?

Gilson Antônio da Costa, conselheiro do CAE (Conselho de Alimentação Escolar).

 

São Cristovão na normalidade

E- mail de Carlos Messias: “Li em sua coluna um e-mail intitulado ” Intervenção em São Cristóvão. No e-mail é falado que Cristovão está um desmando. Não é verdade. Apesar de todos os problemas políticos que aconteceram nas ultimas semanas, a cidade está tranquila. não tenho procuração para defender o prefeito atual, porém acho que ele tem administrado a cidade dentro de uma ordem natural. Os salários dos servidores estão sendo pagos relativamente em dia, a coleta de lixo é eficaz, alguma obras estão sendo feitas, algumas em parceria com o governo do estado. Tudo dentro de uma normalidade. Nada mais do que a obrigação. Mas, dizer que a cidade esta um desmando, é de um exagero insensato. A prova disso é que o deputado Armando Batalha tá gastando uma fortuna em uma campanha milionária para derrotar o atual prefeito. Será que ele precisaria fazer isso se a cidade tivesse um desmando? Alguma coisa de estranho está no ar”.

 

Sobre pesquisas eleitorais I

De um leitor que não deseja ser identificado: “Vejo esta coluna detratando sempre que possível a atuação dos Institutos de Opinião sergipanos, acusando-os de manipuladores, enganadores da opinião pública, agindo buscando o lucro acima de tudo. Gostaria então de fazer uma breve defesa dos institutos políticos e da pesquisa de opinião como ferramenta imprescindível para a análise do eleitorado local. Frequentemente realizo certos trabalhos na área, na atividade menos intelectual da pesquisa, a da coleta de dados através da aplicação de questionário. Os dados são coletados seguindo normas bastante rigorosas, seguindo fundamentos estatísticos de amostra da população, além de um vasto conhecimento sociológico acumulado há muito tempo na área, tanto pela teoria social quanto pelos profissionais que atuam em pesquisas. A função principal do instituto é coletar dados pertinentes e fazer as necessárias correlações e cruzamento de dados, identificando assim um perfil eleitoral. Tal “ferramenta” é imprescindível para os direcionamentos de campanhas de candidatos, assim como avaliação da aprovação popular do político. Não haveria campanha política atualmente sem a participação dos profissionais atuantes nestes institutos frequentemente criticados. Entretanto, é verdade que os dados são sempre passíveis de manipulação, risco este que não está restrito aos medidores de intenção de voto, mas a qualquer área que envolva a Estatística. A questão deve ser a adoção de uma metodologia rigorosa e, na medida do possível, científica, a qual é passível de constante crítica”.

 

Sobre pesquisas eleitorais II

Continua o leitor: “Outro ponto é que os Institutos frequentemente apenas coletam os dados, sendo estes interpretados pelos mais diversos profissionais, frequentemente da mídia. Cabe então saber até que ponto os “dados distorcidos” não são uma interpretação enviesada da realidade, cabendo então ao leitor a análise dos dados e tendo suas próprias, procurando saber qual a metodologia utilizada, pois este é, realmente um fator que pode dar vantagens a certos grupos políticos. Seria interessante que os críticos aos Institutos de Opinião pudessem ser mais seletivos em suas considerações, sabendo que há um grande esforço por parte de profissionais e trabalhadores desta área de trazer informações acuradas sobre o momento eleitoral. E também realizarem o exercício de, terminadas as eleições, comparar os erros e acertos dos Institutos.  Para finalizar, admito que certos “profissionais” da área possam estar ludibriando a população, como em qualquer outra profissão, mas que a crítica à “ideologia” não é necessariamente não-ideológica. Assim como há institutos que possam querer maquear a realidade, seus críticos também podem estar querendo desmerecer pesquisas que sejam desvantajosas ao sí ou ao grupo em que está inserido”.

 

Nota do blog

O editor deste blog respeita a opinião do leitor acima e o trabalho realizado pelo mesmo, porém, depois da campanha eleitoral de 2006 as pesquisas eleitorais em Sergipe têm um outro conceito perante o eleitorado. Nunca se errou tanto. No decorrer das próximas semanas este espaço vai lembrar de alguns números que não deixam dúvidas.

 

Frase do Dia

“A humildade exprime, uma das raras certezas de que estou certo: a de que ninguém é superior a ninguém”. Paulo Freire.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários