Cada macaco em seu mandato

0

O senador Jarbas Vasconcelos não está sozinho. O que ele disse outro dia do PMDB os cientistas vêm dizendo há muito tempo dos primatas. Os colegas do senador só querem o poder “para fazer negócios e ganhar comissões”? Tirando as siglas e os cifrões, os chimpanzés, orangotangos e babuínos também.

 

Nepotismo, abuso de autoridade, traição, rasteira, golpe, mensalão não há figura da crônica política e da patologia sociológica que não tenha passado ultimamente pelos tratados de primatologia, tornando esses livros, para os leigos, muito mais fáceis de ler. O holandês Frans de Waal, decano da especialidade e autor de Eu, Primata, passou anos anotando tudo o que os chimpanzés faziam no zoológico de Arnhem, nos Países Baixos. Viu “blefes”, “coalizões” e “trapaças” onde o público só enxerga macaquice. E concluiu que esses eternos “palhaços do reino animal se sentiriam muito à vontade numa arena política”.

 

O que eles mais fazem é exercer o poder em proveito pessoal. Costumam ser “manipuladores” e “arbitrários”. Mentem tão bem que seus chefes caminham com o dorso eriçado, simulando passos de lutadores em tatames de sumô, para dar a impressão de serem maiores que a macacada plebéia. E essa, por sua vez, não se cansa de adulá-los, em rituais de obediência que incluem o beija-mão e, melhor ainda, o beija-pé. Aliás, curvar-se diante dos chefes é coisa de chimpanzé.

 

A bajulação compensa. É do convívio com os manda-chuvas que descem, em cascata, as prerrogativas hierárquicas do bando. Ao passo que o macaco-mór “usa o prestígio obtido com essas homenagens para manter o equilíbrio social”, distribuindo favores essenciais, como o acesso às bananas e às fêmeas. Em bom politiquês, isso se chama clientelismo.

 

Briga-se muito entre os chimpanzés. Mas suas brigas raramente passam de um exercício que serve para reiterar e reforçar a unidade do grupo. O inimigo mesmo é o externo. Cada vez que dois chimpanzés do alto clero se desentendem, os outros tomam partido e todos berram como se estivessem diante das câmeras da TV Senado. Mas, no fim, acaba tudo em catação recíproca de piolho, que é o grande cerimonial da reconciliação. Adversários aparentemente dispostos a se destroçarem com os dentes foram vistos por Waal, “um minuto depois que as brigas acabavam, correrem um ao encontro do outro, beijar-se, estreitar-se num abraço demorado e fervente, e então começar a se pentear um ao outro”. Como legítimos políticos.

 

Não se vencem as disputas entre os chimpanzés só a dentadas e pontapés. A luta se decide no grito, que convoca o apoio da maioria. Se tiver apoio popular, um bom ibope, o vencedor nem precisa ser o mais forte, e muito menos ter razão no episódio. Leva no voto. Com isso, entre mortos e feridos, quase sempre se salvam todos, prontos para a festa de confraternização que preserva a integridade física dos rivais e a estrepitosa harmonia do conjunto.

 

Para facilitar os acertos e selar os armistícios, o que não falta é turma do deixa-disso. De preferência, assumem esse papel as matriarcas mais influentes, que às vezes se metem entre os adversários e facilitam os empates técnicos. Waal registrou em cadernos de campo o placar desses conflitos: entre vinte e poucos chimpanzés, havia em média, de mil a 1 500 reconciliações por ano. Só viu uma morte em batalha a de Luit, derrubado ao fim de um reinado como macho alfa que só durou dez semanas, quando se viu trancado num dormitório com dois desafetos e sem a companhia dos súditos.

 

“A agressão sempre foi atribuída a um instinto incontrolável”, comentou Waal, mas na prática ela não pode correr solta entre espécies gregárias, ou “resultaria na dispersão dos indivíduos”. Ao estudar os muriquis em Caratinga, a americana Karen B. Strier, autora do livro Faces in the Forest [Faces na Floresta], observou que há macacos mais conciliadores que os mais mitológicos políticos mineiros. “Durante as mais de 1 200 horas de observações que registrei no meu caderno de notas durante meu primeiro ano na floresta”, ela escreveu, “só estive diante de 31 interações entre indivíduos do grupo que poderiam ser remotamente consideradas agressivas.” O muriqui é tão cordato que, quando começa um acasalamento à sua frente, os machos fazem fila, esperando silenciosamente a sua vez de chegar à fêmea.

 

Cinco anos atrás, os achados dos primatólogos chamaram a atenção do cientista político Sérgio Abranches, que passou a colecionar exemplos sobre os costumes sociais dos macacos que servissem para decifrar o código genético “do caudilhismo, do clientelismo, do nepotismo” e outros neologismos com que a vida pública nacional enriquece a língua portuguesa, o colunismo político e a crônica policial.

 

Abranches juntou anedotas sobre chimpanzés que, mesmo sendo primordialmente vegetarianos, às vezes organizam expedições coletivas de caça aos bonobos, seus primos tão próximos que, à primeira vista, os olhos leigos os confundem com seus caçadores. O mais intrigante, lembra o cientista, é que essas caçadas dificilmente se justificam por falta de comida. Ao contrário, “é a abundância de frutas que estimula a formação desses comandos”. Como os chimpanzés já estão reunidos e os bonobos, próximos, atacá-los é um pulo. Ou muitos pulos, o que, no caso, não faz diferença.

 

São corridas sanguinárias pelas copas das árvores, que terminam com os chimpanzés comungando a carne do bonobo, servida aos pedaços, cerimoniosamente, para lubrificar todo tipo de relações, a começar pelas sexuais. Abranches pretendia escrever um livro sobre os padrões de conduta que se repetem entre políticos, arrastados que são por mecanismos hereditários que nunca afloram à consciência dos protagonistas. “É o caso típico dos grupos que sobem ao governo para renová-lo e passam, imediatamente, a macaquear os hábitos da elite tradicional”, ele explica. (Alguns parágrafos do ensaio de Marcos Corrêa, na revista Piauí deste mês).

 

Sarney liga para Déda

Quando estava em Nossa Senhora da Glória, visitando uma série de obras do Estado, o governador Marcelo Déda recebeu uma ligação do presidente do Senado, José Sarney. Durante a conversa, Sarney informou que não tem qualquer interesse em interferir no processo que tramita no TSE pedindo a cassação de Déda, nem está trabalhando para que isso aconteça. “O que estão produzindo são boatos. Eu conheço a trajetória de Marcelo Déda, respeito e admiro o político que hoje é governador de Sergipe. Não tenho interesse em prejudicá-lo”, informou Sarney.

 

Processo tranquilo

Déda agradeceu o telefonema. “Tenho certeza de que não há qualquer verdade nessas informações de que ele estaria interessado em me prejudicar junto ao TSE. Além disso, estou muito tranqüilo em relação a este processo. Não estou sendo acusado de comprar um só voto. As atividades executadas antes de me desligar da prefeitura foram ações normais de um prefeito”, disse o governador.

 

Deso, Deloitte e outras…

A empresa Deloitte, localizada no sul do país, ganhou uma licitação no final do ano passado, na Deso, para análise administrativa da empresa. Tudo bem, mas agora, será realizada, dentro do contrato, uma pesquisa sobre o clima organizacional junto aos funcionários da Deso e a Deloitte resolveu terceirizar o serviço para uma empresa baiana.

 

Não tem empresa em Sergipe?

Será que a diretoria da Deso não pode fazer nada? A pesquisa será iniciada na próxima semana. E pelo telefone – 3226-1162 (da Deloitte, instalado dentro da Deso) o funcionário que liga é informado da pesquisa e que a mesma será feita por outra empresa. Não seria mais justo que a Deloitte tivesse contratado uma empresa de Sergipe, para gerar empregos e renda na terrinha?

 

Diretores prestam solidariedade a Lima

Neste sábado, 28, diversos diretores e professores se reúnem numa chácara em Aracaju para prestar solidariedade ao secretário de Estado da Educação, José Fernandes de Lima. O almoço foi uma iniciativa de vários diretores que não aceitam a maneira como estão tentando macular a imagem do secretário perante a sociedade.

 

Cronologia Lógica

Deu na coluna de Fausto Leite: “A composição da mesa diretora do Tribunal de Justiça de Sergipe, poderia hoje ter dois representantes da Advocacia, caso não fosse à ingerência da OAB/SE. O fato é que se Ordem não tivesse demorado nove meses e criado uma série de dificuldades para o envio da lista sêxtupla, por antiguidade o desembargador Edson Ulisses de Melo, teria assento à mesa diretora. No passar dos tempos é que se nota que a incoerência prejudica uma classe inteira”.

 

Diálogo infeliz

Ainda Fausto Leite: “O jornalista Cláudio Humberto publicou em sua coluna, a seguinte nota: “… Cara-de-pau cubana. Em recente visita a Cuba, o presidente da OAB-SE, Henri Clay Andrade, perguntou ao vice-ministro da Justiça, Miguel Perez, “se é verdade” que há milhares de presos políticos na ilha. Resposta cínica do cubano: “Não há nenhum preso político; há presos contra-revolucionários”. Ah, bom…”.

 

Correios redobram supervisão

Em resposta a ofício encaminhado pelo procurador da República Paulo Gustavo Guedes Fontes, a Diretoria Regional dos Correios informou que redobrou os trabalhos de supervisão do fluxo de objetos postais, com o objetivo de inibir o trânsito de objetos e substâncias proibidas por meio dos serviços da empresa e que implantou a prática do trabalho em dupla.

 

Drogas por meio do Sedex

O procurador da República havia questionado os Correios, depois de constatar em alguns processos o envio de cocaína e anabolizantes por meio do Sedex. A empresa pública informou também que dispõe de equipamentos de raios X e espectômetro de massas, mas que essas máquinas estão no momento em manutenção corretiva. O procurador afirmou que abrirá um procedimento para continuar acompanhando a questão. (Ascom/MPF).

 

Governador visita obras em diversos municípios do interior

No início da tarde da sexta-feira, 27, o governador Marcelo Déda iniciou uma extensa agenda de visitas a obras e investimentos do Governo do Estado em diversos municípios sergipanos. A primeira obra a ser visitada foi a duplicação da adutora do São Francisco, no trecho compreendido nas imediações do povoado Pirunga, em Capela. Ao lado do prefeito Manoel Messias Sukita dos Santos, o governador acompanhou a realização do trabalho de acoplamento dos tubos de ferro fundido que praticamente duplicarão o volume de água transportado. De acordo com o presidente da Deso, Max Montalvão, dos atuais 1.850 litros por segundo, a adutora passará a transportar 3 mil litros por segundo. Neste trecho, o serviço está sendo realizado com a instalação de tubos de aço e ferro fundido de 1,20 m de diâmetro, numa extensão de aproximadamente 12 quilômetros.

 

Solução definitiva

Segundo o governador, a obra é de extrema importância já que, depois que estiver em operação, a adutora duplicada, ao lado da barragem do Rio Poxim, vai solucionar os problemas de abastecimento de água da Grande Aracaju pelos próximos 20 anos. “Passaremos a ter uma reserva técnica equivalente a 25% do total de água que é hoje consumida. Só nesse serviço, estamos investindo mais de R$ 100 milhões”, frisou o governador. Déda também acompanhou o criterioso trabalho de acoplamento dos tubos, uma atividade que exige precisão milimétrica numa operação com equipamentos de dezenas de toneladas. “Trabalhamos com um prazo contratual que prevê a conclusão do serviço em janeiro de 2010, mas, pelo que vimos aqui, há a possibilidade de ganharmos tempo e, quem sabe, inaugurar a obra ainda este ano, eliminando a situação de risco que sempre vivenciamos em Aracaju com a possibilidade de racionamento no período do verão”, destacou.

 

Rota do Sertão

Continuando o cronograma de visitas, o governador verificou a fase final dos serviços da pavimentação da avenida Oeste, o trecho da Rota do Sertão que cruza a cidade de Nossa Senhora da Glória. Num trecho de dois quilômetros, a avenida já conta com pavimentação asfáltica em suas duas vias, canteiro central e toda a drenagem auxiliar, complementando a infra-estrutura da via. A prefeita do município, Luana Oliveira, ao lado do secretário de Administração, Sérgio Oliveira, também acompanharam a visita, percorreram a via que reconfigura o tráfego de veículos, eliminando os problemas existentes nas ruas onde era realizada a feira do município.

 

Ilha do Ouro

Ainda em Glória, o governador fez uma visita ao pré-escolar administrado pelo padre León Gregório, personalidade de grande reconhecimento em toda a região por seu trabalho social e evangelizador. Na sequência, o governador dirigiu-se a uma outra realização histórica no Alto Sertão sergipano, a estrada que liga a sede do município de Porto da Folha ao povoado Ilha do Ouro, às margens do rio São Francisco. Com 6,7 quilômetros de extensão, a obra apresentou elevada complexidade técnica devido ao relevo e à característica altamente pedregosa do solo no local. “Este era um sonho de décadas dos moradores da região. Muitos prometeram e, justamente, quem não prometeu está cumprindo para concretizar o potencial turístico de Ilha do Ouro que, certamente, atrairá a atenção de diversos turistas sergipanos e de outros estados”, afirmou o prefeito de Porto da Folha, Manoel Gomes de Freitas, o Manoel de Rosinha.

 

Tendência Movimento PT

Aconteceu no dia 21, na Câmara de Vereadores de Aracaju, o Encontro Estadual da tendência Movimento PT, com a presença de Verônica Lima representando a direção nacional da tendência que é ligada a nomes importantes do partido como a deputada Maria do Rosário e o ex-presidente da Câmara Federal, Arlindo Chinaglia. No encontro foi debatida a conjuntura política atual, a crise financeira, a sucessão do presidente Lula, o processo de eleições diretas do PT e a reorganização e crescimento da tendência no Estado, seguindo linha definida nacionalmente. No mês de maio será realizado o Encontro Nacional que definirá a linha política da tendência a nível nacional. Estiveram presentes na abertura do evento o secretário estadual de assuntos institucionais, Lucas Rios, representando o presidente estadual do PT, Márcio Macedo, o ex-secretário de finanças Nillson Lima, o deputado Francisco Gualberto e outras lideranças políticas.

 

Candidatos ao PED 2009

Foi definido que a tendência pretende apresentar candidato a presidente estadual para concorrer mo PED 2009, estabelecendo o diálogo com outros setores internos, apresentando para o conjunto dos filiados visando para a unidade partidária os nomes de Severino Bispo, ex-presidente estadual, Otacílio Cerqueira, ex-secretário-geral estadual, Ulisses Freitas, membro do diretório estadual e José Alberto, da direção estadual. Para presidente do diretório municipal de Aracaju foi apresentado o nome do ex-vereador Magal da Pastoral.Para as eleições de 2010.

 

Apoio a Dilma Rousseff

o Movimento PT declarou apoio a pré-candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, além de lançar candidatos a deputado estadual e federal. Na oportunidade, o Encontro reafirmou por unanimidade o seu apoio à reeleição do governador Marcelo Deda, apesar da tendência não estar compondo o governo estadual. Também foi pautado o apoio dado à eleição do prefeito Edvaldo Nogueira, e a não participação da tendência na administração municipal em Aracaju. O Encontro elegeu a nova coordenação estadual.

 

Prefeituras de MG vão fechar as portas

Uma matéria publicada no Correio Brasiliense que retrata bem como a crise vem afetando as prefeituras: Os prefeitos de Minas decidiram jogar duro com o governo federal, pedindo a adoção de medidas urgentes para ajudar os municípios a superar o drama financeiro provocado pela queda nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), agravada pela crise mundial. Em reunião ontem, na sede da Associação Mineira de Municípios (AMM), os presidentes das associações de municípios das microrregiões de Minas acordaram que, em 15 de abril, todas as 853 prefeituras mineiras vão fechar as portas e manterão em funcionamento somente os serviços essenciais. Uma das consequências da crise nas pequenas cidades é o desemprego em massa, agravado pelas demissões nas prefeituras.

 

Fechadas 34 mil vagas nas administrações

De acordo com o presidente da AMM, Celso Cota, de janeiro até agora foram fechadas 34 mil vagas nas administrações municipais em Minas. “Mas, se nada for feito, nos próximos 60 dias deverão ser fechadas 80 mil vagas”, alertou. Ele disse que, além de decidirem pelo fechamento, em 15 de abril, os prefeitos vão encaminhar uma pauta de reivindicações ao governo. Uma das principais propostas é que, durante seis meses, a União suspenda os descontos feitos mensalmente nos repasses do FPM, referentes a dívidas antigas com o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). “Nos municípios os descontos variam entre R$ 20 mil e R$ 70 mil por mês, o que pesa muito num momento delicado como o atual”, disse Cota. Outro apelo é para que o governo crie um piso para o FPM, com uma complementação para pequenas prefeituras.

 

Redução do FPM entre 16% e 20%

Segundo dados da AMM, neste mês, a redução do FPM deve variar entre 16% e 20%, com as quedas somando mais de 30% nos três meses do ano. O governo federal prevê para esse mês a continuidade da queda no repasse do FPM. Uma melhora aconteceria somente a partir de maio. O governo se propôs a socorrer os municípios com dificuldades financeiras, mas estuda tratamentos diferenciados. A ideia é ajudar as cidades mais pobres cuja única receita é o dinheiro do Fundo de Participação, composto pelo Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o Imposto de Renda (IR). O repasse do governo federal aos municípios caiu porque a arrecadação de ambos os tributos recuou, fruto da crise financeira internacional.

 

DO LEITOR

 

Recapeamento no Eduardo Gomes

Do leitor Everton: “Como morador há 25 anos do Conjunto Brigadeiro Eduardo Gomes, quero cumprimentar o Governador Marcelo Déda por ter autorizado o recapeamento asfáltico do anel viário do citado conjunto. O que nós moradores queremos saber da Direção Geral do DER/SE ou do Secretário de Estado da Infraestrutura é o seguinte: O contrato prevê o recapeamento asfáltico de 7,4 km de extensão do anel viário, ou seja, apenas será recapeado as avenidas por onde passam os ônibus. Estou certo ou errado com relação ao termo anel viário? E as avenidas e ruas que ficam paralelas ao anel viário que estão em sua maioria esburacadas, como vão ficar? Porquê o Governo do Estado não autoriza um aditivo de preço e prazo para que seja recapeado todo o Conjunto Eduardo Gomes, pois a Prefeitura de São Cristovão não terá condições de executar o recapeamento sem a ajuda do Estado? Ou quem sabe não realiza o recapeamento das 02 avenidas que circundam o Conj. Eduardo Gomes (Av. Airton Sena e Av. Marginal)? Porquê não se agiliza as obras de duplicação da Rodovia João Bebe para que a mesma possa ser inaugurada no dia 1º de maio em homenagem aos milhares de trabalhadores que trafegam por aquela avenida?”.

 

Funcionários da Deso

E-mail recebido: “Desejo imensamente que esse e-mail possa chegar as mãos do Excelentíssimo Sr. Governador Marcelo Deda. Sou funcionária da Deso e quero que minha identidade seja preservada por conta de futuras perseguições. Fazemos parte do processo de nº 01155-2007-003-20-00-8 esse processo trata de reenquadramento funcional. Ganhamos em 1ª  e 2ª instância e a empresa decidiu desde dezembro/08 cumprir o que determinou a lei e passou a nos pagar não mais como Auxiliares de Execução e sim como Ass. Gestão ADM II, mas continuamos fazendo as tarefas de Auxiliares de Execução. Ontem (26/03) o Sr. Diretor Adm e Financeiro Everton Teixeira nos chamou e disse que passaríamos agora a exercer também a função uma vez que desde dez/08 já estamos recebendo por ela. Sendo que cada um envolvido no processo ele designou para cidades como: Carira, Poço Redondo, N.Srª da Glória, Frei Paulo, Aquidabã, Propriá, Itabi. Sendo que já estamos há 04 anos trabalhando em Aracaju. É estranho que tal transferência venha acontecer num  momento que ganhamos a ação na justiça. Temos residência, estudamos em Aracaju… Como um diretor nos chama e não nos dá condições nenhuma e diz que a partir de 30/03 teremos que nos apresentar cada um em uma dessas cidades designadas?  Uma certa vez quando o nosso então governador era candidato a Deputado Federal eu o encontrei na Catedral, qual não foi a minha felicidade, só em encontrá-lo e apertar a sua mão, e venho votando nele juntamente com toda minha família para agora no que seria o GOVERNO da mudança eu e meus colegas está sofrendo ameaças de demissão e perseguições .Pensei que esse seria um governo de mudanças, mas para avançar e não para retroceder a governos anteriores.Como fica a nossa situação? Estaremos à mercê da vingança pessoal de Everton Teixeira que está diretor e nem funcionário da casa ele é…”.

 

Merenda em Laranjeiras

E-mail recebido: “Parece até brincadeira mas o fato continua – a falta de merenda escolar no caic conjunto em laranjeiras período da tarde – será que as crianças pobres que estudam neste período não precisam de uma regularidade no fornecimento desta alimentação – o fato vem persistindo desde o dia 16 de fevereiro – quem acha que é mentira converse com as crianças deste horário – a mordomia de  secretários e diretores continua quanto ao uso de  veículos – cada secretário tem veículo para ida e volta Aracaju /laranjeiras exceto os residentes na cidade que é uma minoria”.

 

Shows no interior e elogio ao Bompreço

Do leitor André: “Como forma de engrandecer ainda mais seu texto sobre e crise e shows, informo-lhe que Itaporanga ainda é uma cidade relativamente grande, e deve ter uma arrecadação muito boa, mas o que falar de General Maynard, pequena cidade vizinha a Carmopolis. Por incrível que pareça, nesta sexta, dia 27 de março, ocorrerá um show na cidade sabe de quem? Aviões e Calcinha Preta, é mole, aquela mega cidade, não tem um posto de saúde 24 horas, tem poucas opções fixas de diversão, como praças e outras, mas arruma dinheiro para duas bandas deste porte. Quer dizer, pode separar em torno de 100 mil reais gastos em uma única noite. Coisas do Brasil, coisas em Sergipe. Mas aonde anda a nobre Promotora daquele município, será que ela não tomara uma atitude? Agora quero homenagear a atitude que esta sendo tomada pela rede Bompreço. Agora quem levar suas sacolas plásticas, ou de outro tipo, ganha um desconto nos produtos, tudo isso para diminuir o consumo de bolsas plásticas. Ajudamos o meio ambiente, e o bolso, vai junto. Por que os outros supermercados não tomam a mesma atitude. O planeta está reclamando, e cada deve fazer a sua parte”.

 

Crise, prefeitos e shows I

Do leitor Pedro: “Parabéns pela matéria “Crise, prefeitos e muitos shows…”. Ela é oportuna, inteligente e, também na minha opinião, retrata exatamente a pratica da maioria dos políticos do nosso país. Assisti com tristeza uma reportagem da TV ATALAIA sobre a situação em Poço Redondo. Crianças na escola, chorando com fome, agricultores desesperados vendo a terra seca, lutando incansavelmente para tentar minimizar o sofrimento do gado. Parece mais cena de filme de terror ou mesmo ficção. Acho uma insanidade  generalizada as atitudes de prefeitos sergipanos quando, apesar de tudo que estamos acompanhando, insistirem na promoção de eventos festivos. Festejar o quê??? A crise que com certeza já chegou ao nosso Estado, infelizmente, através das quedas constantes de arrecadação em todos os municípios??? Ou será que tais prefeitos estão festejando aquelas crianças da região de Poço Redondo e mostradas na TV ATALAIA, chorando por não terem o que comer??? Ou mesmo aquela cena do sertanejo tentando levantar o gado do pouco que restou do rebanho sertanejo que se encontra morrendo à míngua???”

 

Crise, prefeitos e shows II

Continua Pedro: “E aí, a despeito de tudo e de todos, como verdadeiros “imperadores romanos”, os alcaides municipais contratam, a peso de ouro, festas e bandas como “Aviões do Forró”, “Calcinha Preta” e outros mais. Resta-me tão somente perguntar, amargurado e triste:  ATÉ QUANDO???  Será que não existe instituição, órgão ou mesmo autoridade constituída para coibir tais práticas???  Cadê o Ministério Público, não está vendo tudo isso??? “Nesse tempo muitos hão de se escandalizar, e trair-se uns aos outros, e mutuamente se odiarão. Igualmente hão de surgir muitos falsos profetas, e enganarão a muitos; e, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará.” Mateus 24:10-12”.

 

Concurso público de Itabaiana

Do leitor Ismael: “Em relação ao concurso dos Agente de saúde no município de Itabaiana, realizado na administração da prefeita Maria Mendonça no ano de 2005, o número de vagas ofertadas no edital era de 168 vagas, contudo até agora foi informado a minha esposa que fez o referido concurso e foi aprovada no número de vagas, que convocaram apenas 101 agentes até o presente momento. Temeroso de que o prazo do concurso venha a se extinguir, prejudicando assim quem de direito fez e foi aprovado no mesmo, trago a público este assunto, para que o secretário de comunicação do município nos traga uma posição oficial da prefeitura sobre o assunto, para que a depender desse posicionamento, possamos tomar medidas cabíveis e lutar por nossos direitos. Protesto  que é inadmissível que nesse país ainda existam fatos dessa natureza relacionado a concursos públicos, onde pessoas acreditam em editais, prestam concursos, mas vêem sutilmente seus direitos serem negados, ou empurrados de barriga”.

 

Frase do Dia

“O que me impressiona, à vista de um macaco, não é que ele tenha sido nosso passado: é este pressentimento de que ele venha a ser nosso futuro”. Mário Quintana.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários