É proibido parir

0

Com as maternidades de Sergipe fechando uma atrás da outra, o governo e as prefeituras precisam fazer uma robusta campanha contra a gravidez. Seria o caso de agentes de saúde baterem às portas das residências distribuindo preservativos, pílulas anticoncepcionais e orientando sobre as vantagens da castidade. Se mesmo assim os casais sergipanos insistirem em procriar, o poder público pode copiar da China a drástica política populacional restritiva, que pune com pesadas multas quem deseja ter mais de um filho. É um absurdo, convenhamos, que mulheres grávidas perambulem de maternidade em maternidade a procura de um espaço para parir, tudo porque médicos e hospitais não chegam a um acordo salarial, enquanto os governos preferem a política do esparadrapo a realizar obras estruturante e valorizar os profissionais de saúde. O que está acontecendo em Sergipe é uma vergonha.

Licença maior

A governadora em exercício, deputada Angélica Guimarães (PSC), encaminhou ontem para a Assembleia Legislativa uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) prevendo a ampliação do de quatro para seis meses de licença-maternidade para as militares. A PEC visa adequar a situação das militares com as servidoras civis, que já contam com o benefício.

Entra e sai

Não convidem o ex-prefeito de Propriá, Paulo Britto (PT), para disputar um cargo eletivo, pois ele pode ser eleito e renunciar em seguida. Entrevistado pelo Portal Infonet, o moço, que largou a Prefeitura faltando um ano e meio para o fim do mandato, disse que renunciaria outras 200 vezes. Portanto, ele ainda dispõe de uma cota de 199 renúncias.

Droga ilegal

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu a venda de mefedrona. Usada como fertilizante agrícola, a mefedrona estava sendo utilizada como insumo para produção de uma droga que provoca euforia, hipertensão e delírios nos usuários, efeitos semelhantes aos da cocaína e do ecstasy. Com a decisão, a mefedrona passa a ser considerada como o crack e cocaína: uma droga ilegal.

Rasgando grana

A Secretaria estadual de Infraestrutura concluiu a 2ª etapa da reforma e ampliação do Estádio Brejeirão, em Tobias Barreto, num investimento de R$ 1,1 milhão. O atual governo já recuperou os estádios Presidente Médici, em Itabaiana, Francão, em Estância, e Senador Albano Franco, em Simão Dias. A pergunta que não quer calar é por que gastar tanto dinheiro com um futebol à beira da falência como o nosso? Não seria melhor investir em quadras poliesportivas para a juventude?

Rasga mortalha

O campo de Piranema, no litoral de Estância, produziu nos últimos três anos oito milhões de barris de petróleo, sendo que a produção atual gira entre 9 a 10 mil barris/dia. Em 2012, de acordo com a Petrobras, 25 mil barris/dia estarão sendo extraídos de Piranema. De posse desses números, o deputado estadual Francisco Gualberto (PT) desmentiu denúncias da oposição dando conta que Piranema pode ser desativado. “Essa calúnia é coisa de rasga mortalha, aquela ave que, segundo o folclore, anuncia mortes”, fustigou o petista.

Lato sensu

O Ministério da Educação publica hoje novas regras que restringem a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu (em sentido amplo). A partir de agora, instituições não educacionais – como sindicatos, organizações não governamentais (ONGs), conselhos de classe, universidades corporativas e hospitais –, que antes eram autorizadas a oferecer especialização, não receberão mais o reconhecimento do Ministério.

Foi blefe?

Com o título acima, a coluna Periscópio, do Jornal da Cidade, publica hoje a seguinte nota: “O ex-deputado federal João Fontes disse ter conversado com pessoas ligadas ao PMDB em Brasília e descobriu que nenhum convite foi feito ao deputado federal Almeida Lima para ser ministro do Turismo. “Ele está querendo se valorizar, voltar a ocupar espaços na mídia”, afirmou.

Dá-lhe Mengão

Nem precisa dizer que a urubuzada está sorrindo de orelha a orelha com a excelente performance do Flamengo, que ontem voltou a vencer. Com um gol de Deivid, o Mengão derrotou o Cruzeiro e se manteve na 2ª posição do Campeonato Brasileiro, com apenas um pontinho atrás do líder Corinthians. Com o jogo de ontem, o time rubro-negro chegou à 14ª partida invicto. Quer mais?

Do baú político

Convidado pelo então governador Albano Franco (PSDB), o coronel de Exército Antônio Freitas Alcântara comandou a Polícia Militar de Sergipe por nove meses, tendo deixado o cargo após um aquartelamento que durou oito dias. O coronel era visto por alguns policiais como vacilão. Essa pecha, contudo, caiu por terra numa manhã, durante a formatura matinal no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cefap). Após falar sobre respeito aos superiores, coronel Alcântara deu o comando de “um, dois” e se agachou, sendo seguido pela tropa, com exceção de dois oficiais, que permaneceram de pé. Aí a coisa ficou feia, pois o oficial do Exército sacou a pistola, engatilhou e se dirigiu aos ‘rebeldes’. Conversou com ambos baixinho e repetiu o comando de “um, dois”. Ele e toda a tropa se agacharam, inclusive os dois oficiais. Foi um alívio para todo mundo.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários