Chega de violência

0

A violência segue assustando os sergipanos. A criminalidade faz vítimas em todo o estado, mas sua ação é mais sangrenta na Grande Aracaju, onde matar virou uma rotina para a maioria dos bandidos. As páginas policiais dos jornais e os programas radiofônicos atestam que o crescimento de todas as formas de violência urbana e rural tem sido avassalador. Enquanto o governo dá mostras de inércia no combate à criminalidade, Sergipe se destaca negativamente quanto aos impressionantes índices de violência. Até quando seremos obrigados a conviver com essa situação de horror e medo? O Poder Público precisa agir rapidamente para pôr um fim a este sinistro quadro que assola a população e envergonha a todos nós. Até porque essa incapacidade expõe a fragilidade da nossa política de segurança pública.

Pra ser político

Pague pinga pra pinguço,
Decore o nome do povo,
Abrace abraço fedido,
Dê cheiro em menino novo
Diga que passou o dia
Andando só com um ovo.

A definição acima está no bem acabado cordel ‘O ladrão e o político’, do poeta José Augusto, de Mossoró (RN).

Alça de mira

O Tribunal Regional Eleitoral deve julgar hoje os processos de inelegibilidade dos candidatos a deputado federal Bosco Costa (PROS) e de André Moura (PSC), além do postulante a uma cadeira na Assembleia, Ricardo Dantas Santos (PSC). Precavido, o André Moura registrou a candidatura da esposa Lara Moura (PSC), que o substituirá caso ele seja impedido de disputar a reeleição.

Não abre mão

Mesmo preso desde o último sábado, o ex-prefeito de Capela, Manoel Messias Santos, vulgo “Sukita” (PSB), insiste em ser candidato a deputado estadual. Ontem, antes de ser enviado para a penitenciária, ele disse que “o pedido de renúncia entregue pelo partido à Justiça Eleitoral não retrata a minha vontade”. O diabo é que a renúncia protocolada pelo PSB no TRE está assinada pelo próprio “Sukita”.

Pesquisa

A TV Sergipe divulga hoje à noite a primeira pesquisa eleitoral realizada em Sergipe pelo Ibope. Encomendada pela Rede Globo, a consulta será repetida outras duas vezes até às vésperas das eleições. A primeira pesquisa divulgada depois do registro das candidaturas a governador foi feita pelo Instituto Vox Popoli e apresentou um empate técnico entre Jackson Barreto (PMDB) e Eduardo Amorim (PSC).

Alvo mais fácil

“Estão tentando atirar na Graça [Foster, presidente da Petrobras] para atingir Dilma Rousseff”. A afirmação foi feita ontem ao jornal Folha de São Paulo pelo diretor corporativo da estatal, Zé Eduardo Dutra. Segundo ele, a CPI da Petrobras é um tiroteio político. Dutra também revelou que a empresa está trabalhando com um cenário de reajuste no preço da gasolina, porém não disse quando isso acontecerá.

Partido rachado

Os chamados ‘autênticos’ do PPS divulgaram manifesto ontem em apoio à reeleição do governador Jackson Barreto (PMDB). O partido faz parte da coligação encabeçada por Eduardo Amorim (PSC). O candidato a deputado federal da legenda, Nilson Lima, disse que a posição contrária de alguns filiados não altera a posição do PSB. Os divergentes são oriundos do velho PCB e contam com a liderança do experiente comunista Wellington Mangueira.

Hits do Momento

Aos poucos, os jingles dos postulantes a cargos eletivos começam a fazer a cabeça do eleitor. Carros de som divulgam as músicas juntamente com as mensagens dos candidatos. Por ser da campanha anterior, a mais familiarizada com o eleitor é a “2510” do deputado federal e candidato à reeleição Mendonça Prado.

Menos vale mais

Para ser eleito deputado, além de obter votos para si, o candidato também depende dos sufrágios que serão dados ao partido ou à coligação a que pertence. Ao contrário dos cargos majoritários, cujo eleito é o mais votado, no caso dos parlamentares, a vitória depende do cálculo do quociente eleitoral e partidário. Graças a eles, um candidato A, mesmo sendo mais votado que um candidato B, poderá não ser eleito se o seu partido não alcançar o quociente eleitoral.

É contra

O reitor da Universidade Federal de Sergipe, Ângelo Antoniolli, é contra a proposta do candidato a governador Eduardo Amorim (PSC) de criação de uma universidade estadual. Durante palestra promovida pela Associação Comercial e Empresarial de Sergipe, Ângelo disse achar que este assunto deveria ter sido debatido há 50 anos: “O ensino superior é a fatia mais cara da educação, e temos uma universidade federal que vem dando conta do seu papel. Nesse momento, a universidade estadual compromete os ensinos fundamental e médio”, ensinou.

Porte de arma

Está em vigor desde ontem a lei que permite porte de arma de fogo por guardas municipais. De acordo com a nova regra, além da segurança patrimonial, as guardas terão poder de polícia. Elas poderão atuar na proteção da população, no patrulhamento preventivo, no desenvolvimento de ações de prevenção primária à violência, em grandes eventos e na proteção de autoridades, bem como em ações conjuntas com os demais órgãos de defesa civil. As guardas terão até dois anos para se adaptar às novas regras.

Presidenciável

E quem fez campanha ontem em Sergipe foi o presidenciável Zé Maria (PSTU). O candidato fez panfletagem na entrada da Fábrica de Fertilizantes do Nordeste (Fafen), em Laranjeiras. Segundo ele, é preciso “atacar o machismo, racismo, homofobia e a violência policial contra os pobres e negros”. O candidato do PSTU voltou a defender um modelo econômico que priorize os trabalhadores e o não pagamento da dívida pública.

Recorte de jornal

Publicado no Jornal de Aracaju em 29 de setembro de 1875

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais